Washington a um passo de legalizar a compostagem humana

Washington está a um passo de se tornar o primeiro estado norte-americano a colocar em vigor a lei de compostagem humana, que permitirá transformar cadáveres em lixo orgânico em apenas algumas semanas.

O projeto de lei em causa, que permite a “redução orgânica natural” e visa ser uma alternativa “mais amiga do ambiente” relativamente aos enterros comuns, deverá em breve ser aprovada pelo governado democrata Jay Inslee, informa o USA Today.

Inslee, que apostou no ambiente e nas mudanças climáticas como uma das suas bandeiras eleitorais para a corrida à Presidência norte-americana de 2020, está agora a rever o projeto. Um porta-voz do seu gabinete adiantou que o processo de decomposição em causa “parece ser um esforço cuidadoso para reduzir a pegada” ecológica no planeta.

Tal como explicou o senador democrata Jamie Pedersen, que apoia também o projeto, o processo de redução orgânica natura permitirá ocupar menos espaço e poderá mesmo reduzir as emissões de carbono emitidas durante os processos de cremação.

De acordo com o governante, a compostagem humana deverá gerar, em média, 0,76 metros cúbicos de terra, equivalente a dois carrinhos de compostagem.

Se a lei for aprovada, os familiares poderão manter a terra resultante da compostagem num urna, plantar um árvore numa propriedade privada ou espalhá-la em terrenos público. Pedersen esclareceu ainda que as leias aplicáveis às cinzas das cremações seriam também válidas para a terra da compostagem humana.

“É espantoso que tenhamos esta experiência humana completamente universal – todos nós vamos morrer – e aqui está uma área em que a tecnologia nada fez por nós. Temos os dois meios de dispor corpos humanos que tínhamos já há milhares de anos –  enterrar e queimar”, completou Pedersen. O senador revelou ainda que se inspirou no processo utilizado pelos agricultores para se desfazem dos animais mortos.

Compostagem humana pode ser mais em conta

A recompose, empresa norte-americana que oferece serviços de redução orgânica natural, cobraria 5.500 dólares por corpo (cerca de 4.900 euros), menos 7.360 dólares (6.500 euros) do que o valor estimando para um funeral convencional nos Estados Unidos. Os números são da American Funeral Directors Association (NFDA), publicado em 2017.

De acordo com a NFDA, Washington é o estado norte-americao onde mais se fazem cremações. 78% dos mortos em 2017 foram cremados.

A diretora da Recompose, Katrina Spade, explicou, citada pelo USA Today, que pretende oferecer uma alternativa significativa e sustentável às famílias. “O nossos objetivo é fornecer algo que seja o mais alinhado possível com o ciclo natural da vida”. Segundo Spade, este procedimento “não ocupará tanta terra como um enterro”.

Caso Inslee assine a lei, esta entrará em vigor em maio de 2020.

A compostagem é o processo pelo qual materiais orgânicos são decompostos e transformados em fertilizantes para o solo. Nada impede a utilização de cadáveres neste processo, mas, enterrar restos humanos num jardim, por exemplo, é um princípio ilegal, uma vez que só pode ser lugar de sepultura aquilo que é oficialmente designado como tal.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Mãe, o gato está a fazer cócó no avô… Acho boa ideia transformar os cemitérios em jardins onde se passem momentos felizes a recordar os falecidos, e o que estes contribuíram para a nossa felicidade. Atualmente um cemitério é um mar de pedra onde se compram e vendem propriedades, sem nenhuma felicidade associada.

RESPONDER

Portugal tem o segundo melhor ataque do Euro. E a terceira pior defesa

Fechada a segunda jornada da fase de Grupos do Euro 2020, a seleção nacional tem o segundo melhor ataque da prova, com 5 golos marcados, atrás apenas da Itália. Mas tem também a terceira pior …

Espanha 1-1 Itália | Hino ao desperdício trama La Roja

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, empatou hoje a um golo com a Espanha, em Sevilha, em encontro da segunda jornada do Grupo E do Euro2020, mantendo-se ambas sem vitórias. A formação espanhola, que …

Já pode ajudar a NASA a batizar o manequim que vai até à Lua

A agência espacial norte-americana está a pedir ajuda para batizar o "Moonikin", o manequim que vai a bordo da nave Orion, durante a missão lunar Artemis I, ainda este ano. Quando a nave espacial Orion, da …

Portugal em Europeus: as últimas três derrotas foram (todas) contra a Alemanha

Em 90 minutos, Portugal não era derrotado numa fase final de um Europeu desde a estreia no Europeu 2012. Recorde as seleções que bateram Portugal, até agora. "Já não posso ver os franceses à frente". Esta …

Spotify lança Greenroom (e abre concorrência ao Clubhouse)

O Spotify lançou na quarta-feira, dia 16 de junho, uma app de conversas por áudio em direto chamada Greenroom, uma resposta do gigante sueco de streaming de música à popular plataforma Clubhouse. O Greenroom permite que …

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …

Pandemia mostrou “falta de proteção das mulheres”

A pandemia de covid-19 mostrou “a vulnerabilidade e a falta de proteção das mulheres e quão pouco as sociedades se preocupam realmente em proteger elementos-chave em matéria de segurança”, considera Edit Schlaffer, diretora-executiva da Women …