Violência contra as mulheres é “uma pandemia”, alerta ONU

José Coelho / Lusa

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram ativistas.

Esta semana celebrou-se a 10.º aniversário desde que os primeiros 13 países assinaram a convenção, vista como um ponto de viragem nos esforços para enfrentar a violência contra as mulheres. Contudo, apesar de 46 estados terem assinado o tratado, existe uma pandemia de violência contra as mulheres, exacerbada e exposta pela covid-19, alertou Dubravka Šimonović, enviada especial da Organização das Nações Unidas (ONU).

“A pandemia de covid-19 revelou o que estava a acontecer antes”, disse Dubravka Šimonović, sublinhando que em todo o mundo houve um grande aumento nos contactos para as linhas de ajuda, relatos de mulheres desaparecidas ou mortas e escassez de abrigos seguros para as vítimas.

E frisou: “Existe uma pandemia de violência contra as mulheres, que não foi tratada de forma adequada num grande número de países”.

Em março, a Turquia, o berço da convenção, anunciou que se retiraria do tratado – visto como a primeira estrutura internacional juridicamente vinculativa para prevenir a violência doméstica, proteger as sobreviventes e promover a igualdade – a partir de julho.

Este foi o culminar da escalada antifeminista e anti-LGBTQ+ dos políticos turcos, incluindo o Presidente Recep Tayyip Erdogan. O chefe de Estado já declarou pública e repetidamente que não acredita na igualdade entre homens e mulheres.

JSM / APAV

“Perdemos uma rede de segurança”, disse Elif Ege, da organização Mor Çati, em Istambul. “A convenção de Istambul não foi implementada adequadamente ao longo dos anos, mas isso não significa que foi completamente ineficaz; foi uma ferramenta significativa nas organizações feministas”.

Na Ucrânia, tem havido forte oposição à assinatura e ratificação da convenção por parte de grupos religiosos, que a consideram uma ameaça aos “valores familiares”. A organização ucraniana Women’s Perspectives informou que tem recebido o dobro de pedidos de ajuda e que as mulheres enfrentam barreiras crescentes para ter acesso à justiça.

Miroslava Bobáková, codiretora do Fundo Eslovaco-Checo para Mulheres, disse que na Eslováquia – que também assinou o tratado – a convenção é vista cada vez mais como “a essência do mal”. A situação no país é especialmente terrível para as mães solteiras, para as mulheres que vivem na pobreza e para a comunidade cigana.

No México, 10 mulheres são mortas com base no género todos os dias. No Peru, entre março e julho de 2020, houve 11 mil casos de violência contra as mulheres, de acordo com o Ministério da Mulher, em que quase 30% dos agredidas tinham menos de 18 anos.

No Egito, que não assinou a convenção, aumentam as tentativas de silenciar ativistas feministas, por violarem os “valores familiares”. “Não ter uma esfera pública para discutir as coisas traz violência”, apontou Mozn Hassan, da organização Nazra. Tanto a responsável quanto como a organização enfrentam repetidos assédios por parte do estado.

Apesar de tudo, os ativistas defendem que a convenção de Istambul continua a ser uma arma poderosa na luta para acabar com a violência de género. “Apesar das desvantagens, vemos melhorias. Mesmo antes da ratificação, os 34 estados que assinaram [a convenção] implementaram novas leis para proteger as mulheres”, disse Šimonović.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

PSD quer aumentar penas para corrupção por políticos em funções e evitar megaprocessos

O PSD quer agravar as penas de prisão para crimes de corrupção, sobretudo quando cometidas por políticos, mas admite a dispensa ou atenuação da pena em caso de colaboração, e apresenta propostas para evitar os …

Petição por manuais gratuitos para todos os alunos entregue esta segunda-feira no Parlamento

Uma petição pública pelo alargamento da gratuitidade dos manuais escolares a todos os alunos do ensino obrigatório, passando a incluir o setor privado, é entregue esta segunda-feira no parlamento para ser discutida em plenário. Dezenas de …

PAN e o Livre juntam-se ao PS em coligação inédita à Câmara de Cascais

Numa aposta inédita, o PAN e o Livre juntaram-se à candidatura de Alexandre Faria, presidente do Estoril Praia e candidato do PS à Câmara de Cascais, para tentar recuperar uma autarquia liderada pelo PSD/CDS há …

Reino Unido adia desconfinamento por um mês

Esta segunda-feira, em conferência de imprensa, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson anunciou que o desconfinamento no Reino Unido vai ser adiado de 21 de junho para 21 de julho. No Reino Unido, o desconfinamento vai ser …

Costa responde a Marcelo: "Ninguém pode garantir" que não voltamos atrás

Esta segunda-feira, António Costa disse que "ninguém" pode assegurar que não vai ser preciso voltar atrás no desconfinamento. Nem mesmo o Presidente da República. Questionado pelos jornalistas sobre a convicção de Marcelo Rebelo de Sousa sobre …

Costa falou com Pedro Nuno Santos e Ana Catarina Mendes para evitar escalada de tensão no PS

O congresso dos socialistas está agendado para 10 e 11 de julho e António Costa quer evitar uma discussão sobre a sua sucessão. A estratégia passa por acalmar o clima entre o ministro Pedro Nuno …

Face Oculta. Sobrinho de Manuel Godinho entregou-se às autoridades para cumprir pena de prisão

O sobrinho do sucateiro Manuel Godinho deu entrada no Estabelecimento Prisional do Porto para cumprir a pena de quatro anos e cinco meses de prisão a que foi condenado no âmbito do processo Face Oculta, …

Fundos internacionais lesados do BES ameaçam boicotar recuperação europeia

Um grupo de investidores institucionais internacionais coordenado pelo fundo Attestor Capital, lesados em 2000 milhões de euros no caso BES, quer que a Comissão Europeia resolva o caso, sob pena de não financiarem a recuperação …

Candidato do PS a Viseu internado nos cuidados intensivos

João Azevedo, o candidato que vai encabeçar a lista do PS à Câmara de Viseu, está internado nos cuidados intensivos do Centro Hospitalar Tondela-Viseu. João Azevedo está internado nos cuidados intensivos do Centro Hospitalar Tondela-Viseu. O …

Comunidade ucraniana pondera queixa-crime contra Câmara de Lisboa

No final da semana passada, a Associação dos Ucranianos em Portugal enviou um email ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, a exigir que a autarquia lhe dê garantias de que os dados …