Após o ataque a Alcochete, Bruno Fernandes ficou “mais nervoso” e com “mais ansiedade”

Manuel de Almeida / Lusa

O futebolista disse, esta terça-feira, ter ficado “mais nervoso” e com “mais ansiedade” depois do ataque à academia do Sporting, no qual viu agressões a Rui Patrício, William Carvalho, Acuña e Bataglia.

Bruno Fernandes foi ouvido, na tarde desta terça-feira, na 11.ª sessão do julgamento da invasão à academia leonina, que decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa, com 44 arguidos.

O médio assumiu que depois da invasão ficou “mais nervoso” e com “mais ansiedade” antes dos jogos, além do receio que afirmou sentir que esta situação volte a acontecer se a equipa “tiver um resultado menos positivo”.

“Contratei segurança pessoal, na sequência destes factos”, revelou o capitão do Sporting, que a manteve entre “quatro a seis dias”, até ir para a concentração na seleção nacional, que ia disputar o Mundial.

A nível pessoal, referiu, este episódio teve influência na vida familiar, revelando que, após a invasão, teve “medo” do que pudesse acontecer à sua família, razão pela qual telefonou à mulher para que pegasse na filha de ambos e fossem para o Porto.

O jogador contou ao coletivo de juízes que estava no balneário quando se apercebeu da presença dos invasores por causa do barulho, acrescentando que estavam 24 a 25 jogadores e toda a equipa técnica, exceto o treinador Jorge Jesus, que estava no relvado.

Bruno Fernandes relatou ter visto a entrar no balneário cerca de 20 a 25 pessoas, que foram entrando gradualmente, tendo visto os primeiros seis a sete elementos.

“Os primeiros dois foram diretos ao Rui Patrício e ao William Carvalho e depois outros foram na direção do Acuña e do Bataglia. O Ricardo Gonçalves [diretor de segurança e operações da academia] tentou travá-los, enquanto gritavam o nome do Rui Patrício, do William Carvalho, do Acuña e do Bataglia”, descreveu.

Bruno Fernandes explicou que os colegas foram agredidos com empurrões, socos, murros, chapadas e tentativas de pontapés.

De acordo com o futebolista, os invasores gritaram frases como “‘vamos matar-vos, tirem essa camisola, vocês não merecem essa camisola'”, acompanhadas de injúrias aos atletas.

O médio explicou que tanto ele como o defesa-central Sebastian Coates tentaram demover os elementos, os quais afastaram os dois capitães do Sporting, dizendo: “‘Isto não é nada convosco, afastem-se’. Não tive reação. O momento foi demasiado rápido para reagir, ou sequer pensar. Não era comigo, ninguém me tocou“, referiu.

O internacional português lembra-se de ter visto alguns dos elementos a bloquear a porta do balneário. “Fiquei com a convicção de que ficaram ali para impedirem a saída. Ficaram lá alguns parados. Ninguém saiu, ninguém conseguiu sair. No fim, há um grito de um deles: ‘vamos embora, vamos embora’ e começaram a sair. Nesse momento ainda dizem a frase: ‘não ganhem no domingo que vocês vão ver o que vos acontece, e lançaram uma tocha”, relatou o jogador.

No final da sessão, Miguel Fonseca, advogado de Bruno de Carvalho, requereu a acareação de Bruno Fernandes com Vasco Fernandes, secretário técnico do clube, por apresentarem versões diferentes sobre as circunstâncias e o momento em que os atletas foram informados da hora do treino do dia do ataque. Contudo, Sílvia Reis, juíza presidente, indeferiu o requerimento.

O jogador dos leões confirmou ao tribunal que o treino estava marcado para a manhã do dia do ataque e que foi Bruno de Carvalho que mandou mudar para a tarde.

Ristovski: “Depois disto, fiquei sempre com medo”

Ontem, foi também ouvido o lateral-direito Stefan Ristovski, que assume que ainda hoje tem medo de eventuais represálias. “Depois deste incidente fiquei sempre com medo. Ainda hoje, cada vez que o Sporting perde um jogo, fico com medo que isto se volte a repetir”, cita o Expresso.

De acordo com o mesmo jornal, o jogador macedónio explicou que estava na sala onde se guardam as chuteiras quando viu “quatro a cinco pessoas do lado de fora, com a cara tapada, a baterem na porta e a fazerem tudo para entrar”.

