Pedro Simas: varíola dos macacos não se compara com COVID-19

3

CV YouTube

Virologista Pedro Simas

O virologista Pedro Simas.

Especialista lembra a vacina da varíola, que “desapareceu” há algumas décadas. Contabilidade mais recente aponta para 143 casos em Portugal.

A varíola dos macacos já chegou a 27 países não endémicos (a maioria europeus), de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

A entidade tinha até este domingo 780 casos registados mas, sublinhou, o risco global não é grave, não há uma crise de saúde pública para já.

Portugal é o terceiro país no mundo com mais casos registados do vírus monkeypox: 143, segundo os registos de sexta-feira passada.

Os números foram apresentados pela Direcção-Geral da Saúde, que admite que a varíola dos macacos já pode ter surgido em Portugal há algumas semanas, de forma “silenciosa”, no mínimo desde o dia 29 de Abril.

O fim da vacinação contra a varíola está, provavelmente, relacionado com esta subida de casos, comentou Pedro Simas, na rádio Renascença.

“O facto de estar a aparecer noutros países e em pessoas mais novas pode ter uma explicação”, disse o especialista.

“Nos anos 1970 e 1980 praticávamos a vacina da varíola e, entretanto, deixámos de vacinar. Isso protegia-nos de variantes de outras espécies. É possível que a população esteja mais desprotegida porque a vacina conferia imunidade para o resto da vida”, acrescentou o violonista.

Pedro tranquiliza as pessoas, ao afirmar que este vírus causa uma infecção benigna e o seu diagnóstico é simples.

E assegura que não há comparação com a COVID-19: “Este vírus não tem a magnitude nem o potencial de um vírus de transmissão respiratória, como o coronavírus, de causar uma pandemia”.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

3 Comments

  1. Este Símio, perdão, Simas, é esperto. E nós aqui a pensar que a varíola dos símios e o Covid-19 eram a mesma coisa. Obrigado Sr. Doutor.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.