Venezuelanas luso-descendentes manifestam-se nas ruas “contra a opressão”

Miguel Gutierrez /EPA

A líder oposicionista venezuelana Maria Corina Machado durante um protesto em Caracas

A líder oposicionista venezuelana Maria Corina Machado durante um protesto em Caracas

Dezenas de mulheres lusodescendentes saíram sábado às ruas de Caracas para “ajudar” as venezuelanas na luta contra a “opressão”, para pedir eleições, que sejam libertados os presos políticos, que cesse a repressão policial e contra a Assembleia Constituinte.

“Não podia ficar em casa. Ninguém pode ficar indiferente quando se destrói um país e quando pretendem submeter-nos a uma ditadura. Nós, as luso-descendentes também somos deste país e mesmo quem é apenas português, tem que ser solidário com um povo que nos acolheu e que luta pela sua democracia”, explicou uma lusodescendente à Lusa.

Reyna Martins, estudante universitária, 25 anos, saiu de casa vestida de branco, com um boné com as cores (amarelo, azul e vermelho) e as estrelas brancas da bandeira da Venezuela. Residente em Las Palmas (centro-leste) foi até à Praça Brión de Chacaíto (leste), “mesmo com as estações do metropolitano encerradas”.

Já basta de oprimir um povo, queremos que cesse a repressão policial aos manifestantes opositores. Tenho companheiras que queriam estar aqui mas ficam em silêncio porque os familiares são funcionários públicos, estão ameaçados e ser despedido dificultaria ainda mais a vida, num país em crise, em todos os aspetos, não só no económico, também no social, no político e no jurídico”, disse.

Também Teresa Ferreira, 40 anos, doméstica, casada e mãe de dois meninos, saiu a marchar porque “é preciso que todos juntos lutemos por um melhor país”.

O comunismo, o marxismo, fracassou até na China que diz ser comunista, mas economicamente é capitalista. Em todo o lado, em todas as experiências políticas, levou à opressão de povos e a que uns grupos tivessem controlo sobre os outros e a limitações de direitos e liberdades”, disse.

Explicou que sendo luso-descendente, com família venezuelana, não vê o regresso a Portugal como uma possibilidade porque “não é lógico abandonar os familiares e aquilo que com tanto esforço conseguiram”.

“A alternativa é que todos junto lutemos por um melhor país, por reconstruir o que a revolução tem destruído e para que, no futuro, apesar das ideologias, os venezuelanos se reencontrem e que sejamos um povo alegre, tolerante e aberto como éramos”, disse.

Teresa Ferreira frisou ainda que, como mãe, tem também que pensar nos filhos, que espera que “nunca tenham que emigrar por situações dramáticas” como uma “guerra civil”.

Milhares de mulheres concentraram-se este sábado na Praça Brión de Chacaíto, para marchar contra a repressão.

Vestidas de branco, cantando e gritando palavras de ordem contra a “ditadura”, as mulheres pretendiam marchar até ao Ministério do Interior e Justiça (centro de Caracas), mas foram impedidas por barreiras metálicas e humanas da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar) e da Polícia Nacional Bolivariana.

Perante as barreiras, as mulheres decidiram “tomar” a autoestrada Francisco Fajardo e uma estrada paralela, mas alguns quilómetros mais à frente eram esperadas pela GNB. Algumas delas optaram por sentar-se no chão a cantar e a dizer palavras de ordem, pedindo liberdade dos presos, eleições e o fim da repressão.

Um grupo de deputadas conseguiu falar com a vice-ministra do Interior e Justiça, Resaura Navas, que se encontrava detrás de uma barreira metálica da PNB, à altura do Centro Comercial El Recreo.

A vice-ministra ouviu das deputadas que as mulheres, que decidiram permanecer na autoestrada até que lhes seja concedida uma reunião com o ministro do Interior e Justiça, o major general Néstor Reverol.

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. “…mulheres luso-descendentes …para “ajudar” as venezuelanas…” !!!???
    Desde quando é que “luso-descendentes” é uma nacionalidade?
    São – apenas – venezuelanas a sair à rua lutando contra a opressão!

RESPONDER

Nuno Freitas demite-se da presidência da CP

Nuno Freitas irá deixar o cargo de presidente da CP a 1 de outubro, sexta-feira. O engenheiro, que terminava o mandato dentro de três meses, pediu à tutela para sair mais cedo da empresa por …

Operação Marquês. MP entrega recurso, mas Sócrates diz que o prazo "excepcionalérrimo" já acabou

O prazo para o MP avançar com o recurso acabou no dia 23, mas os procuradores entregaram os documentos esta terça-feira, nos três dias úteis adicionais que geralmente são concedidos. No entanto, a defesa de …

Chegou ao fim a "missão espinhosa coroada de sucesso" da task force

A task force responsável pelo plano de vacinação contra a covid-19 confirmou, esta terça-feira, o fim da missão no contexto da pandemia e a transição para um núcleo de coordenação. Tal como tinha sido avançado pelo …

Pizzi nunca jogou tão pouco como esta época

Nunca Pizzi jogou tão pouco como esta temporada ao serviço do SL Benfica. O médio era uma das peças mais importantes do plantel, mas tem vindo a perder relevância. "Ele não tem entrado tanto de início, …

Marcelo recusa crises políticas e defende discussão de reforma do Estado até às legislativas de 2023

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu esta segunda-feira que o país deve manter-se livre de crises políticas até 2023, mas considera difícil deixar de se fazer uma discussão sobre a reforma do …

Arqueólogos encontram o primeiro geoglifo do mundo em forma de touro

Um geoglifo em forma de touro foi encontrado num sítio arqueológico localizado no sul da Sibéria, informou o Instituto de História e Cultura Material da Academia de Ciências da Rússia. Apesar do touro ser um símbolo …

"O BE teve um mau resultado." Catarina Martins assume derrota, mas deixa aviso a Moedas

No day after, e já com a notícia consolidada da vitória de Carlos Moedas em Lisboa, Catarina Martins não hesitou em assumir a derrota do Bloco de Esquerda. Lisboa era a Câmara mais relevante para o …

Voto útil pode explicar vitória de Moedas (que precisa da esquerda para governar Lisboa)

Carlos Moedas está forçado a fazer acordos para governar a Câmara de Lisboa que tem uma maioria de esquerda de 10 vereadores contra 7 dos partidos à direita. O novo autarca da capital já disse …

É uma práctica comum dos atletas - mas será verdade que os banhos de gelo ajudam os músculos?

Os banhos de gelo trazem benefícios para atletas que treinem a resistência, mas podem ser prejudiciais para quem se dedica a treinar a força. É uma práctica recorrente entre os atletas e até entre pessoas comuns …

Sem maioria absoluta, Moreira começa a fazer contas à vida - mas acordo com a oposição pode estar longe

Rui Moreira voltou a garantir a liderança da autarquia portuense para os próximos quatro anos, mas sem maioria absoluta. Assim, terá de começar a pensar em possíveis acordos. PS e Bloco de Esquerda recusam compromissos. …