Ameríndios terão vivido 10.000 anos no Estreito de Bering

Cyrus Thomas / Wikimedia

-

Os ameríndios terão vivido 10.000 anos no istmo de Bering, atualmente submerso e transformado em estreito, antes de serem os primeiros colonos do continente americano, segundo análises de fósseis revelando que a vegetação era propícia à sobrevivência de humanos.

Esta descoberta poderá esclarecer o mistério do “desaparecimento”, durante 10.000 anos, de qualquer vestígio dessas populações, entre o período em que se encontravam na Sibéria e a sua chegada ao continente americano, explicam os investigadores, cujo estudo está publicado na mais recente edição da revista norte-americana Science, datada de hoje.

“Estes trabalhos preenchem uma lacuna de 10 milénios na epopeia dos povos do novo mundo”, vindos da Ásia durante o último grande glaciar (cujo pico data de há 22.000 anos), declarou o professor Scott Elias, do departamento de Geografia da Universidade Royal Holloway, em Londres, um dos principais autores.

As análises ao ADN mitocondrial, transmitido pela mãe, retirado das ossadas, mostra que os ameríndios originários da Ásia emergiram como grupo étnico específico há pouco mais de 25.000 anos na Sibéria, mas só chegaram à América cerca de 15.000 anos depois, precisa Dennis O’Rourke, um antropólogo da Universidade de Utaj, também autor do estudo.

A ponte terrestre que se encontrava então no local onde está hoje o estreito de Bering, que separa o Alasca da Sibéria, bem como algumas partes envolventes não eram assim tão áridas como o resto da Beríngia, nome dado a esses territórios agora imersos, como se pensava na altura.

John Connell / Flickr

A descida do nível das águas criou há milhares de anos uma "ponte terrestre" no que é hoje o estreito de Bering

A descida do nível das águas criou há milhares de anos uma “ponte terrestre” no que é hoje o estreito de Bering, que separa o Alasca, no extremo ocidental do continente americano,  da Sibéria, no extremo oriental da Ásia.

Esta parte central da Beríngia estava coberta de arbustos de tundra, a vegetação dominante no Alasca ártico, enquanto os glaciares cobriam o noroeste da América, o Wyoming, o Wisconsin e o Ohio, no leste.

“Pensamos que os antepassados dos ameríndios sobreviveram nesta tundra do istmo de Bering, porque era, então, a única região do Ártico onde os arbustos cresciam”, explicou o professor Elias.

“Eles precisavam de madeira para fazer fogo nesta região extremamente fria do globo, utilizando os ramos desses arbustos para atear uma fogueira que cobriam em seguida com ossos de grandes mamíferos que caçavam e que podiam arder durante horas, ajudando os homens a sobreviver às noites árticas no inverno”, acrescentou.

Os investigadores fizeram estas descobertas ao analisar insetos e plantas fossilizados extraídos de aglomerados de sedimentos provenientes do fundo do estreito, a 50 metros de profundidade do mar de Bering.

“Os dados genéticos e paleo-ecológicos correspondem perfeitamente”, sublinha John Hoffecker, um arqueólogo e paleo-ecologista da Universidade do Colorado, em Boulder, o principal autor do estudo.

Hoffecker reconhece que a teoria dessas populações, isoladas durante 10.000 anos naquela parte da Beríngia, padece de uma ausência de indícios arqueológicos.

Mas, segundo o arqueólogo, escavações futuras nas partes da Beríngia que não estão submersas, bem como nas terras baixas do oeste do Alasca e do leste da Sibéria, poderão revelar vestígios da presença passada desses grupos humanos, além de antigas habitações.

John Hoffecker considera igualmente que esta população da Beríngia pôde caçar com êxito nas regiões da estepe e da tundra, onde vivia provavelmente um grande número de ruminantes como bisontes, cavalos e mamutes.

Existem dois grupos de vestígios arqueológicos datados do período do final do último Máximo Glaciar, há pouco menos de 15.000 anos, precisou.

“Um deles testemunha uma migração tardia da Ásia para o Alasca, enquanto o outro não revela qualquer origem além da Beríngia e que poderá bem representar as populações isoladas durante milénios nesta região durante o Máximo Glaciar”, descreveu o arqueólogo.

Embora ainda desencadeie polémica o debate sobre o facto de se saber quando os primeiros humanos migraram pela primeira vez para o continente americano, muitos arqueólogos estimam agora que tal ocorreu há cerca de 15.000 anos, após o derretimento dos glaciares, que abriu o acesso às zonas costeiras e às terras interiores da América do Norte.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Vibrações provocadas por "estrelamotos" permitem precisar a idade da Via Láctea

Os tremores estelares registados pelo telescópio espacial Kepler, da NASA, ajudaram a responder a um antigo enigma sobre a idade do "disco espesso" da Via Láctea. Uma equipa de cientistas, liderada por investigadores do Centro de …

Este casaco foi desenhado para nos ajudar a dormir em qualquer lado

A britânica Vollebak lançou um casaco, inspirado nos astronautas, que facilita a ideia de poder dormir, literalmente, em qualquer lado. A pensar em todas aquelas pessoas que gostam de fazer uma sesta ou outra, independentemente do …

DJ Juice WRLD morre aos 21 anos

A estrela do hip-hop norte-americano Juice WRLD faleceu este domingo (8), depois de sofrer convulsões no Aeroporto de Midway, em Chicago, avança o TMZ. O rapper tinha feito 21 anos a 2 de dezembro. De acordo …

"A Favorita" arrebata prémios do cinema europeu

O filme "A Favorita", do realizador grego Yorgos Lanthimos, arrecadou oito prémios da Academia de Cinema Europeu, numa cerimónia realizada em Berlim. "A Favorita" conquistou, entre outros, os prémios de Melhor Filme Europeu, Melhor Comédia, Realização …

Belenenses 1-1 Porto | "Dragão" escorrega e deixa fugir líder

O FC Porto não foi além de um empate na visita ao Jamor, ante o Belenenses. André Santos abriu as “hostilidades” e Alex Telles, na marcação de uma grande penalidade, fixou o resultado final. Com esta …

Caligrafia desleixada de Isabel I denuncia-a como a tradutora anónima de um livro romano

A rainha Isabel I de Inglaterra foi identificada como a tradutora anónima do livro "Anais" de Tácito. As idiossincrasias da sua caligrafia acabaram por ser fundamentais para a descoberta. Na análise a uma tradução de século …

Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet? Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada …

Sporting 1-0 Moreirense | "Leão" resolve à cabeçada

O Sporting regressou às vitórias na Liga NOS, embora não sem sentir algumas dificuldades, em especial no ataque. Os "leões" bateram o Moreirense por 1-0, numa partida em que remataram muito (28, máximo na Liga até …

Orçamento do Estado. "Sentido de voto do BE está completamente em aberto"

A coordenadora do BE afirmou, este domingo, que o sentido de voto do partido sobre o Orçamento do Estado para 2020 está "completamente em aberto", desejando que o Governo socialista atenda às reivindicações bloquistas. "Fizemos uma …

João Cotrim Figueiredo eleito presidente da Iniciativa Liberal com 96% dos votos

João Cotrim Figueiredo foi eleito, este domingo, presidente da Comissão Executiva da Iniciativa Liberal, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido. A III Convenção Nacional do partido decorre hoje …