A montanha mais alta da Europa encolheu 1 cm em dois anos

bulbocode909 / Flickr

Mont Blanc, a montanha mais alta da Europa

O Mont Blanc, a montanha mais alta da Europa, já não é o que era – pelo menos, no que diz respeito à sua altura, segundo revelaram esta quinta-feira os investigadores que o mediram.

Localizada nos Alpes, na fronteira franco-italiana, o pico mais alto da Europa, o Mont Blanc, perdeu 1 cm em dois anos, e mede agora apenas 4.808,72 metros.

A nova altura da montanha foi medida com material de grande precisão e em condições meteorológicas “bastante complicadas”, com muito vento, contou à AFP o perito em geometria Nicolas Cornier, coordenador da expedição de 20 cientistas que realizou a medição.

“No topo, instalámos receptores Leica, pequenas parabólicas de 15cm a 20cm de diâmetro, colocadas em hastes fincadas na neve, que registam sinais GPS emitidos por satélites, que por sua vez são corrigidos por uma rede de antenas de localização para obter medidas precisas”, detalhou o especialista.

A altura do Mont Blanc varia segundo o vento e as precipitações e, nos últimos anos, oscilou bastante. Em 2015, foi calculada em 4.808,73 metros – mais 1 cm do que a medição realizada esta quarta-feira.

Em 2013, a montanha tinha 4.810,02 m, ou seja, mais 2 metros do que actualmente. Mas em 2007, a montanha media nada menos do que em 4.811 m, tendo crescido nada menos que 3 metros em relação aos 4.808 m que tinha em 2003.

Segundo um estudo recente, também os glaciares dos Alpes franceses, afectados pelas mudanças climáticas, registaram uma perda de 25% da sua superfície entre 2003 e 2015 – uma diminuição do volume de gelo “três vezes mais rápida” que nos anos anteriores.

Segundo o Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Meio Ambiente de Grenoble, em França, nesse período a perda anual foi, em média, de 2%, em comparação com os 0,7% registados entre 1986 e 2003. Os glaciares do Mont Blanc são os que melhor “resistem” a essa erosão, com uma redução da superfície de cerca de 1% por ano entre 2003 e 2015.

O maciço mais afectado por esta erosão é o de Vanoise, que perde em média 2,6% de gelo por ano, principalmente porque “poucos cumes ultrapassam os 3.800 m de altura”.

O estudo foi realizado em colaboração com laboratórios austríacos, italianos e suíços, no âmbito de um programa da Agência Espacial Europeia, ESA, sobre os Alpes. As suas conclusões globais ainda não foram publicadas.

// GEO / RFI

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …