Arqueólogos encontram agulha de tatuagem com 2.000 anos (e ainda tem tinta na ponta)

Bob Hubner / WSU

No início da Era Comum, uma pessoa de Pueblo Ancestral que vivia no que atualmente é o sudeste de Utah, nos Estados Unidos, fez uma tatuagem com tinta preta. Dois mil anos depois, os arqueólogos desenterraram a agulha e, volvidos 40 anos, um antropólogo encontrou-a dentro de uma caixa no depósito de um museu. Curiosidade: a tinta ainda manchava a ponta da ferramenta.

A ferramenta é muito simples e do tamanho de uma caneta moderna, com dois espinhos de cato paralelos, amarrados com folhas de yucca e manchados de tinta preta nas pontas.

No entanto, a sua simplicidade máscara o seu grande significado. No início da Era Comum, uma pessoa de Pueblo Ancestral fez uma tatuagem com tinta preta. Cerca de 2.000 anos depois, os arqueólogos desenterraram a agulha e, 40 anos volvidos, Andrew Gillreath-Brown encontrou-a dentro de uma caixa no depósito de um museu.

E sim, a tinta ainda manchava as pontas da agulha.

Gillreath-Brown estudou o pigmento preto com o auxílio de um microscópio eletrónico de forma a obter uma melhor visão da estrutura cristalina. Estes dados, permitiram-no estudar a composição química através de fluorescência de raios X, avança o Ars Technica.

Foi então que descobriu que aquela tinta preta era muito rica em carbono. Na verdade, ainda hoje, o mesmo se verifica quer em tintas corporais, quer em tinhas de tatuagem.

Com 2.000 anos, este é o instrumento de tatuagem mais antigo já descoberto no oeste da América do Norte, e é uma pista de uma parte da cultura norte-americana pré-histórica que os arqueólogos conhecem muito pouco.

Em todo o mundo e em diversas culturas, as tatuagens têm desempenhado um papel de destaque. No entanto, os antropólogos gostariam de saber um pouco mais sobre a origem desta forma de arte tão requisitada atualmente. Contudo, a falta de provas complica o estudo destas origens. Além disso, muitas vezes, o que os cientistas encontram é tão enigmático quanto às tatuagens de um estranho.

Otzi, um homem que morreu há 5000 anos nos Alpes italianos, tinha várias tatuagens. Com base na sua localização, os cientistas concluíram que esta múmia apresentava provas de uma espécie de versão ocidental de acupuntura. No entanto, nunca poderemos ter certeza disso, porque nem Otzi nem o seu tatuador deixaram aos antropólogos uma nota a esclarecer o motivo pelo qual as tatuagens foram marcadas no seu corpo.

Por sua vez, no sudoeste dos Estados Unidos, onde os arqueólogos nunca encontraram restos mortais de pessoas antigas com tatuagens preservadas, sabemos menos ainda sobre esta arte corporal pré-histórica – como era feita e o que significava para os seus amantes.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …