Alzheimer pode ser tratada através da combinação de terapias de luz e som

Um novo estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) sugere que expor pacientes a luz intermitente e sons pulsantes, ambos sintonizados numa frequência de 40 hertz, pode reverter os principais sinais do Alzheimer no cérebro.

Em experiências realizadas em ratos de laboratório, aglomerados de proteínas prejudiciais que interferem nas funções cerebrais foram parcialmente eliminados usando apenas luz e som, melhorando a função cognitiva dos animais.

Esta técnica ainda não foi clinicamente testada em humanos. Por este motivo, ainda é muito cedo para dizer que seria uma técnica viável. Além disso, adianta o HypeScience, os ratos foram geneticamente modificados para apresentarem sintomas parecidos com a condição em humanos.

No entanto, os resultados iniciais indicam uma forma barata e simples de tratar esta forma tão comum de demência.

Tudo começou em 2015, quando a neurocientista Li-Huei Tsai, diretora do Instituto Picower de Aprendizagem e Memória do MIT, trabalhou numa experiência que tinha como objetivo manipular a atividade do cérebro piscando uma luz branca no rosto destes animais.

Tal como as luzes, os cérebros também “piscam”, sendo geradas ondas cerebrais quando grandes grupos de neurónios oscilam entre si. Desta forma, quando a investigadora sintonizou a luz para piscar 40 vezes por segundo – ou 40 hertz – os cérebros das cobaias geraram ondas gama a 40 hertz.

Essas ondas são mais ativas quando prestamos muita atenção ou quando procuramos as nossas memórias de forma a entender o que nos está a acontecer. No caso dos pacientes com doença de Alzheimer, estas ondas podem ser “bloqueadas” e ter um papel fundamental na patologia.

Quando Tsai dissecou os cérebros dos animais, observou que “a estimulação da luz intermitente desencadeou uma tremenda resposta na microglia – células do sistema imunológico do cérebro que limpam os restos celulares e os resíduos tóxicos, incluindo a amilóide. Estas células são prejudicadas pelo Alzheimer, mas a luz parece restaurar as suas habilidades”.

Este processo de eliminação só aconteceu no córtex visual, onde o cérebro processa informações leves. Para conseguir que os mesmos efeitos penetrassem mais fundo no cérebro, a cientistas resolveu adicionar um som com uma frequência também de 40 hertz – apenas alto o suficiente para os humanos conseguirem ouvi-lo.

Estudos prévios haviam mostrado que explosões de ultrassom permitem que poderosos tratamentos passem pelos vasos sanguíneos até ao cérebro, além de encorajar a microglia a acelerar o seu ritmo de trabalho. Apesar de o ruído de 40 hertz ser muito menor, mostrou-se bastante eficaz.

Quando as cobaias receberam o tratamento de uma hora com luz e som durante sete dias seguidos, as placas amilóides começaram a cair não apenas nos córtices auditivos e visuais, mas também no córtex pré-frontal e no hipocampo.

“Este foi um dos grandes saltos do novo estudo. Estes são os centros de aprendizagem e memória do cérebro. Houve uma redução de 40% ou 50% nos níveis de amilóide e proteína tau. É um feito absolutamente impressionante”, afirmou Shannon Macauley, neurocientista da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos.

Além dos resultados evidentes na química cerebral dos ratos, os animais tivera também melhor desempenho numa série de tarefas cognitivas. De acordo com Jorge Palop, neurologista da Universidade da Califórnia em San Francisco, nos Estados Unidos, uma possível explicação para o sucesso deste tratamento é que os cérebros com Alzheimer têm neurónios irregulares, muitas vezes hiperativos.

Ao fornecer aos cérebros uma batida constante e regular, a luz e o som repetidos podem funcionar como uma espécie de metrónomo para a atividade cerebral. “Seria como ‘redefinir’ o cérebro dos ratos todos os dias e corrigir algumas dessas atividades anormais que eles têm”, explicou.

Descobrir novos mecanismos para eliminar resíduos e sincronizar a atividade cerebral é um enorme passo para o desenvolvimento de tratamentos para todos os tipos de distúrbios neurológicos, mas traduzir as descobertas para o cérebro humano exigirá ainda mais trabalho, especialmente quando há potenciais contrastes, nomeadamente em relação às ondas famas.

A boa notícia é que os primeiros testes de segurança mostraram que este processo parece não ter efeitos colaterais claros. O artigo científico foi recentemente publicado na Cell.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Imprimiram corais artificiais em 3D que podem salvar recifes

Uma equipa de cientistas inspirou-se na natureza para desenvolver estruturas em forma de coral, impressas em 3D, capazes de produzir grandes quantidades de algas microscópicas. Investigadoras da Universidade de Cambridge e da Universidade da Califórnia desenvolveram …

Avalanches submarinas prendem microplásticos no fundo do oceano

As avalanches de sedimentos submarinos transportam os microplásticos para o fundo do oceano e um projeto de colaboração entre as Universidades de Manchester, Utrecht e Durham e o Centro Nacional de Oceanografia acaba de revelar …

Aos 107 anos, Cornelia Ras conseguiu vencer a covid-19

Cornelia Ras, que contraiu o novo coronavírus em meados de março, pode ser a mulher mais velha do mundo a vencer a covid-19. Nunca se é velho demais para vencer o novo coronavírus e a holandesa …

Coreia do Norte pode estar a usar fábricas de fertilizantes para extrair urânio

Um novo estudo norte-americano mostra que a Coreia do Norte pode estar a utilizar fábricas de fertilizantes para produzir mais material nuclear, extraindo urânio de ácidos fosfóricos. Segundo noticiou o Newsweek, na opinião da investigadora Margaret …

Distância social de 1,5 metros é insuficiente para travar contágio

O estudo realizado por investigadores e engenheiros especializados em dinâmica de fluidos concluiu que a distância deve ser de, pelo menos, quatro metros. Um estudo divulgado esta quinta-feira alerta que a distância social de 1,5 metros …

Estados Unidos registam 9 desempregados por segundo

O desemprego está a atingir números preocupantes nos Estados Unidos: só na última semana, 6,6 milhões de pessoas declararam estar sem emprego para poder receber apoios, um número semelhante ao da semana anterior. De acordo com …

Chineses desistem de comprar o BNI Europa. Está agora em mãos angolanas

O contexto de incerteza, provocado pela pandemia de covid-19, levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. O grupo chinês KWG desistiu de comprar 80,1% da participação do BNI …

Tesla usa peças do Model 3 para construir um ventilador

A Tesla também está a tentar contribuir para colmatar a escassez de ventiladores com um novo protótipo, feito com partes do Model 3. A Tesla construiu um ventilador com recurso a componentes automóveis. A fabricante elétrica …

Há acordo no Eurogrupo: 500 mil milhões de euros "disponíveis imediatamente"

Os ministros das Finanças da Zona Euro chegaram a acordo, esta quinta-feira, sobre os apoios económicos para fazer face à pandemia de covid-19. O Eurogrupo chegou a acordo sobre o pacote de ajuda económica para a …

Se recebeu uma chamada da Tunísia, não devolva. É fraude

Clientes de várias operadoras nacionais têm recebido, nas últimas semanas, um "anormal" volume de chamadas internacionais. As operadoras suspeitam de fraude. Segundo o Jornal de Notícias, várias pessoas têm recebido chamadas de u número internacional que …