A montanha mais alta da Europa encolheu 1 cm em dois anos

bulbocode909 / Flickr

Mont Blanc, a montanha mais alta da Europa

O Mont Blanc, a montanha mais alta da Europa, já não é o que era – pelo menos, no que diz respeito à sua altura, segundo revelaram esta quinta-feira os investigadores que o mediram.

Localizada nos Alpes, na fronteira franco-italiana, o pico mais alto da Europa, o Mont Blanc, perdeu 1 cm em dois anos, e mede agora apenas 4.808,72 metros.

A nova altura da montanha foi medida com material de grande precisão e em condições meteorológicas “bastante complicadas”, com muito vento, contou à AFP o perito em geometria Nicolas Cornier, coordenador da expedição de 20 cientistas que realizou a medição.

“No topo, instalámos receptores Leica, pequenas parabólicas de 15cm a 20cm de diâmetro, colocadas em hastes fincadas na neve, que registam sinais GPS emitidos por satélites, que por sua vez são corrigidos por uma rede de antenas de localização para obter medidas precisas”, detalhou o especialista.

A altura do Mont Blanc varia segundo o vento e as precipitações e, nos últimos anos, oscilou bastante. Em 2015, foi calculada em 4.808,73 metros – mais 1 cm do que a medição realizada esta quarta-feira.

Em 2013, a montanha tinha 4.810,02 m, ou seja, mais 2 metros do que actualmente. Mas em 2007, a montanha media nada menos do que em 4.811 m, tendo crescido nada menos que 3 metros em relação aos 4.808 m que tinha em 2003.

Segundo um estudo recente, também os glaciares dos Alpes franceses, afectados pelas mudanças climáticas, registaram uma perda de 25% da sua superfície entre 2003 e 2015 – uma diminuição do volume de gelo “três vezes mais rápida” que nos anos anteriores.

Segundo o Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Meio Ambiente de Grenoble, em França, nesse período a perda anual foi, em média, de 2%, em comparação com os 0,7% registados entre 1986 e 2003. Os glaciares do Mont Blanc são os que melhor “resistem” a essa erosão, com uma redução da superfície de cerca de 1% por ano entre 2003 e 2015.

O maciço mais afectado por esta erosão é o de Vanoise, que perde em média 2,6% de gelo por ano, principalmente porque “poucos cumes ultrapassam os 3.800 m de altura”.

O estudo foi realizado em colaboração com laboratórios austríacos, italianos e suíços, no âmbito de um programa da Agência Espacial Europeia, ESA, sobre os Alpes. As suas conclusões globais ainda não foram publicadas.

// GEO / RFI

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Queda de avioneta na Alemanha fez três mortos e vários feridos

Um pequeno avião Cessna caiu este domingo sobre um grupo de pessoas num aeródromo no centro da Alemanha fazendo pelo menos três mortos e oito feridos, anunciou a polícia. A avioneta atingiu as três vítimas mortais – …

Vacina da gripe já está disponível. SNS tem 1,4 milhões de doses

A vacina da gripe começa esta segunda-feira a estar disponível, sendo gratuita e sem necessidade de receita médica no Serviço Nacional de Saúde para pessoas a partir dos 65 anos, residente em lares e para …

Encontrado raro caracol fossilizado em âmbar com 99 milhões de anos

Uma equipa internacional de paleontólogos descobriu em Mianmar um caracol incrivelmente fossilizado em âmbar datado de há cerca de 100 milhões de anos - sendo, por isso, contemporâneo dos dinossauros.  Ao contrário da maioria dos …

Se não pararmos de comer carne, vamos acabar com o planeta

Cada cidadão deverá reduzir em 75% o seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de sementes e frutos secos. Segundo um estudo …

Encontrado o mais antigo registo sobre Jerusalém

Especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) encontraram uma pedra com uma inscrição de dois mil anos de idade na qual se lê "Jerusalém" em hebraico. Encontrada numa escavação subterrânea por baixo do Centro de …

NASA tem esperança que os ventos de Marte reanimem a Opportunity

Os ventos fortes, que se fazem sentir em Marte num determinado período do ano, poderão ajudar a limpar a poeira dos painéis solares do rover Opportunity, que está adormecido desde junho. De acordo com a …

Dormir muito é tão prejudicial como dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde como dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontario conduziu em junho de 2017 …

Cientistas desenvolveram uma retina humana em laboratório

Cientistas da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, desenvolveram a partir do zero tecido da retina humana para aprender como é que são compostas as células que nos permitem ver o mundo a cores. Os cientistas …

Asteróide deixa cientistas perplexos com a sua superfície incomum

Cientistas receberam os primeiros dados e fotos do rover MASCOT, que pousou recentemente na superfície do asteroide Ryugu, e ficaram completamente perplexos. Os dados obtidos apontam para uma quantidade extremamente baixa de poeira na superfície do …

Ossadas contam história de criança neandertal devorada por pássaro gigante da Idade do Gelo

Arqueólogos descobriram os restos humanos mais antigos já encontrados na Polónia. Análises posteriores revelaram pertencerem a uma criança neandertal que terá sido devorada por um pássaro gigante. Apesar de as ossadas terem sido recuperadas há já …