Ministro japonês defende despejo de água radioativa de Fukushima no Pacífico

Gill Tudor / IAEA

Trabalhadores em Fukushima

O ministro do Meio Ambiente do Japão, Yoshiaki Harada, defendeu hoje que a única solução para eliminar a água radioativa da central nuclear de Fukushima é despejá-la, depois de tratada, nas águas do Oceano Pacífico.

Desde o acidente da central nuclear de Fukushima, em 2011, a empresa proprietária da instalação, a Tokyo Electric Power Company (Tepco), acumulou mais de um milhão de toneladas de água altamente radioativa, que foi usada para arrefecer os reatores danificados.

“Penso que não há outra hipótese a não ser lançá-la ao mar”, disse Harada, quando questionado sobre o destino da água contaminada, durante uma conferência de imprensa de balanço sobre o seu mandato no ministério do Meio Ambiente.

O gabinete do primeiro-ministro, Shinzo Abe reagiu de imediato a esta declaração de Harada, dizendo que o compromete apenas a ele, recordando que o ministro está de saída, no âmbito de uma remodelação governamental.

Se o armazenamento da água radioativa for mantido ao ritmo atual, a Tepco estima que ficará sem espaço para a preservar antes de 2022, o que levou a empresa e o Governo a procurar medidas para resolver o problema.

A solução de despejar a água no Oceano Pacífico não é nova: já em 2016, uma comissão de especialistas mandatada pelo Ministério da Indústria japonês concluiu que essa opção era a “mais rápida e menos dispendiosa”, embora não se excluíssem outras possibilidades.

Nessa altura, a comissão de especialistas calculou que demoraria sete anos e quatro meses o processo de libertação da água no oceano, após a sua diluição, com um custo estimado de cerca de 28 milhões de euros, enquanto outras técnicas custariam 10 a 100 vezes mais e demorariam um período de oito a 13 anos.

A Tepco já realizou várias descargas específicas de centenas de toneladas de água processada, desde 2015, mas em volume abaixo do que a lei japonesa determina como limite para descargas.

Uma fonte ligada à comissão de especialistas referiu as dificuldades do processo de libertação da água no Oceano Pacífico, recordando que, para ser despejada, de acordo com os tratados ambientais internacionais, ela precisa de ser sujeita a um forte controlo de níveis de diluição.

O Governo japonês tem estudado, desde 2016, várias soluções alternativas, mostrando-se preocupado com o impacto ambiental, mas também com os danos colaterais na imagem do Japão junto da comunidade internacional.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. OS PUTOS FODEM O PLANETA E DEPOIS SEQUER QUEREM INDENIZAR A HUMANIDADE – SÓ PENSAM EM $$$

    “Nessa altura, a comissão de especialistas calculou que demoraria sete anos e quatro meses o processo de libertação da água no oceano, após a sua diluição, com um custo estimado de cerca de 28 milhões de euros, enquanto outras técnicas custariam 10 a 100 vezes mais e demorariam um período de oito a 13 anos.”

RESPONDER

Fezes ancestrais ajudam a descobrir como o microbioma afeta a nossa saúde

Um novo estudo, realizado em Israel e na Letónia, analisou fezes ancestrais e comparou-as com o nosso microbioma para tentar descobrir pistas sobre as doenças modernas. A equipa de investigadores, que trabalhou enterrada até aos joelhos …

Santa Clara 1-2 Sporting | “Leão” mostra POTEncial nas ilhas

Ao final da tarde deste sábado, o Sporting venceu o Santa Clara por 2-1, num duelo a contar para a 5ª jornada da Liga NOS que decorreu no Estádio de São Miguel, em Ponta Delgada. …

Robô ultrarrealista pode vir a substituir os golfinhos em cativeiro em parques temáticos

A empresa de engenharia Edge Innovations, com sede em São Francisco, Estados Unidos, projetou e construiu um golfinho-robô que se parece e age quase exatamente como um. Nadando ao redor da piscina enquanto um grupo de …

PCP avisa: Abstenção é “apenas e só” para discutir o OE2021

O secretário-geral do PCP avisou este sábado que a abstenção anunciada pelo partido visa "apenas e só" fazer passar o Orçamento do Estado de 2021 a "outra fase de discussão" e recusou estar garantido um …

Convento medieval encontrado sob parque de estacionamento em Inglaterra

Uma equipa de arqueólogos britânicos encontrou um convento medieval, há muito perdido, debaixo de um parque de estacionamento em Inglaterra. Há muito que os arqueólogos britânicos especulavam sobre a potencial localização de um antigo convento medieval, …

Virgin Galactic leva cientista planetário ao Espaço pela primeira vez

O norte-americano Alan Stern será o primeiro a realizar experiências científicas financiadas pela NASA, a bordo de uma aeronave comercial da empresa espacial privada Virgin Galactic. A NASA revelou a semana passada que o cientista planetário …

Português responsável por limpeza de hospitais condecorado pela Rainha Isabel II

O português Maciel Vinagre pensou que era mentira ou engano ao ler a notificação de que tinha sido distinguido pela Rainha Isabel II pelo trabalho como responsável da limpeza de dois hospitais públicos britânicos durante …

Japonês inventa sacos de plástico "comestíveis" (para salvar o veado sagrado de Nara)

Um empresário local no destino turístico japonês de Nara desenvolveu uma alternativa aos sacos de plástico de compras para proteger o veado sagrado da cidade. Hidetoshi Matsukawa, que trabalha na Nara-ism, um agente de souvenirs, disse, …

Emissão do programa de Ricardo Araújo Pereira cancelada. Humorista em isolamento

O programa de Ricardo Araújo Pereira na SIC não será emitido este domingo, uma vez que o humorista se encontra em isolamento profilático depois de ter estado em contacto com uma pessoa infetada com covid-19. …

Erro clínico. Centenas de hóspedes em quarentena em hotel da Austrália vão ter de fazer teste ao VIH

Centenas de pessoas que estiveram em quarentena no hotel Victoria, na Austrália, vão ter de fazer o teste de doenças transmitidas pelo sangue, incluindo VIH, devido a um erro dos profissionais de saúde daquele local …