“Ameaça enorme”: super-bactérias matam (muito) mais do que a COVID-19

1

Atenções centradas no coronavírus mas multiplicam-se os casos de bactérias que “escapam” aos antibióticos.

As super-bactérias originaram a morte de cerca de 5 milhões de pessoas ao longo de 2019, sendo que quase 1.3 milhões de pessoas morreram directamente por causa de bactérias que resistem a antibióticos.

Os números foram revelados nesta quarta-feira, num estudo publicado na revista médica The Lancet e será a análise mais detalhada realizada até hoje.

Este estudo prova que as super-bactérias transformaram-se numa das principais causas de morte em todo o mundo, sobretudo em países com recursos limitados a cuidados de saúde, higiene, entre outros. Só as doenças coronárias e os acidentes vascular cerebral provocaram mais falecimentos.

Foram analisadas 23 bactérias e quase 90 combinações de infecções e medicamentos utilizados para tratar essas infecções – nenhuma resultou.

As consequências mais prováveis causadas pelas super-bactérias são infecções respiratórias, como a pneumonia, as infecções sanguíneas e as infecções abdomninais.

Para já, e como foi referido, durante um ano quase 1.3 milhões de pessoas morreram directamente por causa das super-bactérias e as mortes associadas sobem para 5 milhões. Números que superam os falecimentos devido a SIDA, malária ou cancro de pulmão, traqueia e brônquios.

Mas o pior está para vir, avisam os autores do estudo: até 2050 a média anual de mortes relacionadas com as super-bactérias vai subir para 10 milhões. Muito mais do que os números actuais da COVID-19, por exemplo (média de quase 3 milhões de mortos por ano).

Cerca de 20% dos mortos são crianças com menos de cinco anos de idade.

A análise, que incluiu dados de 204 países/estados, indica que a região da África Subsariana é a que apresenta maior incidência de super-bactérias: 27 mortes por cada 100 mil habitantes. A região com menor incidência é a Australásia, com 7 falecimentos por cada 100 mil habitantes. A média nos países desenvolvidos é de 13 mortes por 100 mil pessoas.

As seis bactérias que originaram mais óbitos foram, por esta ordem: Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae, Streptococcus pneumoniae, Acinetobacter baumannii e Pseudomonas aeruginosa.

E há vacina para apenas uma destas infecções. Nos outros casos, os antibióticos não têm a eficácia desejada. “Isto é uma ameaça enorme para a saúde global”.

Principal causa? Utilização indiscriminada, aleatória e descuidada de antibióticos desde, sensivelmente, a década 1950.

Alguns especialistas já tinham avisado: poderemos estar a dar um passo atrás nos avanços da medicina. Recuar quase um século e voltar aos tempos em que qualquer ferida pode ser fatal.

Possível solução? Melhorar o acesso a cuidados médicos, aos antibióticos adequados. Porque cerca de 70% das mortes deveram-se ao facto de a pessoa afectada não ter tido acesso a um medicamento, mais caro, como “segunda escolha”. A bactéria não foi travada pelo primeiro medicamento apresentado, mas haveria outras soluções, geralmente administradas apenas em hospitais e por via intra-venosa (embora indisponíveis para muitas pessoas, sobretudo nas regiões mais pobres).

Por isso, os autores do estudo sublinham que é essencial: haver uma mudança nas decisões políticas sobre este assunto, insistir em programas de prevenção e controlo de infecções, melhorar o acesso a antibióticos essenciais e aumentar a pesquisa e o desenvolvimento de novas vacinas e de novos antibióticos.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE