Ameríndios terão vivido 10.000 anos no Estreito de Bering

Cyrus Thomas / Wikimedia

-

Os ameríndios terão vivido 10.000 anos no istmo de Bering, atualmente submerso e transformado em estreito, antes de serem os primeiros colonos do continente americano, segundo análises de fósseis revelando que a vegetação era propícia à sobrevivência de humanos.

Esta descoberta poderá esclarecer o mistério do “desaparecimento”, durante 10.000 anos, de qualquer vestígio dessas populações, entre o período em que se encontravam na Sibéria e a sua chegada ao continente americano, explicam os investigadores, cujo estudo está publicado na mais recente edição da revista norte-americana Science, datada de hoje.

“Estes trabalhos preenchem uma lacuna de 10 milénios na epopeia dos povos do novo mundo”, vindos da Ásia durante o último grande glaciar (cujo pico data de há 22.000 anos), declarou o professor Scott Elias, do departamento de Geografia da Universidade Royal Holloway, em Londres, um dos principais autores.

As análises ao ADN mitocondrial, transmitido pela mãe, retirado das ossadas, mostra que os ameríndios originários da Ásia emergiram como grupo étnico específico há pouco mais de 25.000 anos na Sibéria, mas só chegaram à América cerca de 15.000 anos depois, precisa Dennis O’Rourke, um antropólogo da Universidade de Utaj, também autor do estudo.

A ponte terrestre que se encontrava então no local onde está hoje o estreito de Bering, que separa o Alasca da Sibéria, bem como algumas partes envolventes não eram assim tão áridas como o resto da Beríngia, nome dado a esses territórios agora imersos, como se pensava na altura.

John Connell / Flickr

A descida do nível das águas criou há milhares de anos uma "ponte terrestre" no que é hoje o estreito de Bering

A descida do nível das águas criou há milhares de anos uma “ponte terrestre” no que é hoje o estreito de Bering, que separa o Alasca, no extremo ocidental do continente americano,  da Sibéria, no extremo oriental da Ásia.

Esta parte central da Beríngia estava coberta de arbustos de tundra, a vegetação dominante no Alasca ártico, enquanto os glaciares cobriam o noroeste da América, o Wyoming, o Wisconsin e o Ohio, no leste.

“Pensamos que os antepassados dos ameríndios sobreviveram nesta tundra do istmo de Bering, porque era, então, a única região do Ártico onde os arbustos cresciam”, explicou o professor Elias.

“Eles precisavam de madeira para fazer fogo nesta região extremamente fria do globo, utilizando os ramos desses arbustos para atear uma fogueira que cobriam em seguida com ossos de grandes mamíferos que caçavam e que podiam arder durante horas, ajudando os homens a sobreviver às noites árticas no inverno”, acrescentou.

Os investigadores fizeram estas descobertas ao analisar insetos e plantas fossilizados extraídos de aglomerados de sedimentos provenientes do fundo do estreito, a 50 metros de profundidade do mar de Bering.

“Os dados genéticos e paleo-ecológicos correspondem perfeitamente”, sublinha John Hoffecker, um arqueólogo e paleo-ecologista da Universidade do Colorado, em Boulder, o principal autor do estudo.

Hoffecker reconhece que a teoria dessas populações, isoladas durante 10.000 anos naquela parte da Beríngia, padece de uma ausência de indícios arqueológicos.

Mas, segundo o arqueólogo, escavações futuras nas partes da Beríngia que não estão submersas, bem como nas terras baixas do oeste do Alasca e do leste da Sibéria, poderão revelar vestígios da presença passada desses grupos humanos, além de antigas habitações.

John Hoffecker considera igualmente que esta população da Beríngia pôde caçar com êxito nas regiões da estepe e da tundra, onde vivia provavelmente um grande número de ruminantes como bisontes, cavalos e mamutes.

Existem dois grupos de vestígios arqueológicos datados do período do final do último Máximo Glaciar, há pouco menos de 15.000 anos, precisou.

“Um deles testemunha uma migração tardia da Ásia para o Alasca, enquanto o outro não revela qualquer origem além da Beríngia e que poderá bem representar as populações isoladas durante milénios nesta região durante o Máximo Glaciar”, descreveu o arqueólogo.

Embora ainda desencadeie polémica o debate sobre o facto de se saber quando os primeiros humanos migraram pela primeira vez para o continente americano, muitos arqueólogos estimam agora que tal ocorreu há cerca de 15.000 anos, após o derretimento dos glaciares, que abriu o acesso às zonas costeiras e às terras interiores da América do Norte.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Albânia demoliu restaurante do homem que perseguiu turistas no capô do carro

O dono de um restaurante ilegal na Albânia meteu-se em sérios apuros depois de ter perseguido uma família de turistas espanhóis, colocando-se no capô do carro onde seguiam e partindo o pára-brisas. O restaurante que …

Sensores de radiação da Rússia desligaram-se misteriosamente após recente explosão nuclear

Nas semanas após um acidente nuclear fatal num campo de tiro de armas navais em Nyonoksa, quatro sensores de partículas radioativas que enviavam dados do território russo para uma rede de monitorização internacional desligaram-se misteriosamente. As …

Zumba. O negócio milionário que começou com uma distracção de um colombiano

Foi uma distracção que levou o bailarino colombiano Beto Pérez a criar a zumba e a construir um dos negócios actuais com mais sucesso em todo o mundo, avaliado em mais de 450 milhões de …

Ligações a Jeffrey Epstein abalam um dos mais prestigiados laboratórios de tecnologia do mundo

O MIT Media Lab junta áreas que vão do design à robótica e é responsável pelas mais vanguardistas inovações do Massachusetts Institute of Technology, uma das mais reputadas universidades do mundo na área da tecnologia. Agora, …

Choveu água preta em São Paulo

Na tarde de segunda-feira um fenómeno climático transformou o dia em noite na cidade de São Paulo em plena tarde. E choveu água preta. Nas redes sociais há inúmeras imagens de copos, garrafas e baldes que …

Macron vai encontrar-se com iranianos para debater acordo nuclear

O Presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou na quarta-feira que vai encontrar-se com representantes do Irão antes da reunião do G7, que decorre no próximo fim de semana, para trabalhar em propostas que salvaguardem o …

Pentágono confirma morte do filho de Osama bin Laden

O secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), Mark Esper, confirmou a morte de Hamza bin Laden, filho e herdeiro do fundador da Al-Qaeda, Osama bin Laden. "Esse é o meu entendimento", disse Mark Esper, numa …

Homem detido por filmar por baixo das saias de mais de 550 mulheres no metro de Madrid

Um colombiano de 53 anos foi detido e ficou em prisão preventiva nesta quarta-feira, em Madrid, acusado de filmar vídeos por baixo das saias de mais de 550 mulheres — algumas menores — e publicá-los …

Tempo de espera nos CTT é principal causa de insatisfação dos clientes

Um inquérito da associação Deco a 1.800 clientes dos CTT revela que esperam, em média, 18 minutos para serem atendidos e que o tempo de espera é o que causa mais insatisfação. O inquérito realizado a …

Gronelândia não é só um capricho de Trump. EUA querem comprar a ilha há 70 anos

A proposta de Donald Trump para comprar a Gronelândia terá parecido apenas mais uma ideia megalómana do presidente dos EUA, mas não é a primeira vez que o país tenta ficar com a ilha que …