Aldeões ajudam tropas indianas que enfrentam militares chineses nos Himalaias

Cerca de 100 residentes da vila de Chushul atravessam o território indiano de Ladakh para chegar a um pico dos Himalaias conhecido como Black Top, a uma altitude de mais de 4500 metros, levando suprimentos para o exército indiano que enfrenta militares chineses na fronteira.

Segundo noticiou no domingo o Guardian, nos próximos meses, as temperaturas cairão para – 40º Celsius e os aldeões temem que, se não ajudarem o exército indiano a assegurar as suas posições ao longo das montanhas que fazem fronteira com a China, a sua aldeia ficará sob controle chinês em breve.

“Queremos ajudar o exército indiano a garantir as suas posições”, disse Tsering, um voluntário de 28 anos. “Estamos a levar-lhes suprimentos, em várias rondas por dia, para garantir que o exército não enfrente muitos problemas”.

Chushal, uma aldeia com cerca de 150 famílias, é uma das mais próximas da disputada fronteira da Índia com a China, no leste de Ladakh. Desde maio, as tropas indianas e chinesas disputam de forma cada vez mais agressiva a fronteira mal demarcada dos Himalaias, conhecida como Linha de Controle Real (LAC).

Em junho, a situação agravou-se devido a um violento confronto, no qual 20 soldados indianos e um número desconhecido de soldados chineses foram mortos, numa batalha corpo a corpo, o pior confronto naquela fronteira durante mais de quatro décadas.

Em 29 de agosto, a apenas alguns quilómetros de Chushul, ocorreu outro confronto entre as tropas indianas e chinesas. Não houve vítimas, mas forma disparados tiros, algo que não acontecia no local há 45 anos.

Na semana passada, os ministros da Defesa da Índia e da China reuniram-se em Moscovo, na Rússia, e comprometeram-se a acabar com o conflito. Seguiram-se cinco negociações militares de alto nível, sem sucesso, com ambos os lados a insistir que o outro está a violar território soberano.

Mas, de acordo com os moradores, há poucas evidências de resolução, com o número de militares indianos a aumentar ao longo da fronteira. Um comboio continua a levar suprimentos e munições e cerca de 100 escavadores foram deslocados para o local a fim de construir estradas e edifícios, garantindo a posição da Índia ao longo da fronteira.

“É muito claro que ambos os lados estão a planear ficar na sua posição durante o inverno, parecem estar a antecipar que não haverá resultado diplomático”, disse Manoj Joshi, um especialista em segurança da Observer Research Foundation.

“A realidade é que a China não quer resolver o conflito porque é uma maneira conveniente de manter a Índia instável e enfraquecida, envolvendo-a numa operação militar cara ao longo da fronteira dos Himalaias, que está muito além das suas possibilidades”, referiu.

Esta semana, os aldeões de Chushul continuaram os seus esforços para levar suprimentos para as tropas em Black Top, para a qual não há estrada de acesso. “A área onde ocorreu o confronto recente ainda não tem estrada, muito menos infraestruturas”, disse Tsering. “Durante quanto tempo o exército manterá os suprimentos assim?”, questionou.

“Os lugares onde a China enfrentou o exército indiano não têm condições de vida adequadas. O exército está acondicionado em tendas. Não sei como vão construir uma infraestrutura boa o suficiente para viver, quando não há estradas”, indicou Konchak Tsepel, outro morador.

Especialistas afirmam que a Índia não estava preparada para uma batalha prolongada ao longo da sua fronteira. O país tem agora poucas semanas para garantir que as quatro divisões atualmente em Ladakh – cerca de 40 mil soldados – estejam preparadas para manter as suas posições contra a China durante o inverno.

Manter as dezenas de milhares de soldados no deserto de alta altitude é uma tarefa complexa e cara, apontou o Guardian. A região não tem canais de comunicação adequados e a eletricidade ainda não chegou a muitas aldeias. Enquanto isso, o orçamento de defesa da China é três vezes maior que o da Índia.

