Votos postais dos portugueses no Reino Unido estão a ser devolvidos aos remetentes

Os correios britânicos estão a investigar “com urgência” a razão pela qual os envelopes com os votos postais dos portugueses residentes no país estão a ser devolvidos aos remetentes, informou hoje uma fonte oficial à Lusa.

Um porta-voz do Royal Mail confirmou a existência de “alguns casos” em que os envelopes que contêm o voto postal para os cidadãos portugueses que vivem no Reino Unido não estão a ser reconhecidos pelos sistemas de processamento da empresa.

Estamos a investigar com urgência por é que isto está a acontecer”, adiantou a mesma fonte, acrescentando estar a trabalhar com os CTT – Correios de Portugal para resolver o problema.

Vários representantes da comunidade portuguesa alertaram na quinta-feira, em declarações à Lusa, para dezenas de casos de eleitores residentes no Reino Unido que receberam de volta os envelopes com os boletins de voto para as eleições legislativas de 6 de outubro, que tinham colocado no correio dias antes.

Segundo Pedro Xavier, proprietário de um escritório de serviços de apoio à comunidade, e presidente da secção do PSD no Reino Unido, disse que até quinta-feira de manhã já tinha tido conhecimento de 127 casos.

O conselheiro das comunidades portuguesas António Cunha, e um dos diretores do Centro Comunitário Português, Artur Domingos, corroboraram a ocorrência, tendo identificado “dezenas de casos”, muitos dos quais comentados também nas redes sociais.

As autoridades portuguesas confirmaram a existência de “casos pontuais” de devoluções, as quais atribuíram a um erro de processamento dos correios britânicos, mas garantiram que a situação “já foi ultrapassada”.

“Com efeito verificou-se que em alguns postos de correio do Reino Unido não estava a ser reconhecido o porte pago, sendo as cartas endereçadas à Administração Eleitoral devolvidas ao eleitor”, adiantou a Administração Eleitoral da Secretaria Geral da Administração Interna (AESGAI), em informações prestadas à Lusa.

A mesma entidade adiantou que a situação foi “já ultrapassada na sequência da intervenção dos CTT e do Ministério dos Negócios Estrangeiros junto da empresa de correios do Reino Unido ‘Royal Mail'”.

A AESGAI garante que o formato do envelope de resposta respeita as normas internacionais dos correios e que a indicação do porte pago em língua francesa “cumpre as indicações internacionais, sendo esta a língua utilizada comum e universal a todas as empresas de correios”.

Nesse sentido, indicou que tem estado a receber sobrescritos com votos provenientes do Reino Unido. Os boletins de voto por correspondência começaram a chegar aos eleitores no Reino Unido na semana passada e as devoluções registadas no início desta semana.

Pedro Xavier disse temer que este problema resulte em casos de abstenção, pois muitas pessoas “não estão para se chatear” e estarão a mandar os envelopes devolvidos “para o lixo”, receios partilhados por Artur Domingos.

Esta é a primeira vez em que foi dada aos emigrantes portugueses a opção entre o voto por correspondência e o voto presencial, sendo que, dos 1.466.750 eleitores registados, apenas 2.242 (0,15%) escolheram votar diretamente nas urnas, normalmente situadas nos consulados.

No ano passado também foi aprovado o recenseamento automático dos portugueses residentes no estrangeiro, que permitiu alargar o número de eleitores de cerca de 300 mil para 1,4 milhões. Nas anteriores legislativas de 2015, o universo eleitoral era de 242.852 inscritos e votaram 28.354 eleitores (11,68%).

“De facto achei o envelope que recebi um pouco estranho, até tive que o colar com saliva porque nem tinha cola, mas já enviei o meu voto e até agora não me foi devolvido”, contou ao ZAP uma portuguesa residente no Reino Unido.

“Pena é que os esforços que foram feitos para implementar o voto electrónico tenham sido apagados da memória do país”, lamenta a eleitora.

