Alcochete. Wendel contraria versão de Jorge Jesus

Manuel Fernando Araújo / Lusa

Wendel assumiu esta quarta-feira em tribunal que Bruno de Carvalho falou com o plantel todo após o ataque à academia de Alcochete e acrescentou que nunca se recusou a falar com o ex-presidente, contrariando a versão de Jorge Jesus.

“[Bruno de Carvalho] falou com todos, falou com o grupo”, respondeu o médio brasileiro, depois de questionado pela juíza presidente se o então presidente do clube Bruno de Carvalho esteve na academia logo após o ataque e se falou com o plantel.

Esta versão contraria a apresentada em tribunal pelo então treinador do Sporting Jorge Jesus, que afirmou que os jogadores se recusaram falar com Bruno de Carvalho, e pelos restantes jogadores que revelaram em julgamento não terem falado com o antigo presidente do clube após a invasão. No depoimento realizado em 7 de janeiro, Jorge Jesus afirmou que os jogadores se recusaram falar com Bruno de Carvalho.

“Todos os jogadores foram para a sala de estar para não se encontrarem com ele. Nenhum queria falar com ele. Houve um telefonema a dizer que o presidente vinha à academia. Alguns jogadores até disseram: ‘nem vale a pena ele vir’. Os jogadores afastaram-se dele, fugiram dele”, referiu Jorge Jesus, durante o seu testemunho.

Miguel Fonseca, advogado de Bruno de Carvalho, perguntou esta quarta-feira a Wendel se se referia aos seus companheiros (plantel) quando falou em “grupo todo”, tendo o médio respondido ‘claro’. Wendel foi mais longe e afirmou que não ouviu nenhum colega dizer que não queria falar com Bruno de Carvalho, nem que, ele próprio, tenha dito alguma vez que não falava com o então presidente do Sporting.

Wendel e Luís Maximiano foram ouvidos em 9 de dezembro de 2019 por videoconferência, mas devido a falhas na gravação, tiveram de repetir esta quarta-feira os testemunhos a partir do Tribunal do Montijo, na 19.ª sessão do julgamento da invasão à academia ‘leonina’, em 15 de maio de 2018, com 44 arguidos, incluindo o antigo presidente do clube Bruno de Carvalho, que decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa.

“Não ganhem domingo, que vocês vão ver”

Wendel repetiu ainda que foi agredido com estaladas na cara por um dos elementos e que viu “agressões a outros companheiros”, nomeadamente Acuña e Misic, que levaram chapadas. O médio referiu ter ouvido frases como “não eram jogadores para o Sporting” e mandaram retirar as camisolas, tendo visto uma tocha no chão. Wendel reiterou que ficou com medo que este tipo de situação voltasse a acontecer.

Questionado sobre a reunião de 14 de maio de 2018, a testemunha reiterou o que havia dito no primeiro depoimento: que não se recordava dessa reunião.

Luís Maximiano relatou novamente as agressões aos jogadores William Carvalho, Rui Patrício, Bataglia, Montero, Acuña e Misic, este último atingido com um cinto na cara, enquanto os restantes foram agredidos com empurrões, pontapés e murros.

Max reiterou ainda ter visto tochas arremessadas, uma das quais atingiu na barriga o então preparador físico Mário Monteiro. O jovem afirmou ainda ao coletivo de juízes, presidido por Sílvia Pires, ter ouvido uma frase dita por um dos invasores.

“Não ganhem domingo, que vocês vão ver”, relatou o guarda-redes, em alusão à final da Taça de Portugal, que se jogou no domingo seguinte, 20 de maio, a qual o Sporting viria a perder 2-1 contra do Desportivo das Aves.

O julgamento prossegue na sexta-feira, com a inquirição, de manhã, de João Rolan Duarte, do ‘staff’ do clube, e, à tarde, já não vai falar o ex-futebolista italiano do clube Cristiano Piccini, que atualmente alinha no Valência, como previsto.

Ataque a Alcochete

O processo, que está a ser julgado no Tribunal de Monsanto, em Lisboa, tem 44 arguidos, acusados da coautoria de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Bruno de Carvalho, ‘Mustafá’, líder da Juventude Leonina, e Bruno Jacinto, ex-oficial de ligação aos adeptos do Sporting, estão acusados, como autores morais, de 40 crimes de ameaça agravada, de 19 crimes de ofensa à integridade física qualificada e de 38 crimes de sequestro, todos estes (97 crimes) classificados como terrorismo.

Os três arguidos respondem ainda por um crime de detenção de arma proibida agravado e ‘Mustafá’ também por um crime de tráfico de estupefacientes.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Homem pede "julgamento por combate" com espadas japonesas para resolver disputa legal com a ex-mulher

Para resolver uma disputa legal com a sua ex-mulher, David Ostrom sugere que seja feito um "julgamento por combate" com espadas japonesas. Há precedentes legais que o podem favorecer em tribunal. O insólito aconteceu no Iowa, …

Crimes violentos podem aumentar drasticamente nos EUA devido ao aquecimento global

O número de crimes violentos nos Estados Unidos pode aumentar drasticamente nos próximos anos devido ao aquecimento global, concluiu uma nova investigação levada a cabo por cientistas da Universidade do Colorado, em Boulder. "Dependendo da rapidez …

Twitter pede desculpa por permitir anúncios direcionados a neonazis

O Twitter emitiu esta quinta-feira um pedido de desculpa público depois de a BBC denunciar que a rede social estava a permitir anúncios direcionados a neonazis, islamofóbicos e outros grupos de ódio. A emisorra britânica …

Carlos Silva alega falta de apoio do PS e anuncia saída da liderança da UGT

O secretário-geral da UGT não é candidato a um novo mandato na central sindical, alegando que o “desgaste tem sido tremendo” e que é visto como força de bloqueio. “Não quero continuar”, “já está decidido e …

A maior aeronave do mundo vai ficar ainda maior. Medirá quase 100 metros

A maior aeronave do mundo vai ficar ainda maior: o dirigível híbrido Airlander 10, que media 92 metros de comprimento, vai bater o seu próprio recorde. De acordo com a emissora britânica BBC, a aeronave passará a …

Mortes nos Comandos. Governo só indemniza famílias se for condenado

O Governo deu ordem para parar as negociações com as famílias dos recrutas que morreram durante o 127.º Curso de Comandos, que decorreu na região de Alcochete, em 2016. Segundo o Jornal de Notícias, o Governo …

Eduardo Cabrita diz que polícias compram equipamento "porque querem"

O ministro da Administração Interna afirmou que os agentes policiais que compram equipamento de proteção do seu próprio bolso fazem-no porque o querem. Numa entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, divulgada este fim-de-semana, o …

Chuva deixa Austrália entre incêndios e cheias. Número de mortos sobe para 29

A chuva trouxe algum alívio aos bombeiros e habitantes do leste da Austrália, mas também causou cheias e novos problemas. As equipas ainda combatem cerca 100 focos de incêndio na região e o número de …

Sem Joacine, nova direção do Livre foi eleita com 95 votos a favor e 15 brancos

Este domingo, no segundo dia do IX congresso do Livre, a nova direção do partido foi eleita com 95 votos a favor e 15 brancos (e não conta com a deputada Joacine Katar Moreira). No final …

Juiz pede escusa do caso dos emails por ser adepto do Benfica

O juiz desembargador apresenta vários motivos para pedir escusa do processo, nomeadamente por ser "sócio do Benfica desde 1968". De acordo com o jornal Público, Eduardo Pires, juiz desembargador do Tribunal da Relação do Porto (TRP), …