Trump pede União a uma América “fraturada e caótica”

Shawn Thew / EPA

Na terça-feira, durante o seu primeiro discurso do Estado da União, Donald Trump optou por utilizar um tom mais conciliatório e proclamou um “novo momento americano”.

Durante uma hora e 20 minutos, Donald Trump, que discursava pela primeira vez sobre o Estado da União, falou sobre um “novo momento americano“, conquistado pelas suas políticas. “Nunca houve um melhor momento para começar a viver o sonho americano”, disse.

Um dos anúncios que marcou o discurso, seguido por cerca de 40 milhões de espectadores, que ouviram Trump utilizar um tom mais conciliatório para defender “uma equipa, um povo e uma família americana”, foi a promessa assumida pelo Presidente dos EUA de manter aberta a prisão de Guantánamo, revertendo a decisão de Obama, em 2009.

“Terroristas que fazem coisas como colocar bombas em hospitais civis são maus. Quando possível, não temos outra escolha senão aliená-los”, defendeu Trump no discurso. “Por isso, hoje cumpro outra promessa. Mesmo antes de entrar aqui, assinei uma ordem indicando o secretário Mattis para reexaminar a nossa política de detenção militar e manter abertas as instalações de detenção na Baía de Guantánamo”.

Outro ponto a marcar o seu discurso foi o contraste entre uma América mergulhada numa “carnificina” que precisava de ser salva por Donald Trump, como o próprio defendeu na tomada de posse, há um ano, e o seu atual objetivo: “construir uma América segura, forte e orgulhosa”.

Imigração, investimento e acordos de comércio no Estado da União

Donald Trump aproveitou o discurso do Estado da união para falar sobre os seus planos para uma reforma de imigração, investimento público e acordos de comércio.

“A América virou finalmente a página de décadas de acordos de comércio injustos, que sacrificaram a nossa prosperidade e enviaram para outros países as nossas empresas, os nossos trabalhos e a riqueza da nossa nação”, disse Donald Trump.

Trump, que decidiu a saída dos EUA do Acordo Trans-Pacífico de Comércio e quer renegociar o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA), afirmou que “a era de submissão económica terminou” e que todos os novos acordos serão “justos e, mais importante, recíprocos”.

O presidente dos EUA também se referiu a um dos temas com o qual o Congresso se debate neste momento, que é o futuro dos jovens protegidos pelo programa DACA, pessoas que foram trazidos para os EUA em criança de forma ilegal.

Trump reiterou a proposta da Casa Branca, que oferece um caminho da cidadania para cerca de 1,8 milhões de jovens que “cumpram requisitos de trabalho e educação, e bom caráter moral”, em troca da construção do muro da fronteira com o México, o fim da lotaria de vistos e os programas de reunificação familiar.

“Comunidades que passam por dificuldades, especialmente comunidades de imigrantes, podem ser ajudadas por políticas de imigração que se centrem nos interesses dos trabalhadores americanos e das famílias americanas”, defendeu.

Ainda sobre a imigração e os planos para reformar o setor, Trump pediu união ao Congresso, em particular aos democratas, para que cooperem com o partido no poder depois de um primeiro ano turbulento na Casa Branca. “Esta noite estendo uma mão aberta para trabalhar com membros dos dois partidos, Democratas e Republicanos, para proteger os nossos cidadãos, de todas as origens, cores e credos“.

Na área económica, o republicano mencionou um tema popular entre os conservadores, o corte de regulações para todas as indústrias.

“Na nossa missão para responsabilizar Washington, eliminámos mais regulações no nosso primeiro ano do que qualquer outra administração na história”, assinalou.

“A América é uma nação de construtores. Construímos o Empire State Building em apenas um ano. Não é uma desgraça que agora demore dez anos para conseguir a licença para construir uma simples estrada?”, questionou

Num dos vários momentos em que referiu a colaboração entre os partidos, Trump pediu a democratas e republicanos que deixem passar o seu plano de investimento público em infraestruturas.

Estou a pedir a ambos os partidos que se unam para nos dar a rede de infraestruturas segura, rápida, de confiança e moderna que a nossa economia precisa e que as nossas pessoas merecem”, apelou.

Trump pediu ainda “a todos que coloquem as suas diferenças de lado, que procurem pontos de acordo e que procurem a unidade” que os Estados Unidos precisam para as pessoas que serve.

Para surpresa de alguns e sem surpresas para outros tantos, o Presidente não fez referência à Rússia a não ser para colocar o país lado-a-lado com a China, os dois grandes “rivais” dos EUA. Também nada disse sobre os avanços da investigação de Robert Mueller ao alegado conluio entre a sua equipa de campanha e o Kremlin.