Foram realizadas em Portugal quatro experiências não vinculativas de voto electrónico, em 1997, 2001, 2004 e 2005. E experiência realizada em 2004 contemplou exclusivamente o voto electrónico presencial e foi realizada nas Eleições para o Parlamento Europeu de 2004.

Em 2005, em eleições para a Assembleia da República, foram realizadas experiências de voto electrónico presencial e não presencial, para eleitores portugueses residentes no estrangeiro, que puderam votar através da Internet.

Segundo a CNE, as experiências de voto electrónico presencial apresentaram níveis bastante significativos de adesão dos eleitores, particularmente por parte dos cidadãos eleitores invisuais que, com a implementação desta solução, passariam a votar por si e não, como fazem actualmente, acompanhados por outro eleitor.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Este casaco foi desenhado para nos ajudar a dormir em qualquer lado

A britânica Vollebak lançou um casaco, inspirado nos astronautas, que facilita a ideia de poder dormir, literalmente, em qualquer lado. A pensar em todas aquelas pessoas que gostam de fazer uma sesta ou outra, independentemente do …

DJ Juice WRLD morre aos 21 anos

A estrela do hip-hop norte-americano Juice WRLD faleceu este domingo (8), depois de sofrer convulsões no Aeroporto de Midway, em Chicago, avança o TMZ. O rapper tinha feito 21 anos a 2 de dezembro. De acordo …

"A Favorita" arrebata prémios do cinema europeu

O filme "A Favorita", do realizador grego Yorgos Lanthimos, arrecadou oito prémios da Academia de Cinema Europeu, numa cerimónia realizada em Berlim. "A Favorita" conquistou, entre outros, os prémios de Melhor Filme Europeu, Melhor Comédia, Realização …

Belenenses 1-1 Porto | "Dragão" escorrega e deixa fugir líder

O FC Porto não foi além de um empate na visita ao Jamor, ante o Belenenses. André Santos abriu as “hostilidades” e Alex Telles, na marcação de uma grande penalidade, fixou o resultado final. Com esta …

Caligrafia desleixada de Isabel I denuncia-a como a tradutora anónima de um livro romano

A rainha Isabel I de Inglaterra foi identificada como a tradutora anónima do livro "Anais" de Tácito. As idiossincrasias da sua caligrafia acabaram por ser fundamentais para a descoberta. Na análise a uma tradução de século …

Hashtags políticas como #MeToo tornam as pessoas menos propensas a acreditar em notícias

Tendem a passarem despercebidas, mas as hashtags são mais importantes do que julgamos. A questão que se impõe é: serão benéficas para a saúde democrática da Internet? Uma hashtag (#) é uma marca funcional, amplamente usada …

Sporting 1-0 Moreirense | "Leão" resolve à cabeçada

O Sporting regressou às vitórias na Liga NOS, embora não sem sentir algumas dificuldades, em especial no ataque. Os "leões" bateram o Moreirense por 1-0, numa partida em que remataram muito (28, máximo na Liga até …

Orçamento do Estado. "Sentido de voto do BE está completamente em aberto"

A coordenadora do BE afirmou, este domingo, que o sentido de voto do partido sobre o Orçamento do Estado para 2020 está "completamente em aberto", desejando que o Governo socialista atenda às reivindicações bloquistas. "Fizemos uma …

João Cotrim Figueiredo eleito presidente da Iniciativa Liberal com 96% dos votos

João Cotrim Figueiredo foi eleito, este domingo, presidente da Comissão Executiva da Iniciativa Liberal, uma candidatura única que recolheu 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido. A III Convenção Nacional do partido decorre hoje …

Inteligência artificial decifra manuscrito que pode mudar história da Austrália

A Terra Australis Incognita, hoje conhecida como Austrália, foi descrita por um jesuíta espanhol quase cem anos antes da descoberta em 1770 pelo marinheiro britânico James Cook, segundo um manuscrito decifrado através de inteligência artificial. A …