“A descoberta de uma vida”. Investigadores descobrem pegadas fantasmagóricas no Utah

Nial Bradshaw

Pegadas humanas descobertas no Utah

O Great Salt Lake era o maior lago de água salgada do Hemisfério Ocidental, mas secou lentamente devido a mudanças no clima da Terra desencadeadas pelo fim da última era glacial.

Uma equipa de arqueólogos tropeçou recentemente num conjunto de misteriosas “pegadas fantasmas” nas salinas de um deserto de Utah.

Estas pegadas antigas invulgares recebem o seu nome sinistro não por serem de um reino etéreo, mas devido à sua composição terrena: Tornam-se visíveis apenas depois de chover e as pegadas enchem-se de humidade e tornam-se mais escuras de cor, antes de desaparecerem novamente depois de secarem ao sol.

Os investigadores descobriram as impressões invulgares no início de julho de forma acidental, ao conduzirem para outro sítio arqueológico próximo na Base da Força Aérea de Hill no Deserto do Grande Lago Salgado do Utah.

A equipa encontrou inicialmente apenas um punhado de pegadas, mas uma análise minuciosa da área circundante utilizando radar de penetração no solo (GPR) revelou pelo menos 88 pegadas individuais pertencentes a uma série de adultos e crianças, potencialmente com apenas 5 anos de idade.

As pegadas fantasmagóricas foram deixadas por pés humanos nus há pelo menos 10.000 anos, quando a área ainda era um vasto pântano. No entanto, os investigadores suspeitam que as pegadas poderiam remontar a 12.000 anos atrás, durante o troço final da última era glaciar durante a época do Pleistoceno (2,6 milhões a 11.700 anos atrás).

A descoberta de tantas pegadas antigas é uma “descoberta única na vida”, disse numa declaração Anya Kitterman, a gestora de recursos culturais da Base da Força Aérea de Hill, que supervisionou o trabalho arqueológico. “Descobrimos muito mais do que aquilo que tínhamos imaginado“.

Ainda assim, a descoberta ainda não foi publicada numa revista científica e sujeita a peer review, porque os investigadores ainda estão a analisar as pegadas.

O deserto do Great Salt Lake foi outrora coberto por um grande lago salgado, semelhante ao Great Salt Lake – o maior lago de água salgada do Hemisfério Ocidental – que dá o nome ao deserto.

O antigo lago secou lentamente devido a mudanças no clima da Terra desencadeadas pelo fim da última era glacial, que deixou para trás os sais que outrora foram dissolvidos na água.

Mas durante a transição do lago para a planície salina seca, a área foi brevemente uma grande zona húmida que foi ocupada por seres humanos até há 10.000 anos atrás, de acordo com a declaração dos investigadores. Durante este tempo, as condições teriam sido perfeitas para criar as ditas pegadas fantasmas, disseram os investigadores.

As pessoas parecem ter andado em águas pouco profundas, com a areia a encher rapidamente as suas pegadas, como se pode experimentar numa praia”, disse o investigador principal Daron Duke, um arqueólogo do Far Western Anthropological Research Group, uma empresa privada especializada na gestão de recursos culturais, no comunicado. “Mas debaixo da areia havia uma camada de lama que mantinha a impressão intacta após o enchimento”.

As pegadas foram desde então preenchidas com sal à medida que as zonas húmidas secavam, tornando-as indistinguíveis da paisagem circundante quando estão secas, acrescentou Duke.

Normalmente, quando chove, a água é rapidamente absorvida no fundo do sedimento circundante, o que significa que o solo regressa rapidamente à sua cor normal. Mas quando a chuva cai em cima das pegadas lamacentas escondidas, a água fica presa, criando manchas de sedimentos escuros e húmidos que se destacam do seu ambiente.

A menos de 1,6 quilómetros de onde as pegadas foram descobertas, um grupo de investigação anterior descobriu um campo de caçadores-colectores datado de há 12.000 anos, onde os humanos que deixaram as pegadas poderiam ter vivido.

Os achados arqueológicos no local incluíam uma antiga lareira, ferramentas de pedra utilizadas para cozinhar, uma pilha de mais de 2.000 ossos de animais, e sementes de tabaco carbonizado, que são as primeiras provas do uso de tabaco em humanos.

Os investigadores envolvidos na nova descoberta recolheram algumas das pegadas a fim de determinar a sua idade exata. Utilizando a datação por radiocarbono, os investigadores esperam ser capazes de analisar pequenos pedaços de material orgânico que poderia ter ficado preso no sedimento pelo pé de quem deixou as pegadas, de acordo com a afirmação.

Esta região é um ponto de encontro para antigos caminhos de ferro humanos. Em Setembro de 2021, um estudo revelou que 60 pegadas humanas no Parque Nacional das Areias Brancas no Novo México datam de há 21.000 a 23.000 anos, o que as torna a mais antiga “evidência inequívoca” de humanos nas Américas. Estas pegadas também foram descobertas usando GPR.

“Há muito que nos perguntamos se outros locais como White Sands andavam por aí e se o GPR seria eficaz para a obtenção de pegadas de imagem noutros locais”, disse Thomas Urban, um arqueólogo da Universidade de Cornell que desenvolveu a técnica de levantamento GPR utilizada em White Sands e, mais recentemente, na Base da Força Aérea de Hill, num comunicado.

Os investigadores dizem que estes tipos de descobertas são importantes porque são provas diretas de assentamento humano na área e são muito mais viscerais do que outras descobertas arqueológicas próximas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.