A segunda maior floresta da América do Sul também está a “arder”

Os incêndios na floresta amazónica têm despertado a atenção de todo o mundo. Enquanto isso, a segunda maior floresta da América do Sul, o Gran Chaco, está a desaparecer à vista de quem quiser ver.

O Gran Chaco, que se estende da Bolívia e do Brasil ao Paraguai e Argentina, é extremamente biodiverso, com mais de 3.400 plantas e 900 espécies de animais. É também o lar de pelo menos 30 povos indígenas, incluindo os Ayoreo, alguns dos quais vivem em isolamento voluntário nas suas pátrias históricas, bem como colónias menonitas.

Agora, devido à desflorestação mais rápida do mundo, esse ecossistema outrora enorme pode em breve sair de áreas protegidas, de acordo com o Fast Company. Desde 2001, mais de 50 mil quilómetros quadrados de floresta foram derrubados para dar lugar à agricultura e pecuária no Gran Chaco.

Mais de metade da desflorestação aconteceu no Paraguai, um pequeno país sul-americano de sete milhões de pessoas. Como na Amazónia, ao norte, a pecuária e a agricultura são os principais impulsionadores da desflorestação no Gran Chaco do Paraguai.

Mas, além da carne bovina e da soja, as terras limpas do Gran Chaco também produzem coisas inesperadas – produtos diários que são exportados e vendidos no exterior para consumidores que talvez nunca saibam que as suas compras contribuem para a destruição da segunda maior floresta da América do Sul.

O Paraguai, o oitavo maior exportador mundial de carne bovina, vende 350 mil toneladas de carne bovina por ano para a Rússia, Israel, Chile e outros países. Há pelo menos 14 milhões de cabeças de gado no Chaco do Paraguai e mais de quatro milhões de hectares de terras dedicadas à criação de gado – uma área maior que a Bélgica.

O governo quer subir para os cinco maiores exportadores mundiais de carne bovina nos próximos 10 anos. Para atingir esse objetivo, os pecuaristas precisam de mais terras, em grande parte, já que a indústria de carne bovina do Paraguai é baseada em pastoreio, em vez do modelo de confinamento predominante nos EUA.

Para limpar as terras da floresta para pastagem, legal e ilegalmente, os pecuaristas usam o que é chamado de “encadeamento”. Isso significa nivelar a floresta com tratores que arrastam correntes pesadas. Depois, queimam as árvores caídas.

Cada vez mais, alguns agricultores estão a perceber que também há dinheiro a ser ganho com as árvores derrubadas. Em vez de incinerar a madeira nos campos, transformam-na em carvão. Do outro lado do Chaco , grandes fornos de tijolos localizados fora das estradas principais lentamente assam a madeira, transformando-a em carvão que alimenta os churrascos de fim de semana em todo o mundo.

O carvão é empilhado em camiões que o transportam para exportadores, que o enviam para Europa, Médio Oriente e Estados Unidos, entre outros grandes mercados. Nesses locais, o carvão costuma ser rotulado como “natural” ou “certificado ambientalmente”, sugerindo que é sustentável.

E o carvão paraguaio pode ser um produto “natural”, mas dificilmente é ecológico, uma vez que produzir e vender carvão de árvores cortadas recentemente torna a desflorestação mais lucrativo. Como resultado, as compras deste produto contribuem indiretamente para a desflorestação do Chaco, às vezes transformando consumidores preocupados com o meio ambiente em cúmplices desconhecidos na dizimação da segunda maior floresta da América do Sul.

O couro também é um problema

Há um problema semelhante noutro bem do Chaco que é muito vendido: o couro. O Paraguai exportou quase quatro milhões de quilos de couro em 2018. O couro é refinado e utilizado em inúmeras indústrias em todo o mundo, principalmente na Europa. As empresas de automóveis BMW, Citroën, Peugeot, Renault, Porsche e Ferrari usam couro do Chaco para embrulhar tudo, desde assentos a volantes.

Couro e carvão vegetal não apenas tornam mais rentável a degradação ambiental da floresta do Chaco – às vezes, são produzidos usando trabalho forçado.

De acordo com queixas recentes registadas no escritório e no departamento de trabalho do procurador-geral do Paraguai, algumas quintas de gado do Chaco exploram povos indígenas, pagando salários extremamente baixos por trabalhos como construção de cercas, limpeza de terras ou criação de gado. Alguns trabalhadores precisam de comprar alimentos em lojas caras, usando sistemas de crédito que os envolvem em dívidas.

(dr) Christopher Gannon / Iowa State University

Um relatório de setembro de 2018 das Nações Unidas sobre formas contemporâneas de escravidão no Paraguai mostra que o trabalho forçado nas quintas de gado do Chaco e indústrias relacionadas está a melhorar lentamente devido ao maior cumprimento das leis trabalhistas, mas afirma que continua prevalecendo.

Existem tantos problemas ambientais preocupantes no mundo e as cadeias de suprimentos globais são incrivelmente complexas. Portanto, para os consumidores que moram longe dos locais que produzem os bens que compram – mesmo os mais conscientes – é mais fácil focar-se em eventos extraordinários como os incêndios na Amazónia do que contemplar as consequências não intencionais de um churrasco no fim de semana.

Mas os hábitos comuns de consumo são importantes quando se trata de saúde ambiental global. As coisas que compramos podem apoiar as práticas e indústrias subjacentes prejudiciais que levam a crises agudas como incêndios na Amazónia ou problemas generalizados causados ​​pelas mudanças climáticas.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Agradeço terem publicado esta notícia porque eu desconhecia este facto. Interessante é ter visto o PAN há uns dias a fazer uma churrascada. E esta, hen.

RESPONDER

Portugal tem o segundo melhor ataque do Euro. E a terceira pior defesa

Fechada a segunda jornada da fase de Grupos do Euro 2020, a seleção nacional tem o segundo melhor ataque da prova, com 5 golos marcados, atrás apenas da Itália. Mas tem também a terceira pior …

Espanha 1-1 Itália | Hino ao desperdício trama La Roja

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, empatou hoje a um golo com a Espanha, em Sevilha, em encontro da segunda jornada do Grupo E do Euro2020, mantendo-se ambas sem vitórias. A formação espanhola, que …

Já pode ajudar a NASA a batizar o manequim que vai até à Lua

A agência espacial norte-americana está a pedir ajuda para batizar o "Moonikin", o manequim que vai a bordo da nave Orion, durante a missão lunar Artemis I, ainda este ano. Quando a nave espacial Orion, da …

Portugal em Europeus: as últimas três derrotas foram (todas) contra a Alemanha

Em 90 minutos, Portugal não era derrotado numa fase final de um Europeu desde a estreia no Europeu 2012. Recorde as seleções que bateram Portugal, até agora. "Já não posso ver os franceses à frente". Esta …

Spotify lança Greenroom (e abre concorrência ao Clubhouse)

O Spotify lançou na quarta-feira, dia 16 de junho, uma app de conversas por áudio em direto chamada Greenroom, uma resposta do gigante sueco de streaming de música à popular plataforma Clubhouse. O Greenroom permite que …

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …

Pandemia mostrou “falta de proteção das mulheres”

A pandemia de covid-19 mostrou “a vulnerabilidade e a falta de proteção das mulheres e quão pouco as sociedades se preocupam realmente em proteger elementos-chave em matéria de segurança”, considera Edit Schlaffer, diretora-executiva da Women …