A segunda maior floresta da América do Sul também está a “arder”

Os incêndios na floresta amazónica têm despertado a atenção de todo o mundo. Enquanto isso, a segunda maior floresta da América do Sul, o Gran Chaco, está a desaparecer à vista de quem quiser ver.

O Gran Chaco, que se estende da Bolívia e do Brasil ao Paraguai e Argentina, é extremamente biodiverso, com mais de 3.400 plantas e 900 espécies de animais. É também o lar de pelo menos 30 povos indígenas, incluindo os Ayoreo, alguns dos quais vivem em isolamento voluntário nas suas pátrias históricas, bem como colónias menonitas.

Agora, devido à desflorestação mais rápida do mundo, esse ecossistema outrora enorme pode em breve sair de áreas protegidas, de acordo com o Fast Company. Desde 2001, mais de 50 mil quilómetros quadrados de floresta foram derrubados para dar lugar à agricultura e pecuária no Gran Chaco.

Mais de metade da desflorestação aconteceu no Paraguai, um pequeno país sul-americano de sete milhões de pessoas. Como na Amazónia, ao norte, a pecuária e a agricultura são os principais impulsionadores da desflorestação no Gran Chaco do Paraguai.

Mas, além da carne bovina e da soja, as terras limpas do Gran Chaco também produzem coisas inesperadas – produtos diários que são exportados e vendidos no exterior para consumidores que talvez nunca saibam que as suas compras contribuem para a destruição da segunda maior floresta da América do Sul.

O Paraguai, o oitavo maior exportador mundial de carne bovina, vende 350 mil toneladas de carne bovina por ano para a Rússia, Israel, Chile e outros países. Há pelo menos 14 milhões de cabeças de gado no Chaco do Paraguai e mais de quatro milhões de hectares de terras dedicadas à criação de gado – uma área maior que a Bélgica.

O governo quer subir para os cinco maiores exportadores mundiais de carne bovina nos próximos 10 anos. Para atingir esse objetivo, os pecuaristas precisam de mais terras, em grande parte, já que a indústria de carne bovina do Paraguai é baseada em pastoreio, em vez do modelo de confinamento predominante nos EUA.

Para limpar as terras da floresta para pastagem, legal e ilegalmente, os pecuaristas usam o que é chamado de “encadeamento”. Isso significa nivelar a floresta com tratores que arrastam correntes pesadas. Depois, queimam as árvores caídas.

Cada vez mais, alguns agricultores estão a perceber que também há dinheiro a ser ganho com as árvores derrubadas. Em vez de incinerar a madeira nos campos, transformam-na em carvão. Do outro lado do Chaco , grandes fornos de tijolos localizados fora das estradas principais lentamente assam a madeira, transformando-a em carvão que alimenta os churrascos de fim de semana em todo o mundo.

O carvão é empilhado em camiões que o transportam para exportadores, que o enviam para Europa, Médio Oriente e Estados Unidos, entre outros grandes mercados. Nesses locais, o carvão costuma ser rotulado como “natural” ou “certificado ambientalmente”, sugerindo que é sustentável.

E o carvão paraguaio pode ser um produto “natural”, mas dificilmente é ecológico, uma vez que produzir e vender carvão de árvores cortadas recentemente torna a desflorestação mais lucrativo. Como resultado, as compras deste produto contribuem indiretamente para a desflorestação do Chaco, às vezes transformando consumidores preocupados com o meio ambiente em cúmplices desconhecidos na dizimação da segunda maior floresta da América do Sul.

O couro também é um problema

Há um problema semelhante noutro bem do Chaco que é muito vendido: o couro. O Paraguai exportou quase quatro milhões de quilos de couro em 2018. O couro é refinado e utilizado em inúmeras indústrias em todo o mundo, principalmente na Europa. As empresas de automóveis BMW, Citroën, Peugeot, Renault, Porsche e Ferrari usam couro do Chaco para embrulhar tudo, desde assentos a volantes.

Couro e carvão vegetal não apenas tornam mais rentável a degradação ambiental da floresta do Chaco – às vezes, são produzidos usando trabalho forçado.

De acordo com queixas recentes registadas no escritório e no departamento de trabalho do procurador-geral do Paraguai, algumas quintas de gado do Chaco exploram povos indígenas, pagando salários extremamente baixos por trabalhos como construção de cercas, limpeza de terras ou criação de gado. Alguns trabalhadores precisam de comprar alimentos em lojas caras, usando sistemas de crédito que os envolvem em dívidas.

(dr) Christopher Gannon / Iowa State University

Um relatório de setembro de 2018 das Nações Unidas sobre formas contemporâneas de escravidão no Paraguai mostra que o trabalho forçado nas quintas de gado do Chaco e indústrias relacionadas está a melhorar lentamente devido ao maior cumprimento das leis trabalhistas, mas afirma que continua prevalecendo.

Existem tantos problemas ambientais preocupantes no mundo e as cadeias de suprimentos globais são incrivelmente complexas. Portanto, para os consumidores que moram longe dos locais que produzem os bens que compram – mesmo os mais conscientes – é mais fácil focar-se em eventos extraordinários como os incêndios na Amazónia do que contemplar as consequências não intencionais de um churrasco no fim de semana.

Mas os hábitos comuns de consumo são importantes quando se trata de saúde ambiental global. As coisas que compramos podem apoiar as práticas e indústrias subjacentes prejudiciais que levam a crises agudas como incêndios na Amazónia ou problemas generalizados causados ​​pelas mudanças climáticas.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Agradeço terem publicado esta notícia porque eu desconhecia este facto. Interessante é ter visto o PAN há uns dias a fazer uma churrascada. E esta, hen.

RESPONDER

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …