Votos postais dos portugueses no Reino Unido estão a ser devolvidos aos remetentes

Os correios britânicos estão a investigar “com urgência” a razão pela qual os envelopes com os votos postais dos portugueses residentes no país estão a ser devolvidos aos remetentes, informou hoje uma fonte oficial à Lusa.

Um porta-voz do Royal Mail confirmou a existência de “alguns casos” em que os envelopes que contêm o voto postal para os cidadãos portugueses que vivem no Reino Unido não estão a ser reconhecidos pelos sistemas de processamento da empresa.

Estamos a investigar com urgência por é que isto está a acontecer”, adiantou a mesma fonte, acrescentando estar a trabalhar com os CTT – Correios de Portugal para resolver o problema.

Vários representantes da comunidade portuguesa alertaram na quinta-feira, em declarações à Lusa, para dezenas de casos de eleitores residentes no Reino Unido que receberam de volta os envelopes com os boletins de voto para as eleições legislativas de 6 de outubro, que tinham colocado no correio dias antes.

Segundo Pedro Xavier, proprietário de um escritório de serviços de apoio à comunidade, e presidente da secção do PSD no Reino Unido, disse que até quinta-feira de manhã já tinha tido conhecimento de 127 casos.

O conselheiro das comunidades portuguesas António Cunha, e um dos diretores do Centro Comunitário Português, Artur Domingos, corroboraram a ocorrência, tendo identificado “dezenas de casos”, muitos dos quais comentados também nas redes sociais.

As autoridades portuguesas confirmaram a existência de “casos pontuais” de devoluções, as quais atribuíram a um erro de processamento dos correios britânicos, mas garantiram que a situação “já foi ultrapassada”.

“Com efeito verificou-se que em alguns postos de correio do Reino Unido não estava a ser reconhecido o porte pago, sendo as cartas endereçadas à Administração Eleitoral devolvidas ao eleitor”, adiantou a Administração Eleitoral da Secretaria Geral da Administração Interna (AESGAI), em informações prestadas à Lusa.

A mesma entidade adiantou que a situação foi “já ultrapassada na sequência da intervenção dos CTT e do Ministério dos Negócios Estrangeiros junto da empresa de correios do Reino Unido ‘Royal Mail'”.

A AESGAI garante que o formato do envelope de resposta respeita as normas internacionais dos correios e que a indicação do porte pago em língua francesa “cumpre as indicações internacionais, sendo esta a língua utilizada comum e universal a todas as empresas de correios”.

Nesse sentido, indicou que tem estado a receber sobrescritos com votos provenientes do Reino Unido. Os boletins de voto por correspondência começaram a chegar aos eleitores no Reino Unido na semana passada e as devoluções registadas no início desta semana.

Pedro Xavier disse temer que este problema resulte em casos de abstenção, pois muitas pessoas “não estão para se chatear” e estarão a mandar os envelopes devolvidos “para o lixo”, receios partilhados por Artur Domingos.

Esta é a primeira vez em que foi dada aos emigrantes portugueses a opção entre o voto por correspondência e o voto presencial, sendo que, dos 1.466.750 eleitores registados, apenas 2.242 (0,15%) escolheram votar diretamente nas urnas, normalmente situadas nos consulados.

No ano passado também foi aprovado o recenseamento automático dos portugueses residentes no estrangeiro, que permitiu alargar o número de eleitores de cerca de 300 mil para 1,4 milhões. Nas anteriores legislativas de 2015, o universo eleitoral era de 242.852 inscritos e votaram 28.354 eleitores (11,68%).

“De facto achei o envelope que recebi um pouco estranho, até tive que o colar com saliva porque nem tinha cola, mas já enviei o meu voto e até agora não me foi devolvido”, contou ao ZAP uma portuguesa residente no Reino Unido.

“Pena é que os esforços que foram feitos para implementar o voto electrónico tenham sido apagados da memória do país”, lamenta a eleitora.

Foram realizadas em Portugal quatro experiências não vinculativas de voto electrónico, em 1997, 2001, 2004 e 2005. E experiência realizada em 2004 contemplou exclusivamente o voto electrónico presencial e foi realizada nas Eleições para o Parlamento Europeu de 2004.

Em 2005, em eleições para a Assembleia da República, foram realizadas experiências de voto electrónico presencial e não presencial, para eleitores portugueses residentes no estrangeiro, que puderam votar através da Internet.

Segundo a CNE, as experiências de voto electrónico presencial apresentaram níveis bastante significativos de adesão dos eleitores, particularmente por parte dos cidadãos eleitores invisuais que, com a implementação desta solução, passariam a votar por si e não, como fazem actualmente, acompanhados por outro eleitor.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …

Adolfo Mesquita Nunes não será candidato à liderança do CDS

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não será candidato à liderança do CDS. A garantia foi deixada pelo próprio, na sua página pessoal de Facebook, depois de ter sido desafiado por António Pires de …

Afastado desde a noite eleitoral, Rui Rio volta para lançar suspeitas sobre a RTP

Afastado dos holofotes desde a noite eleitoral e sem dizer se se vai recandidatar à liderança do PSD, Rui Rio recorreu ao Twitter para comentar as suas suspeitas sobre a RTP. O líder social-democrata recorreu às …

Iniciativa Liberal vai votar contra programa de Costa

O deputado eleito do Iniciativa Liberal vai votar contra o Programa de Governo, e revela que as suas primeiras propostas serão de desagravamento fiscal perante um Parlamento onde se quer sentar ao meio, "o mais …