Os democratas, pela voz do congressista Joseph Kennedy III, sobrinho-neto de Jonh F. Kennedy, aproveitaram a própria ideia de um “novo momento americano” para culparem Trump pelo “país fraturado” entregue a uma administração “caótica”, com “muitos americanos que se sentem esquecidos e ignorados”, conforme diz o Expresso.

“Muitos passaram o último ano ansiosos, zangados e com medo”, declarou o legislador de 37 anos, de frente para os sonhadores,. “Os bullies até podem dar murros e deixar marcas. Mas nunca, nem uma única vez na História dos EUA, conseguiram igualar a força e o espírito de um povo unido em defesa do seu futuro”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Democratas a “tremer” com a possível divulgação do memo da FISA. Tudo serve para desviar as atenções do público sobre isto.
    País fraturado?! Agradeçam aos vossos comparsas democratas…

    • Sim, claro!…
      Até porque toda a gente sabe o que os republicanos estão todos muito unidos e apoiam incondicionalmente o Trump…
      Ou não!…

      • Entre as pessoas que assistiram ao discurso, a taxa de aprovação foi a seguinte:
        Republicanos: 97%
        Democratas: 43%
        Independentes: 72%

        O discurso teve uma taxa de aceitação muitíssimo boa. E foi um bom discurso… parabéns a quem o escreveu… E o Trump reconhecer que era um bom discurso e tê-lo feito é algo positivo.

        Já quanto ao que se fala do país fraturado, isso deve-se exclusivamente á ala radical dos democratas que não aceitaram ter perdido as eleições e manipulam todos os grupos como sempre fizeram, utilizando a comunidade LGBT, os negros, os hispânicos, etc… para espalhar a confusão! Tudo porque simplesmente não aceitaram perder as eleições. Bem que podem tentar culpar os russos (que mexem com as eleições americanas à mais de 20 anos), mas a culpa foi da candidata m€rd0sa que tinham… Não tivessem manipulado as próprias eleições internas e teria ganho Bernie Sanders, que por sua vez teria ganho ao Trump. A América seria agora um país a caminho do socialismo e estaria a afundar-se muito rápidamente… No final de contas, estão melhor assim!

RESPONDER

"Adiem a Liga dos Campeões", pede o Borussia Dortmund

Sorteio está marcado para esta quinta-feira mas Michael Zorc avisa: "Faltam requisitos legais para a fase de grupos arrancar". A fase de grupos da Liga dos Campeões vai começar, pela primeira vez, em outubro. A primeira …

Artista "ressuscita" 54 Imperadores Romanos com ajuda da Inteligência Artificial

Artista canadiano usou um ramo da Inteligência Artificial para criar retratos ultra-realistas de antigos Imperadores Romanos como, por exemplo, Calígula, Nero e Adriano. A aparência física destes antigos Imperadores Romanos foi preservada em centenas de esculturas …

Cantar pode ser uma má ideia durante a pandemia

Uma nova pesquisa revelou que cantar em grupo pode ser perigoso em termos de propagação de patógenos. Esta é só mais uma prova de que 2020 chegou para pôr um travão na diversão. A Universidade de …

Emirados Árabes Unidos anunciam missão espacial à Lua para 2024

Um alto responsável dos Emirados Árabes Unidos disse hoje que o país tenciona enviar para a Lua uma nave com um veículo não tripulado em 2024. O desejo de pisar a lua é uma ambição de …

Exército norte-americano quer ter acesso à rede de satélites da SpaceX

O exército dos Estados Unidos está de olho na Starlink, a constelação de satélites da SpaceX, cujo CEO é o multimilionário Elon Musk e que tem como objetivo levar Internet de banda larga a todos …

Portugal tem cada vez menos água disponível

Portugal tem cada vez menos água disponível e nos próximos cem anos a precipitação em certas regiões do país, como o Algarve, pode sofrer uma redução de até 30%, alertou esta terça-feira a Associação Natureza …

Tel Aviv vai ter estradas elétricas que recarregam autocarros em movimento

Tel Aviv, em Israel, está a trabalhar na criação de estradas elétricas sem fios para carregar e fornecer energia aos transportes públicos da cidade. As estradas elétricas são parte de um programa piloto liderado pelo município …

Suicídio entre militares norte-americanos aumenta 20% em época de covid-19

Os suicídios entre os militares subiram 20% este ano em comparação com o mesmo período de 2019, registando-se um aumento nos incidentes de comportamento violento à medida que as tropas lutam contra a covid-19 e …

Turista apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma. Arrisca ser condenado a prisão

Um turista foi apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma, em Itália, e arrisca ser punido com um até um ano de prisão. De acordo com o diário italiano La Repubblica, o turista, …

Função Pública. Fesap exige subida de remuneração mínima para 693 euros

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) exige que a primeira posição da Tabela Remuneratória Única avance para 693,13 euros em 2021 e uma atualização do subsídio de refeição para seis euros. Estas duas medidas …