Podem aliens invisíveis estar a viver entre nós? Sim, mas não como pensamos

A vida alienígena pode já estar presente na Terra, mas não da forma que pensamos. Ela pode ser invisível aos nossos olhos, assumindo formas a que não estamos familiarizados.

É bem fácil reconhecer vida quando a vemos: mexe, cresce, come, reproduz-se. Simples. Mas Helen Sharman, a primeira astronauta britânica, disse recentemente que formas de vida alienígenas que são impossíveis de detetar podem estar a viver entre nós. Como é que é possível?

Embora a vida possa ser fácil de reconhecer, é bastante difícil de definir e tem cientistas e filósofos em debate há séculos — se não milénios. Por exemplo, uma impressora 3D pode reproduzir-se, mas não diríamos que é vida. Por outro lado, uma mula é famosa por ser estéril, mas nunca diríamos que ela não é vida.

Como ninguém consegue encontrar um consenso, existem mais de 100 definições do que é a vida. Uma abordagem alternativa (mas imperfeita) é descrever a vida como “um sistema químico autosustentável capaz da evolução darwiniana“.

A falta de definição é um enorme problema quando se trata de procurar vida no espaço. Não poder definir outra vida além de “nós a conheceremos quando a virmos” significa que estamos realmente a limitarmo-nos a ideias geocêntricas, possivelmente até antropocêntricas, de como é a vida.

Quando pensamos em alienígenas, muitas vezes imaginamos uma criatura humanoide, mas a vida inteligente que estamos à procura não precisa ser humanoide.

Vida, mas não como a conhecemos

Sharman diz que acredita que existem alienígenas. Além disso, ela pergunta-se: “Serão eles como você e eu, feitos de carbono e nitrogénio? Talvez não. É possível que eles estejam aqui agora e nós simplesmente não podemos vê-los“.

Essa vida existiria na “biosfera das sombras”. Isto significa que não podemos estudá-los nem notá-los porque eles estão fora da nossa compreensão. Supondo que exista, uma biosfera dessas sombras provavelmente seria microscópica.

Temos maneiras limitadas de estudar o mundo microscópico, pois apenas uma pequena percentagem de micróbios pode ser cultivada em laboratório. Isto pode significar que realmente existem muitas formas de vida que ainda não descobrimos.

Se encontrarmos esta biosfera, no entanto, não está claro se devemos chamá-la de alienígena. Isto depende se queremos dizer “de origem extraterrestre” ou simplesmente “não familiar”.

Vida à base de silício

Uma sugestão popular para uma bioquímica alternativa é uma baseada em silício e não em carbono. Faz sentido, mesmo do ponto de vista geocêntrico. Cerca de 90% da Terra é composta de silício, ferro, magnésio e oxigénio, o que significa que há muito por onde construir vida potencial.

O silício é semelhante ao carbono, mas é mais pesado. Embora o carbono possa criar fortes ligações para formar longas cadeias úteis para muitas funções, como a construção de paredes celulares, é muito mais difícil para o silício. Este tem dificuldades em criar laços fortes, de modo que as moléculas de cadeia longa são muito menos estáveis.

Além disso, compostos de silício comuns, como dióxido de silício, geralmente são sólidos às temperaturas terrestres e insolúveis em água. O carbono, por sua vez, é mais flexível e oferece muito mais possibilidades moleculares.

A vida na Terra é fundamentalmente diferente da composição geral da Terra. Outro argumento contra uma “biosfera das sombras” baseada em silício é que muito dele está preso nas rochas. De facto, a composição química da vida na Terra tem uma correlação aproximada com a composição química do Sol, com 98% dos átomos. Portanto, se houvesse formas de vida viáveis de silício aqui, elas podem ter evoluído noutros lugares.

