74% da população vai estar exposta a calor mortífero em 2100

Três quartos da população mundial estará exposta a ondas de calor mortíferas em 2100, se as emissões de gases com efeito de estufa continuarem a aumentar ao ritmo atual, mas, mesmo com redução, quase metade das pessoas será afetada.

Um estudo publicado esta segunda-feira na revista científica Nature Climate Change conclui que “74% da população mundial estará exposta a ondas de calor mortíferas em 2100, se as emissões de gases com efeito de estufa continuarem a subir nas atuais taxas”.

“Mesmo se as emissões descerem drasticamente, é expetável que a percentagem de população humana afetada atinja 48%”, aponta o professor de Geografia do departamento de Ciências Sociais da Universidade do Havai em Manoa, Camilo Mora.

No que respeita a ondas de calor, cuja maior frequência é relacionada com as alterações climáticas, “estamos a ficar sem opções para o futuro”, salienta o investigador, defendendo que as alternativas “são agora entre o mau e o terrível”.

Camilo Mora recordou que atualmente muitas pessoas em todo o mundo já estão a sofrer as consequências das ondas de calor e as previsões sugerem que a tendência irá continuar, e “poderá ser muito pior se as emissões não forem consideravelmente reduzidas”.

Atualmente, “cerca de 30% da população humana de todo o mundo está exposta a estas condições mortíferas em cada ano”, referem os cientistas.

O corpo humano, explica o estudo, só funciona se estiver a temperaturas à volta de 37 graus. “As ondas de calor colocam um risco considerável à vida humana pois o tempo quente, agravado pela alta humidade, pode aumentar a temperatura do corpo, levando a condições que ameaçam a vida”.

A equipa liderada por Camilo Mora fez um levantamento de dados existentes e encontrou 1.900 casos de locais onde as elevadas temperaturas causaram mortes desde 1980 e, analisando as condições climáticas de 783 episódios letais, em 164 cidades de 36 países, identificou um limite a partir do qual as temperaturas e o grau de humidade se tornam mortíferas.

A área do planeta em que este limite é ultrapassado em 20 ou mais dias por ano tem vindo a crescer e “estima-se que aumente mesmo com cortes nas emissões de gases com efeito de estufa”, segundo o estudo.

Entre os exemplos listados pelos especialistas, está a onda de calor de 2003, na Europa, que provocou a morte de cerca de 70 mil pessoas, ou a de Moscovo em 2010, que provocou 10 mil mortes, sendo ainda referidas cidades como Nova Iorque, Washington, Los Angeles, Toronto, Londres, Tóquio, Sydney ou São Paulo que também registaram aquele fenómeno.

O trabalho também refere que o maior risco para a vida humana vindo das ondas de calor regista-se nas regiões tropicais, que são quentes e húmidas, enquanto em latitudes mais altas o risco de morte se limita ao verão.

“Ações como a retirada do Acordo de Paris (decidida pelo Presidente dos EUA, Donald Trump) são um passo na direção errada que vai inevitavelmente atrasar a resolução de um problema para o qual não há simplesmente tempo a perder”, alertou Camilo Mora.

ZAP // Lusa

3 COMENTÁRIOS

  1. 2100??? Credo!!!! ainda vamos em 2017…. faltam 83 anos…. Já não vou estar cá….. Os mais pequenos que se cuidem!!!

RESPONDER

-

Atirador canadiano abateu militante do Estado Islâmico à maior distância de sempre

Um sniper das forças especiais canadianas no Iraque bateu o recorde de distância ao eliminar um militante do Estado Islâmico a 3 540 metros de distância. O sniper canadiano eliminou o militante do grupo terrorista a …

Impressão de artista que mostra o possível aspeto da jovem e morta galáxia de disco MACS2129-1

Hubble capta disco galáctico "morto" que desafia as teorias da evolução das galáxias

Ao combinar o poder de uma "lente natural" no espaço com a capacidade do Telescópio Espacial Hubble da NASA, um grupo de astrónomos descobriu o primeiro exemplo de uma galáxia em forma de disco, compacta ainda …

-

200 crimes deram 5 penas de prisão perpétua para antigo paramilitar do Ulster

Gary Haggarty, antigo comandante da Força Voluntária do Ulster, admitiu culpa em 200 crimes - incluindo cinco homicídios - e vai cumprir cinco penas de prisão perpétua por isso. Na Irlanda do Norte, um antigo líder …

O estudante norte-americano Otto Warmbier, de 22 anos, detido em 2016 pela Coreia do Norte

Pyongyang nega ter torturado norte-americano que morreu depois de libertado

Pyongyang negou, esta sexta-feira, ter torturado o estudante norte-americano que esteve preso durante mais de um ano na Coreia do Norte e que acabou por morrer depois de ter sido libertado em estado de coma. O …

-

Este ano ardeu 12 vezes mais floresta do que em 2016 (sem contar com Pedrógão Grande)

Os incêndios florestais consumiram até 15 de junho 15.184 hectares, uma área ardida quase 12 vezes superior ao mesmo período de 2016, revelou o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). O relatório provisório …

-

"Quando foi a última vez que um actor matou o presidente?", perguntou Johnny Depp

O actor Johnny Depp está envolvido numa nova polémica, depois de uma declaração que fez no Festival de Glastonbury, no Reino Unido, na quinta-feira à noite. "Quando foi a última vez que um actor matou …

-

Em 2018, empresas públicas têm de ter um terço de mulheres nos cargos de topo

Seis deputados do CDS, entre os quais a líder Assunção Cristas, e os votos do PS e do BE aprovaram, esta sexta-feira, uma lei para tornar mais paritárias a administração pública e empresas públicas e …

-

Comerciantes com prejuízos de 240 mil euros em balões de S. João querem apoios

A Associação de Comerciantes do Porto anunciou que vai pedir à Secretaria de Estado do Comércio uma "compensação" para os comerciantes que comprovem que compraram este ano balões de São João e cujo prejuízo ronda …

Dijsselbloem Nights

Eurodeputados do Sul da Europa organizam as "Dijsselbloem Nights"

Eurodeputados de Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia estão a organizar as "Dijsselbloem Nights", uma espécie de festival cultural de reacção aos comentários do político holandês que preside ao Eurogrupo e que acusou os países …

Um grupo de rapazes usou saia porque os calções eram proibidos

Eles vestiram saias porque não podiam usar calções

Em Inglaterra, um grupo de 30 estudantes vestiu saias para protestar contra as regras de uniforme da escola, que não permitem o uso de calções. Na ISCA Academy, em Exeter, Inglaterra, um grupo de estudantes pediu …