Tashi Chhepal, de 60 anos, capitão reformado do exército indiano, indicou que, durante o inverno, algumas aldeias perdiam o contacto “com o mundo exterior” por “até cinco meses”. “Tudo congelava e armazenávamos suprimentos para o inverno inteiro. Nesses meses, comíamos enlatados. A conetividade é ruim. Não mudou muito nos últimos anos”.

Pravin Sawhney, um ex-oficial do exército indiano, disse que a Índia foi apanhada de “surpresa” com as recentes confrontos com a China ao longo da fronteira, estando agora a recuar. “A China é muito superior”, sublinhou. “Eles têm Internet de fibra óptica no limite do espaço de batalha”, concluiu.

Também Amrit Pal Singh, major-general do exército indiano e ex-chefe de logística operacional da região de Leh, disse que, com o aproximar do inverno, o transporte de tropas e suprimentos para a área seria um desafio diferente de qualquer outro para os militares indianos. “Este é o campo de batalha mais isolado do mundo”, afirmou.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A China esperou que a India apanhasse com COVID em força para agora atacar. Bem jogado, mas hão de receber a resposta merecida. E quem sabe se os indianos até conseguirão libertar o Tibete…

RESPONDER

A piscina infinita mais alta do mundo fica no Dubai

Haverá poucas coisas tão libertadoras como dar um mergulho numa piscina infinita com vista para o oceano. Agora, quem visitar o Dubai poderá fazê-lo numa piscina a quase 300 metros acima do nível do mar. Segundo …

"Polskie Babcie", as avós que lutam pela democracia na Polónia

Um grupo de idosas polacas organiza protestos, todas as semanas, para lutar pela democracia no país, governado pelo partido de direita nacional-conservador e democrata-cristão Lei e Justiça (PiS). É hora de ponta em Varsóvia, capital da …

Cimeira Social. Jerónimo de Sousa diz que não se respondeu aos verdadeiros problemas

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou este sábado, no Porto, que a Cimeira Social da União Europeia não respondeu às necessidades associadas ao emprego, à valorização dos salários e ao fim da precarização …

Babbage escreveu uma carta a Tennyson. Exigia a "correção matemática" de um poema

A perspicácia matemática de Charles Babbage levou-o a escrever uma carta ao poeta Alfred Tennyson, que exigia, de certa forma, rigor e precisão no poema The Vision Of Sin. Charles Babbage é conhecido como o pai …

Covid-19: Portugal com uma morte e 324 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje uma morte atribuída à covid-19, 324 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma ligeira subida no número de internamentos em enfermaria, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o …

Roma já tem uma máquina de venda automática de pizza

A capital italiana tem agora uma máquina de venda automática que faz pizzas em apenas três minutos. Os preços variam de 4,50 aos seis euros (e as opiniões sobre esta ideia também). Raffaele Esposito, o napolitano …

Morreu Bo, o cão de água português de Barack Obama

Bo, o cão de água português que o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, adotou em 2009 morreu este domingo com 13 anos, em consequência de um cancro, anunciou o político nas redes sociais. O cão …

Futuro pós-vacinação entre reforço de dose, controlo de variantes e medicamentos

A incerteza sobre a duração da imunidade das vacinas contra a covid-19 deixa o futuro do combate à doença entre o reforço da vacinação, a monitorização de novas variantes e o desenvolvimento de terapêuticas alternativas, …

Presidente da República promulga Carta de Direitos Humanos na Era Digital

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou este sábado a Carta de Direitos Humanos na Era Digital, aprovada em abril na Assembleia da República, segundo uma nota divulgada no site da Presidência. A lei, …

Depois de 17 anos no subsolo, biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos

Biliões de cigarras vão emergir nos Estados Unidos. O aviso é de um grupo de cientistas que alerta que, dentro de alguns dias ou semanas, as cigarras da Ninhada X vão surgir depois de 17 …