Arqueólogos encontram agulha de tatuagem com 2.000 anos (e ainda tem tinta na ponta)

Bob Hubner / WSU

No início da Era Comum, uma pessoa de Pueblo Ancestral que vivia no que atualmente é o sudeste de Utah, nos Estados Unidos, fez uma tatuagem com tinta preta. Dois mil anos depois, os arqueólogos desenterraram a agulha e, volvidos 40 anos, um antropólogo encontrou-a dentro de uma caixa no depósito de um museu. Curiosidade: a tinta ainda manchava a ponta da ferramenta.

A ferramenta é muito simples e do tamanho de uma caneta moderna, com dois espinhos de cato paralelos, amarrados com folhas de yucca e manchados de tinta preta nas pontas.

No entanto, a sua simplicidade máscara o seu grande significado. No início da Era Comum, uma pessoa de Pueblo Ancestral fez uma tatuagem com tinta preta. Cerca de 2.000 anos depois, os arqueólogos desenterraram a agulha e, 40 anos volvidos, Andrew Gillreath-Brown encontrou-a dentro de uma caixa no depósito de um museu.

E sim, a tinta ainda manchava as pontas da agulha.

Gillreath-Brown estudou o pigmento preto com o auxílio de um microscópio eletrónico de forma a obter uma melhor visão da estrutura cristalina. Estes dados, permitiram-no estudar a composição química através de fluorescência de raios X, avança o Ars Technica.

Foi então que descobriu que aquela tinta preta era muito rica em carbono. Na verdade, ainda hoje, o mesmo se verifica quer em tintas corporais, quer em tinhas de tatuagem.

Com 2.000 anos, este é o instrumento de tatuagem mais antigo já descoberto no oeste da América do Norte, e é uma pista de uma parte da cultura norte-americana pré-histórica que os arqueólogos conhecem muito pouco.

Em todo o mundo e em diversas culturas, as tatuagens têm desempenhado um papel de destaque. No entanto, os antropólogos gostariam de saber um pouco mais sobre a origem desta forma de arte tão requisitada atualmente. Contudo, a falta de provas complica o estudo destas origens. Além disso, muitas vezes, o que os cientistas encontram é tão enigmático quanto às tatuagens de um estranho.

Otzi, um homem que morreu há 5000 anos nos Alpes italianos, tinha várias tatuagens. Com base na sua localização, os cientistas concluíram que esta múmia apresentava provas de uma espécie de versão ocidental de acupuntura. No entanto, nunca poderemos ter certeza disso, porque nem Otzi nem o seu tatuador deixaram aos antropólogos uma nota a esclarecer o motivo pelo qual as tatuagens foram marcadas no seu corpo.

Por sua vez, no sudoeste dos Estados Unidos, onde os arqueólogos nunca encontraram restos mortais de pessoas antigas com tatuagens preservadas, sabemos menos ainda sobre esta arte corporal pré-histórica – como era feita e o que significava para os seus amantes.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Mais seis mortes, 325 novos casos e 237 recuperados

Portugal regista esta quinta-fira mais seis mortes por covid-19, 325 novos casos de infeção e mais 237 pessoas dadas como recuperadas em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

"Filme fantástico". Novo livro revela cartas entre Kim Jong-un e Donald Trump

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, qualificou o seu relacionamento com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como um “filme fantástico”, segundo os editores de um livro a ser publicado, que revela a correspondência entre …

Grupo avisa Bruxelas que Portugal pode tornar-se ilha ferroviária na Europa

Um grupo de portugueses ligados ao setor ferroviário alertou a comissária europeia dos Transportes para a possibilidade de Portugal se tornar uma ilha ferroviária na Europa devido ao atraso em adotar "a bitola europeia" nas …

China encontra traços do coronavírus em asas de frango importadas do Brasil

Traços do novo coronavírus foram encontrados em asas de frango importadas do Brasil, na cidade de Shenzhen, no sul da China, noticiou, esta quinta-feira, um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). Os traços foram detetados …

Denúncia de Rui Pinto leva a congelamento de conta bancária da Doyen

Oito milhões de euros que estavam numa conta bancária do fundo de investimento Doyen foram congelados pelas autoridades portuguesas. Uma denúncia do whistleblower português Rui Pinto levou o fundo a ser investigado por suspeitas de fraude …

Preocupado com a Bielorrúsia, Macron ligou a Putin (e aproveitaram para falar da vacina russa)

O Presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou esta quarta-feira ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, "uma preocupação muito grande" quanto à situação na Bielorrússia após a reeleição do chefe de Estado autoritário bielorrusso, Alexander Lukashenko. Segundo indicou …

Obras do Hospital Militar de Belém custaram mais do triplo do valor estimado

As obras no Hospital Militar de Belém, em Lisboa, custaram mais do valor inicialmente estimado, avançou o Diário de Notícias esta quarta-feira. De acordo com o jornal, estava inicialmente previsto que a reabilitação de três …

Autópsia a Valentina revela descolamento do crânio

A autópsia a Valentina, a menina de 9 anos encontrada morta na serra D’el Rei, em Peniche, distrito de Leiria, em meados de maio, revela descolamento do crânio, avança esta quinta-feira o Correio da Manhã. …

Rio pede "coerência" na lotação do Avante e faz comparação com estádios

O líder do PSD pronunciou-se sobre a lotação da festa do Avante, lembrando que, se for reduzida para metade, isso é o mesmo que os estádios do FC Porto ou do Sporting estarem cheios. Na sua …

Juiz Carlos Alexandre desiste de queixa contra Rui Pinto

A proposta do Ministério Público (MP) para que o pirata informático não continuasse a ser investigado dependia da autorização do "super-juiz", avança o Correio da Manhã. De acordo com o Correio da Manhã, o juiz Carlos …