Dito isto, há argumentos a favor da vida à base de silício na Terra. A natureza é adaptável. Há alguns anos atrás, os cientistas da Caltech conseguiram criar uma proteína bacteriana que cria laços com o silício. Portanto, mesmo que o silício seja inflexível em comparação com o carbono, talvez seja possível encontrar maneiras de se reunir em organismos vivos, incluindo potencialmente o carbono.

Para encontrar vida à base de silício, precisamos de pensar fora da caixa e descobrir maneiras de reconhecer formas de vida que são fundamentalmente diferentes da forma baseada em carbono.

Assim sendo, poderão aliens estar entre nós? Não é possível confirmar que tenhamos sido visitados por uma forma de vida com a tecnologia para viajar pelas vastas distâncias do espaço, mas temos evidências de que moléculas baseadas em carbono formadoras de vida chegaram à Terra em meteoritos; portanto, as provas certamente não descartam a mesma possibilidade para formas de vida mais desconhecidas.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Os aliens que estamos à procura são aqueles que podemos escravizar em nosso proveito. Que têm braços e pernas para os pormos a trabalhar. Os verdinhos de cabeça e olhos grandes. Venham esses para os extinguirmos logo de seguida… como de resto fazemos por cá com todas as populações ditas inferiores.

RESPONDER

Dez anos depois, voltou a ser avistado um guepardo do noroeste africano

Naturalistas na Argélia filmaram um guepardo do noroeste africano, uma subespécie listada na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como estando em "perigo crítico", pela primeira vez em dez anos. De acordo …

NASA dedica novo telescópio a Nancy Grace Roman, a "mãe" do Hubble

A NASA renomeou o telescópio Wide Field Infrared Probing Telescope (WFIRST) em homenagem a Nancy Grace Roman, a mãe do Hubble. A NASA batizou o seu telescópio espacial de última geração, atualmente em desenvolvimento, - o …

Guitarrista dos Queen teve um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte

Brian May, guitarrista dos Queen, sofreu um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte, anunciou o próprio músico, de 72 anos. May partilhou um vídeo no Instagram no qual conta todo o episódio. Tudo …

"Missão Tianwen". China planeia lançar sonda para Marte em julho

A China planeia lançar uma sonda e um pequeno robô de controlo remoto para Marte, em julho, na sua primeira missão ao Planeta Vermelho, anunciou esta segunda-feira a agência responsável pelo projeto. "O nosso objetivo era …

Bairros de lata são incubadoras de covid-19, mas ninguém ajuda os milhões que lá vivem

Bairros de lata, como as favelas, são consideradas incubadores de covid-19. No entanto, pouca atenção lhes tem sido dada na resposta à pandemia. Tendo devastado algumas das cidades mais ricas do mundo, a pandemia do novo …

Morreu Saturn, o jacaré que sobreviveu a um bombardeamento da II Guerra (e que se diz que pertenceu a Hitler)

Saturn, um jacaré norte-americano de 84 anos, morreu esta sexta-feira no jardim zoológico de Moscovo, na Rússia, anunciou a instituição na sua conta de Facebook, dando conta que o animal morreu de velhice. O réptil …

Antiviral Remdesivir pode ser eficaz no combate à covid-19

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional com este medicamento, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um …

Há uma misteriosa ilha em Nova Iorque que quase ninguém pode visitar (e está abandonada)

A menos de 1,6 quilómetros de Manhattan, em Nova Iorque, localiza-se uma misteriosa ilha abandonada há mais de meio século. É preciso ter autorização do New York City Department of Parks and Recreation para visitar …

Israel não vai desperdiçar "oportunidade histórica" para anexar a Cisjordânia

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu voltou a defender hoje a anexação de partes da Cisjordânia nos próximos meses e em prosseguir este polémico plano, apesar do crescente coro de condenações de diversos aliados. Os palestinianos, e …

Zlatan Ibrahimovic lesiona-se e deixa carreira em risco

No treino com vista ao regresso da Liga italiana, Zlatan saiu a coxear do centro de treinos, com os milaneses a explicarem que exames vão determinar se se trata de lesão no gémeo ou tendão …