“Quando entraram, tentaram perceber quem é que se encontrava onde, quem estava em pé. Eu estava de pé, ao mau lado estava o Acuña, sentado, começaram a gritar uns palavrões. Nesse momento, percebemos a intenção. O Acuña foi agredido com chapadas na cara e na cabeça. Ele tentou evitar, mas não conseguiu, pois estavam quatro a cinco pessoas à volta dele”.

Além de Acuña, o defesa disse ter assistido às agressões a Rodrigo Battaglia. “Vi a agressão ao Battaglia, que se encontrava no fundo do balneário, onde estavam quatro a cinco pessoas, mas não vi bem, pois estava a tentar proteger-me para também não ser agredido. Não presenciei, não vi as agressões aos outros jogadores porque naquele momento havia um grande caos no balneário”.

Depois de os agressores saírem do balneário, Ristovski diz que ninguém saiu a seguir com medo. “Ninguém tentou sair. Só meia hora depois é que saímos do balneário, porque tínhamos medo que ainda estivessem lá estas pessoas, e ficámos à espera que nos viessem dizer alguma coisa”.

Tal como Bruno Fernandes, o jogador temeu pela segurança da família e contou ao tribunal que mandou a mulher e a filha para a Macedónia.

O julgamento prossegue, esta quinta-feira, com as inquirições do médico Virgílio Abreu, do jogador Daniel Podence, via Skype, e Ricardo Vaz.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Paços 3-2 Porto | “Castor” épico tomba “dragão” com pés de pau

Surpresa na Capital do Móvel. O campeão nacional FC Porto foi a Paços de Ferreira averbar a segunda derrota nesta Liga NOS, saindo com um resultado desfavorável de 3-2. Num terreno tradicionalmente difícil – os “dragões” …

Teoria da Relatividade de Einstein observada em estrelas distantes

O que é que Albert Einstein, o GPS e um par de estrelas a 29.000 anos-luz da Terra têm em comum? A resposta é um efeito da Teoria Geral da Relatividade de Einstein chamado "desvio gravitacional …

Encontrada possível localização do gigante Snow Cruiser. Está perdido na Antártida há 60 anos

O Snow Cruiser era um veículo de exploração enorme enviado ao Pólo Sul em 1939 que ficou preso após desembarcar na Antártida e foi abandonado alguns anos depois. Redescoberto sob vários metros de neve e gelo …

Mbappé tem uma "mancha" na Liga dos Campeões

Números invulgares do avançado do PSG, que em 2020 ainda não marcou qualquer golo no torneio europeu. Pires e Rami falaram sobre o seu futuro. Kylian Mbappé. Visto por muita gente como o melhor avançado do …

Administração de Nixon recebeu um Nobel por um cessar-fogo que não existiu

O prémio Nobel da Paz foi atribuído em 1973 ao secretário de Estado da Administração de Richard Nixon, e seu assessor de segurança nacional, Henry Kissinger, e ao político vietnamita Le Duc Tho. As duas personalidades foram …

Cidade usa satélite para medir poluição luminosa (e os candeeiros de rua não são o maior problema)

As cidades do mundo desperdiçam uma grande quantidade de eletricidade - e dinheiro - ao deixar ligadas luzes brilhantes durante a noite toda. Porém, os candeeiros de rua não são os maiores culpados. Uma experiência de …

Prevenir uma futura pandemia pode estar dependente de apenas três medidas (e podem ser aplicadas já)

Até 70% das doenças infecciosas que surgiram nos humanos nos últimos 30 anos tiveram origem em animais e foram causadas por patogénicos originados em animais domésticos ou selvagens. Agora, um relatório lança aos princípios básicos …

"Não se torne um fantasma real". Coreia do Sul teme aumento de casos devido ao Halloween

A Coreia do Sul teme que as festividades do Halloween levem a um aumento de casos de covid-19 no país. Assim, para evitar que tal aconteça, investiram numa campanha de informação pública para apelar aos …

Trump Jr. diz que as mortes por covid-19 se reduziram a "quase nada". Têm morrido 1.000 pessoas por dia

Donald Trump Jr., o filho mais velho do Presidente norte-americano, afirmou esta quinta-feira que a taxa de mortalidade por covid-19 caiu para "quase nada nos Estados Unidos", num dia em que o país registou quase …

Agentes russos terão oferecido a ajuda de 10 mil soldados aos separatistas catalães

Alegados agentes russos terão oferecido à Catalunha a ajuda de 10 mil soldados durante a sua tentativa de independência da Espanha, em 2017, relataram na quarta-feira meios de comunicação espanhóis e europeus. As denúncias baseiam-se em …