ADSE deve mais de 60 milhões de euros aos beneficiários

Já chega aos 60 milhões de euros o valor que a ADSE deve aos beneficiários por causa dos atrasos dos reembolsos do regime livre.

O número é revelado ao jornal I por Eugénio Rosa, o vogal do conselho diretivo do sistema de saúde. Na origem do problema está a “falta de trabalhadores para conferir com rapidez 230 mil documentos que todos os meses a ADSE recebe dos beneficiários”, argumenta o economista.

A escassez de recursos humanos já se arrasta desde o ano passado. Este subsistema de saúde só tem 184 funcionários quando o quadro é de 242, sendo que desde o verão do ano passado, já saíram 11 funcionários que não foram substituídos.

Eugénio Rosa já tinha acusado o Ministério das Finanças por não dar luz verde ao recrutamento de mais trabalhadores, embora a ADSE tenha um estatuto diferente dos outros institutos públicos já que mais de 93% da sua despesa é financiada pelos descontos dos trabalhadores e aposentados da função pública. Em 2018, estes descontaram 592 milhões de euros para o subsistema de saúde.

O economista acrescentou a “inércia dos membros do conselho diretivo nomeados pelo governo que, tendo a maioria, impuseram que o pelouro dos recursos humanos da ADSE ficasse sob a sua alçada”.

Os atrasos nos reembolsos acontecem numa altura em que a ADSE está a trabalhar para apresentar no final deste mês as novas tabelas de preços máximos. “Tempos difíceis”, diz Eugénio Rosa sobre a atual situação do subsistema de saúde. O economista explica que ao ser “implementada uma nova tabela de preços máximos pretende-se impedir que os prestadores fixem os preços que querem, como atualmente sucede, o que naturalmente vai gerar muita oposição e só com o apoio ativo dos beneficiários é que se conseguirá levar o “barco a bom porto”, vital para garantir a sustentabilidade e continuidade da ADSE”.

Em 2017, os custos da ADSE com o regime convencionado chegaram aos 400 milhões de euros enquanto os gastos com o regime livre somaram 153,7 milhões de euros. Nesse ano, os descontos feitos nas remunerações dos trabalhadores e nas pensões dos aposentados da função pública somaram os 553,7 milhões de euros.

Em 2018, prevê-se que os custos do regime convencionado antes das deduções das regularizações atinjam 404 milhões de euros e os do regime livre totalizem 160 milhões. Eugénio Rosa critica ainda o parecer do Conselho Geral de Supervisão sobre o relatório de atividades de 2018 ao defender que este devia “ser devidamente reformulado” para reproduzir a atividade desenvolvida pelo subsistema de saúde.

O economista especifica com o facto de terem sido “ignoradas ou minoradas” questões fundamentais para a sustentabilidade do subsistema, como a falta de trabalhadores, que origina, por exemplo, “o atraso que se verifica no pagamento do regime livre”. Em 2017, “os pagamentos eram feitos a menos de 30 dias e, no final de 2018, o atraso era superior a 60 dias“.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A ADSE não é uma instituição de bem. Em 50 anos, a minha mãe sempre descontou para a ADSE e como era saudável poucas comparticipações recebia. Agora está num Lar e precisa de ir a consultas nos hospitais públicos em cadeiras de rodas acompanhada de uma cuidadora. O Lar cobra a deslocação numa viatura apropriada para cadeira de rodas e a ADSE não comparticipa, apesar do comprovativo da consulta e do recibo de Lar.

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …