Agricultor francês deu música às suas curgetes para as salvar de um vírus

Agricultores franceses estão a usar música como terapia para as suas culturas, controlando, assim, pragas de fungos e vírus que as poderiam arrasar. Um deles assegura que “salvou” as suas curgetes graças a melodias terapêuticas criadas à medida por uma empresa francesa.

O agricultor Gilles Josuan, um pequeno produtor de curgetes da zona de Bouches-du-Rhône, no sul de França, conta ao jornal Le Figaro que tentou tudo para combater a praga de vírus do mosaico do tabaco que infectou os seus legumes.

Mas nada resultava, até que encontrou o site da empresa Genodics SAS que se propõe a “tratar plantas com as proteínas da música”. “Não tinha nada a perder, por isso quis tentar”, sublinha.

“Assim que comecei a emitir música nas minhas estufas, reparei na diferença”, explica o agricultor, concluindo que, deste modo, foi possível “salvar” as suas curgetes.

Todas as noites, Josuan transmite entre cinco a sete minutos de uma sequência musical harmoniosa, especificamente preparada pela Genodics, para as suas curgetes.

O vírus continua presente, mas é inibido pela música e os meus legumes não revelam vestígios dele. Assim, posso comercializá-los novamente”, constata o agricultor.

“Taxa de sucesso de 70%”

Este recurso à música terapêutica para combater vírus e fungos na agricultura está a ser usado por cerca de 130 produtores franceses, de acordo com o jornal. É usado em culturas de pêssegos, de maçãs e de tomates, entre outras.

Mas esta terapia musical tem sido utilizada, sobretudo, nas vinhas, onde tem revelado eficácia no combate ao míldio da videira, doença provocada por um fungo que tem também afligido produtores de vinho em Portugal, e que pode ter efeitos devastadores numa produção, causando elevados prejuízos.

O engenheiro que co-fundou a Genodics, Pedro Ferrandiz, diz ao Le Figaro que o uso destas músicas terapêuticas em plantas tem revelado uma “taxa de sucesso média de 70%”.

Todavia, os resultados são, para já, encarados com cautela pelo organismo francês de pesquisa em agronomia (Inra na sigla original), pois não há ainda provas científicas claras de como funcionam, ou se de facto funcionam, estas melodias terapêuticas.

Método inovador assenta no “canto da proteína”

A Genodics apresenta-se no seu site como uma empresa de investigação, desenvolvimento e comercialização de “aplicações de um novo conceito de biologia ondulatória” que assenta na ideia de que “sequências de frequência de som específicas”, denominadas “proteóides”, “permitem estimular ou inibir a síntese das proteínas”.

“Precisamente definidas pelas suas frequências, durações e intervalos, essas sequências sonoras podem ter um efeito regulador nos processos biológicos correspondentes”, afiança a Genodics.

Assim, é preciso encontrar a música certa para cada tipo de cultura e para cada forma de patologia. E foi o que aconteceu com as curgetes de Gilles Josuan.

“No início, identificámos um único vírus, mas havia um segundo. Depois desta descoberta, adaptamos a melodia e conseguimos inibir os dois vírus que cansavam a planta, mas eram inofensivos para o homem”, explica ao Le Figaro Pedro Ferrandiz.

O engenheiro da Genodics acrescenta que, “durante o processo de síntese das proteínas, os aminoácidos produzem notas“. “Assim, é emitida uma melodia específica para cada proteína”, nota, realçando que “é preciso conhecer as proteínas pertinentes da patologia que queremos combater, depois isolá-la e encontrar o canto da proteína para a estimular ou inibir a sua síntese”.

SV, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Metallica regressam a Portugal

A banda americana regressa a Portugal a 1 de maio de 2019, num concerto no estádio do Restelo, em Lisboa. O concerto em solo luso da digressão WorldWired será o primeiro de 20 concertos agendados …

Jovem indonésio sobreviveu 48 dias à deriva no Pacífico

Um jovem indonésio sobreviveu 48 dias com a ajuda de uma plataforma para captura de peixe até ter sido resgatado por um cargueiro a cerca de dois mil quilómetros do território norte-americano de Guam, no …

Câmara de Braga condenada a pagar mais 4 milhões pelo Estádio

Construído nos mandatos de Mesquita Machado, o estádio tinha um orçamento inicial de 65 milhões, mas acabou por custar mais de 150 milhões. O Tribunal Administrativo e Fiscal condenou a Câmara de Braga a pagar mais …

Movimento de Rui Moreira confronta António Costa sobre Infarmed

A Associação Cívica Porto, o Nosso Movimento pediu, este domingo, ao primeiro-ministro que esclareça se apoiou o ministro da Saúde na decisão de reavaliar a eventual transferência do Infarmed para o Porto. A associação Porto, o …

Nova acusação de assédio sexual contra juiz nomeado por Trump para o Supremo

O juiz nomeado pelo Presidente dos EUA para o Supremo Tribunal foi acusado por uma segunda mulher, este domingo, de assédio sexual na década de 80.  A New Yorker noticiou, este domingo, que os democratas que …

"Hard Brexit" pode ser o fim do Reino Unido

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, tem sido alertada por elementos do seu Executivo para o possível desmembramento do Reino Unido, num cenário de saída da União Europeia sem acordo, o chamado ‘hard Brexit’. Após …

Duas sondas japonesas pousaram num asteróide e fizeram História

Pela primeira vez na história, o Homem conseguiu aterrar dois rovers não tripulados num asteróide. A proeza histórica aconteceu este sábado e deveu-se aos japoneses. "Fiquei impressionado com o que conquistamos no Japão. Este é apenas …

Milionário da Somague declara falência e pede perdão de 67 milhões de euros

O ex-presidente da Somague, Diogo Vaz Guedes, declarou falência, pedindo o perdão de dívidas superiores a 67 milhões de euros. O Novo Banco e o BCP estão entre os credores do milionário. O jornal Correio da …

A China está (literalmente) a comprar um país africano

A Zâmbia corre o risco de perder a sua soberania devido à enorme dívida externa que tem com a China. O país poderá ser obrigado a entregar a Pequim a propriedade das suas principais infraestruturas de …

Conselho Superior de Magistratura não abre inquérito a juízes que desvalorizaram violação

O Conselho Superior de Magistratura considera que não existem "erros grosseiros" ou "linguagem manifestamente inadequada" no acórdão que confirma pena suspensa de dois homens julgados em primeira instância por violação. O Conselho Superior de Magistratura não …