24 mil milhões até 2025 e 100% renovável até 2030. Eis o novo plano estratégico da EDP

José Sena Goulão / Lusa

A EDP apresenta esta quinta-feira o seu novo plano estratégico, comprometendo-se a investir 24 mil milhões de euros até 2025 na transição energética e anunciando o objetivo de até 2030 se tornar 100% verde.

Na nota enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP revela que pretende instalar 4 gigawatts (GW) de capacidade renovável a cada ano até 2025, duplicando a capacidade eólica e solar.

De acordo com o jornal Expresso, no mesmo período, a empresa também abandonará totalmente a produção a carvão. Depois de ter fechado a central de Sines, irá agora abandonar a produção a carvão que ainda tem em Espanha.

Além disso, o grupo pretende ter uma geração de eletricidade 100% renovável até 2030, para alcançar a neutralidade carbónica.

O investimento anual subirá dos 2,9 mil milhões de euros do plano 2019-2022 para 4,8 mil milhões de euros por ano no novo plano 2021-2025.

Dos investimentos previstos em expansão nos próximos quatro anos a EDP estima que 80% serão em renováveis, 15% em redes e 5% em soluções para clientes e gestão de energia.

Ainda de acordo com o semanário, 40% do investimento será canalizado para a América do Norte, 40% para os mercados europeus, 15% para o Brasil e América Latina e 5% para outras regiões.

A EDP indica ainda que 45% dos investimentos até 2025 já estão assegurados por via de projetos em desenvolvimento, 15% estão a ser negociados e deverão ficar garantidos a curto prazo e os restantes 40% serão projetos por desenvolver.

Um crescimento dos lucros do grupo é também apresentado, com o objetivo de alcançar novamente os mil milhões de euros de resultado líquido em 2023 e 1,2 mil milhões de euros em 2025.

Dentro de quatro anos mais de 95% do EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) deverá vir das áreas da transição energética, ou seja, tudo o que não é produção termoelétrica (a carvão e gás).

A empresa mantém um compromisso de distribuir aos acionistas um dividendo mínimo de 19 cêntimos por ação, entregando aos acionistas 75% a 85% dos lucros anuais, mas com a expectativa de conseguir criar condições para vir a aumentar essa remuneração.

18ME para encerramento da central de Sines

Além disso, na quarta-feira, a EDP revelou que os custos com o encerramento da central a carvão de Sines atingiram os 18 milhões de euros, de acordo com um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Na nota, em que deu conta dos resultados de 2020, a elétrica indicou que “antes da cessação de operações no final de dezembro de 2020, a central a carvão de Sines aumentou a produção no 2S20 [segundo semestre de 2020] para queimar o carvão remanescente” e que, por isso, “Sines representou 3% da produção total da EDP e 2% das receitas da EDP em 2020”.

Já a “restante produção de energia a carvão representou 6% da produção em 2020 (vs. 10% em 2019) e 3% das receitas do grupo EDP em 2020 (vs. 6% em 2019)”, lê-se na mesma nota.

Os trabalhos de descomissionamento de Sines tiveram início em 15 de janeiro de 2021, mas o processo pode demorar cinco anos.

Em atividade desde 1985, a central a carvão da EDP, no distrito de Setúbal, contava com 107 trabalhadores diretos, aos quais foi proposto “um conjunto de diferentes opções”, desde, por exemplo, “a passagem a reforma ou pré-reforma ou o acesso a oportunidades de mobilidade dentro do grupo EDP”, adiantou fonte oficial da empresa, em janeiro.

“A EDP iniciou contactos em setembro do ano passado, como planeado após o anúncio do fecho da central, para avaliarem em conjunto as diferentes opções. Esse processo […] tem decorrido com total colaboração e dentro dos prazos previstos”, referiu, adiantando que “em todos os casos, a principal prioridade tem sido a de garantir que os compromissos da empresa com os seus 107 trabalhadores são integralmente cumpridos e no melhor interesse de ambas as partes”.

Em relação ao futuro das infraestruturas, a EDP adiantou que “continua em estudo a possibilidade de desenvolver projetos que possam aproveitar parte das infraestruturas existentes naquela localização”.

“O projeto para produção de hidrogénio verde é uma dessas possibilidades, mas está ainda numa fase de estudo com vários parceiros. O projeto H2Sines, como é público, nasceu neste contexto como uma parceria que integra várias empresas – entre as quais a EDP, a REN, a Galp, a Martifer, a Vestas e a Engie – para avaliar a viabilidade da criação de uma cadeia de valor do hidrogénio verde em Portugal destinado ao consumo nacional e à exportação para o norte da Europa”, acrescentou.

A EDP obteve, no ano passado, lucros atribuíveis aos acionistas de 801 milhões de euros, um crescimento de 56% em termos homólogos, adiantou esta quarta-feira a empresa em comunicado à CMVM.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …