Aliados da NATO empenhados em sancionar Rússia em caso de ataque à Ucrânia

10

Armando Babani / EPA

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg

Os Estados-membros da NATO admitiram hoje aplicar novas sanções económicas contra a Rússia no caso de um eventual ataque à Ucrânia, após Moscovo ter voltado a concentrar tropas na fronteira comum, pela segunda vez no corrente ano.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Qualquer agressão futura russa contra a Ucrânia teria um elevado preço e graves consequências políticas e económicas para a Rússia”, assinalou o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa posterior ao primeiro dia da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros aliados que decorre até quarta-feira em Riga, capital da Letónia.

Neste primeiro dia, os países da NATO abordaram o aumento da concentração militar russa junto à Ucrânia e debateram possíveis consequências.

Stoltenberg admitiu que a NATO não pode decretar sanções, mas sublinhou a sua vocação para “tomar decisões, consultar e coordenar esforços”.

Dessa forma, prosseguiu, “também as sanções económicas e as reações políticas estão incluídas no que debatemos hoje, também com os Estados Unidos. Representamos 50% do PIB mundial e, obviamente, é importante quando os aliados da NATO também debatem a aplicação de sanções económicas contra o comportamento da Rússia”, indicou.

Acrescentou ainda que já se verificou “resolução, vontade e capacidade” para “manter essas sanções económicas quando é necessário”.

O chefe da Aliança militar ocidental também recordou que foram adotadas medidas políticas e que a NATO suspendeu a “cooperação prática” com a Rússia, para além de ter reforçado a preparação das suas forças, a presença de tropas no flanco leste, a vigilância aérea ou a presença naval.

  // Lusa

10 Comments

  1. Os países europeus da NATO podem estar muito empenhados em lamber o posterior dos Estados Unidos, mas isso não chega para lhes dar a capacidade para derrotar a Rússia. Se o tentarem vamos ver as tropas russas chegarem ao Reno numa questão de dias. O que resolveria o problema da existência da NATO de uma vez por todas…

    • Grande “filme”… essa do Reno até dá para rir…
      Além de que convém relembrar que a Russia continua a atacar diariamente a Ucrânia e já lhes roubou a Crimeia!…
      Portanto, o problema não é certamente a NATO!!

      • O povo da Crimeia é independente e votou para sair da mafiosa e corrupta caricatura de nação, chamada Ucrânia, para pertencer a um país de verdade. A Rússia não roubou nada. A Crimeia todos nós sabemos sempre foi uma região autónoma, pelo que, se o seu povo decidisse fazer parte de outro país, desde que referendado, poderiam faze-lo. Por acaso não são os países que fazem parte da NATO que estão a descumprir os acordos firmados décadas atrás com a Rússia??? Já que estamos a aproximar-nos de suas fronteiras e tal acordo pós guerra dizia que “não podíamos fazê-lo”, então porque só a Rússia é que tem que cumprir a sua parte do acordo??? Certos estão os russos. Se não cumprimos a nossa parte também eles não devem ser obrigados a cumprir.

        • Como é obvio (e tu certamente saberás!) o referendo feito pela Russia vale ZERO e não foi reconhecido por ninguém – nem sequer foi um referendo; foi apenas propaganda!
          O povo da Crimeia não eram o russos que agora lá vivem (colonização forçada) e também devias saber o que aconteceu (e ainda acontece) aos que eram contra o referendo – e, claro que boa parte desses nem sequer foram votar – muitos dos que arriscaram, tiveram as “surpresas” do costume…
          Portanto, a Rússia, mais uma vez, fez tudo errado.

          O território da Crimeia foi cedido à Ucrânia pela USSR nos anos 50. Isso foi aceite pela Rússia no fim da URSS e assim reconhecido por TODA a comunidade internacional, pela ONU, etc, etc.
          Não é uma “amostra” de referendo realizado pela potência invasora (e cujo líder é um ditador) que vai alterar as leis internacionais e, por isso não há um único país que reconheça esse referendo, nem a Crimeia como território russo!

          “A história da Crimeia conhecida pela humanidade tem alguns milénios. A península da Crimeia fez parte do Império Russo durante 134 anos, da União Soviética, durante 33 anos e há 63 anos que pertence à Ucrânia soviética e independente.”

          Que acordos firmados por países da NATO não estão a ser cumpridos??
          E quando?
          Tu queres ver que os países perto da Russia não podem ter forças de defesa só porque o ditador Putin continua a achar que a Russia ainda não tem território suficiente e quer voltar a mandar nos vizinhos?!

          O russos (povo) não são tidos nem achados em nada disto porque a Russia não é uma democracia – antes pelo contrário, como o “tratamento” dado (até fora da Rússia!) aos opositores politicos do “czar” Putin tem demonstrado!…
          Além disso, os russos vivem cada vez pior (já tem um nível de qualidade de vida abaixo dos indianos e chineses!) porque o seu líder está mais interessado em invadir países do que em desenvolver a Russia!…

      • Conversa de quem está sempre pronto a fazer o que os EUA lhe mandam fazer, e até tem um tubo grande de vaselina a postos, para o que der e vier…

  2. Esta conversa medrosa do Secretário Geral da NATO revelando ameaças de retaliações não militares mas apenas politicas e economicas é quase um convite aberto a um ditador cínico e sem quaisquer valores morais (basta lembrar as bombas a predios russos – Livitnenko tem um livro feito – censurado na Rússia-antes de morrer envenenado por Putin onde o acusa desses bombardeamnetos e doutras atrocidades – isto aconteceu ainda sob o presidente Yieltsin para acusar falsamente os chechenos ), para o sanguinário assassino Putin invadir a Ucrania, A SIC noticias tb. já passou uns documentarios impressionantes sobre isto. Putin só parará se sentir a própria sua pele e o seu futuro e o das crianças russas também ameaçado! Com sançoes politicas e economicas pode ele bem!

  3. E quem vai sancionar a NATO pelo maior ataque à liberdade e soberania de toda a população mundial que estão a fazer em nome de uma pandemia de um vírus com uma taxa de sobrevivência de 99.99%?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.