Ministro japonês defende despejo de água radioativa de Fukushima no Pacífico

Gill Tudor / IAEA

Trabalhadores em Fukushima

O ministro do Meio Ambiente do Japão, Yoshiaki Harada, defendeu hoje que a única solução para eliminar a água radioativa da central nuclear de Fukushima é despejá-la, depois de tratada, nas águas do Oceano Pacífico.

Desde o acidente da central nuclear de Fukushima, em 2011, a empresa proprietária da instalação, a Tokyo Electric Power Company (Tepco), acumulou mais de um milhão de toneladas de água altamente radioativa, que foi usada para arrefecer os reatores danificados.

“Penso que não há outra hipótese a não ser lançá-la ao mar”, disse Harada, quando questionado sobre o destino da água contaminada, durante uma conferência de imprensa de balanço sobre o seu mandato no ministério do Meio Ambiente.

O gabinete do primeiro-ministro, Shinzo Abe reagiu de imediato a esta declaração de Harada, dizendo que o compromete apenas a ele, recordando que o ministro está de saída, no âmbito de uma remodelação governamental.

Se o armazenamento da água radioativa for mantido ao ritmo atual, a Tepco estima que ficará sem espaço para a preservar antes de 2022, o que levou a empresa e o Governo a procurar medidas para resolver o problema.

A solução de despejar a água no Oceano Pacífico não é nova: já em 2016, uma comissão de especialistas mandatada pelo Ministério da Indústria japonês concluiu que essa opção era a “mais rápida e menos dispendiosa”, embora não se excluíssem outras possibilidades.

Nessa altura, a comissão de especialistas calculou que demoraria sete anos e quatro meses o processo de libertação da água no oceano, após a sua diluição, com um custo estimado de cerca de 28 milhões de euros, enquanto outras técnicas custariam 10 a 100 vezes mais e demorariam um período de oito a 13 anos.

A Tepco já realizou várias descargas específicas de centenas de toneladas de água processada, desde 2015, mas em volume abaixo do que a lei japonesa determina como limite para descargas.

Uma fonte ligada à comissão de especialistas referiu as dificuldades do processo de libertação da água no Oceano Pacífico, recordando que, para ser despejada, de acordo com os tratados ambientais internacionais, ela precisa de ser sujeita a um forte controlo de níveis de diluição.

O Governo japonês tem estudado, desde 2016, várias soluções alternativas, mostrando-se preocupado com o impacto ambiental, mas também com os danos colaterais na imagem do Japão junto da comunidade internacional.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. OS PUTOS FODEM O PLANETA E DEPOIS SEQUER QUEREM INDENIZAR A HUMANIDADE – SÓ PENSAM EM $$$

    “Nessa altura, a comissão de especialistas calculou que demoraria sete anos e quatro meses o processo de libertação da água no oceano, após a sua diluição, com um custo estimado de cerca de 28 milhões de euros, enquanto outras técnicas custariam 10 a 100 vezes mais e demorariam um período de oito a 13 anos.”

RESPONDER

Lixo espacial cadente iluminou os céus na Austrália

Na sexta-feira passada, pedaços de lixo espacial de um foguetão russo iluminaram os céus na Austrália. Os especialistas dividem-se na possibilidade de bocados dele caírem na Terra. Na sexta-feira passada, num final de tarde como tantos …

Cientistas criaram uma borracha que até rasga (mas concerta-se sozinha)

Investigadores da Universidade Flinders, na Austrália, desenvolveram um novo tipo de borracha que consegue regenerar sozinha. A equipa de investigadores da universidade australiana criou um novo tipo de borracha e um catalisador que, em conjunto, podem …

Dez anos depois, voltou a ser avistado um guepardo do noroeste africano

Naturalistas na Argélia filmaram um guepardo do noroeste africano, uma subespécie listada na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como estando em "perigo crítico", pela primeira vez em dez anos. De acordo …

NASA dedica novo telescópio a Nancy Grace Roman, a "mãe" do Hubble

A NASA renomeou o telescópio Wide Field Infrared Probing Telescope (WFIRST) em homenagem a Nancy Grace Roman, a mãe do Hubble. A NASA batizou o seu telescópio espacial de última geração, atualmente em desenvolvimento, - o …

Guitarrista dos Queen teve um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte

Brian May, guitarrista dos Queen, sofreu um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte, anunciou o próprio músico, de 72 anos. May partilhou um vídeo no Instagram no qual conta todo o episódio. Tudo …

"Missão Tianwen". China planeia lançar sonda para Marte em julho

A China planeia lançar uma sonda e um pequeno robô de controlo remoto para Marte, em julho, na sua primeira missão ao Planeta Vermelho, anunciou esta segunda-feira a agência responsável pelo projeto. "O nosso objetivo era …

Bairros de lata são incubadoras de covid-19, mas ninguém ajuda os milhões que lá vivem

Bairros de lata, como as favelas, são consideradas incubadores de covid-19. No entanto, pouca atenção lhes tem sido dada na resposta à pandemia. Tendo devastado algumas das cidades mais ricas do mundo, a pandemia do novo …

Morreu Saturn, o jacaré que sobreviveu a um bombardeamento da II Guerra (e que se diz que pertenceu a Hitler)

Saturn, um jacaré norte-americano de 84 anos, morreu esta sexta-feira no jardim zoológico de Moscovo, na Rússia, anunciou a instituição na sua conta de Facebook, dando conta que o animal morreu de velhice. O réptil …

Antiviral Remdesivir pode ser eficaz no combate à covid-19

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional com este medicamento, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um …

Há uma misteriosa ilha em Nova Iorque que quase ninguém pode visitar (e está abandonada)

A menos de 1,6 quilómetros de Manhattan, em Nova Iorque, localiza-se uma misteriosa ilha abandonada há mais de meio século. É preciso ter autorização do New York City Department of Parks and Recreation para visitar …