Análise de ADN revela segredos do extinto “unicórnio da Sibéria”

Uma equipa de cientistas analisou pela primeira vez o ADN do mamífero extinto Elasmotherium sibiricum, mais conhecido como “unicórnio da Sibéria”, revelando que estávamos muito errados sobre este misterioso animal.

De acordo com um novo estudo, agora publicado na revista Nature Ecology & Evolution, estes animais extinguiram-se muito mais tarde do que se pensava e podem mesmo ter partilhado a Terra com os humanos e com os neandertais.

Tal como nota o Science Alert, a pesquisa revelou alguns segredos fascinantes sobre esta mítica e estranha espécie que, até então, se acreditava ter-se extinguido há 200 mil, anos, ainda antes do começo da última Era Glacial.

Para a investigação, os cientistas analisaram 23 amostras de ossos deste mamífero e descobriram que estes têm entre 35.000 e 36.000 anos de idade. De acordo com o portal de ciência, esta é também a época em que os humanos começaram a povoar as estepes da Rússia, do Cazaquistão, da Mongólia e o norte da China.

Por tudo isto, os cientistas acreditam que os “unicórnios siberianos” coexistiram com os humanos modernos no planeta durante um determinado período de tempo.

Um estudo anterior, publicado em 2016 no American Journal of Applied Science, debruçou-se sobre fragmentos ósseos de uma caveira deste animal, tendo concluído que os ossos eram datados de há 29.000 anos, no entanto os resultados desta investigação foram considerados pouco fiáveis na altura.

Para surpresa dos cientistas, o recente estudo revelou ainda que o Elasmotherium sibiricum não está intimamente relacionado com os rinocerontes modernos. De acordo com os autores, esta espécie pertence a uma linhagem única que se separou da linha que conduziu até aos rinocerontes modernos há mais de 40 milhões de anos.

Apesar de ser possível que estes animais tenham coexistido com os humanos, os cientistas não acreditam que essa tinha sido a causa da sua enigmática extinção.

Alan Cooper, investigador da Universidade de Adelaide, na Austrália, disse em declarações ao Science Alert que a extinção ocorreu “num período de mudança climática que, não sendo extremo, fez com que muitos invernos fossem muito mais frios”. Face às mudanças no clima, acreditam os cientistas, a “extensão das pastagens na área” alterou-se, podendo ter ditado o fim desta espécie.

A investigação revelou também que o Elasmotherium sibiricum se alimentavam apenas de capim: “Parecem que [estes animais] eram tão especializados na sua dieta alimentar que não conseguiram sobreviver”, explicou Cooper.

A nova investigação desconstrói alguns dos dados que a comunidade científica já dava como certos, como a época em que viveram e a coexistência com os humanos modernos. Contudo, ficam ainda alguns segredos por desvendar: os cientistas não sabem ainda o tamanho do chifre deste mamíferos, uma vez que ainda não foi encontrado nenhum.

Com base nas medições realizadas a partir dos fragmentos do crânio desta espécie, os especialistas estimam que o chifre do “unicórnio” da Sibéria possa atingir até um metro de comprimento.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …

Trump promove falsa teoria de que Kamala Harris não nasceu nos EUA (e que não será elegível para vice)

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que ouviu que Kamala Harris, candidata democrata à vice-presidência da Casa Branca, não era elegível para o cargo, com base num boato que sugeria que pode não …

"Avante!". Pede-se máscara obrigatória, mas PCP só dá ouvidos à DGS

Vários peritos pedem o uso obrigatório de máscara na Festa do Avante!, mas o PCP só atende às recomendações feitas pela Direção-Geral da Saúde. Depois de muita contestação, a Festa do Avante! vai mesmo realizar-se, entre …

Coreia do Sul com maior número de casos desde março. Seul reforça medidas restritivas

A Coreia do Sul endureceu este sábado as medidas restritivas para conter a pandemia de covid-19 em Seul e arredores após registar o número mais elevado de novos casos diários em cinco meses. As regras, que …