Variar as rotas migratórias ajuda as aves a sobreviver às alterações climáticas

pauljill / Flickr

-

As aves com estratégias migratórias mais flexíveis são menos vulneráveis às alterações ambientais

Muitas espécies de aves migratórias estão em perigo de extinção como resultado do impacto da actividade humana, das alterações climáticas e da perda dos seus habitats naturais. Mas algumas espécies são mais vulneráveis a esse efeito do que outras.

Um novo estudo, conduzido por investigadores da UEA – Universidade de East Anglia, de Norwich, no Reino Unido, permitiu concluir que algumas espécies de aves migratórias conseguem adaptar-se ao impacto destas alterações.

O estudo, publicado esta terça-feira na Ecology Letters, mostra que as espécies de aves com rotas migratórias mais variadas e que passam o inverno em destinos mais diversos – como a cegonha, o busardo ou o rouxinol-grande-dos-caniços – têm menor probabilidade de entrar em declínio.

Em contrapartida, as espécies que não dispersam as suas rotas e passam a estação de inverno, invariavelmente, nos mesmos destinos – como a rola ou a felosa assobiadeira – são mais vulneráveis a registar declínios populacionais causados pelo impacto da actividade humana no ambiente.

James Gilroy, investigador da Faculdade de Ciências do Ambiente da UEA e autor principal do estudo, explica que “as aves são conhecidas pelas suas notáveis migrações, a enormes distâncias, por vezes envolvendo autênticas proezas de orientação e resistência“.

“Mas infelizmente”, diz o investigador, em nota enviada à imprensa esta terça-feira, “muitas destas espécies migratórias estão em declínio, e é urgente percebermos o que determina a sua vulnerabilidade à acção do Homem“.

“O objectivo do nosso estudo era perceber que papel teria a diversidade migratória – ou seja, a variabilidade dos hábitos migratórios – na evolução das populações de cada espécie”.

A equipa de investigadores estudou, ao longo das últimas duas décadas, os hábitos migratórios de 340 espécies de aves e a relação desses hábitos com a população dessas espécies na Europa.

“Concluímos que as espécies que se distribuem por áreas mais vastas na época de inverno são mais resilientes, enquanto que as que convergem em rotas mais reduzidas, ocupando territórios mais pequenos, tendem a entrar em decllínio”, revelou Jame Gilroy.

“Estas espécies são mais vulneráveis ao impacto de vectores como a perda de habitat e de território de caça”, acrescentou.

“As espécies que diversificam mais as suas rotas têm uma maior probabilidade de, algures pelo caminho, encontrar refúgio em zonas mais protegidas, com melhor caça, ou melhores condições de vida”, explicou.

@aldinafranco / Twitter

-

Os esforços de conservação da Natureza devem ser focados nas zonas de migração das aves mais vulneráveis, diz a ambientalista Aldina Franco, co-autora do estudo

A equipa descobriu também que as espécies “híbridas”, que incluemtanto indivíduos com hábitos migratórios com outros que optam por se manter na região de acasalamento todo o ano, correm ainda menos risco de declínio do que as espécies cujas populações migram na totalidade.

“O declínio global das populações de aves migratórias tem sido uma preocupação premente da comunidade científica em todo o mundo”, diz a investigadora portuguesa Aldina Franco, co-autora do estudo.

Segundo a ambientalista, também investigadora na Universidade de East Anglia, “o nosso estudo mostra que as aves com estratégias mais flexíveis são menos vulneráveis às alterações ambientais”.

“O nosso estudo pode ajudar as autoridades a encontrar formas de proteger as espécies migratórias com mais vulnerabilidades”, diz a investigadora, mestre em Matemática Aplicada às Ciências Biológicas pelo Instituto Superior de Agronomia, e doutorada na UEA.

“Por exemplo, identificar as zonas de migração das espécies com menor dispersão permite às autoridades focar os esforços de conservação da Natureza nos habitats de inverno destas espécies”, conclui a investigadora.

Na Natureza, disse Darwin, não sobrevivem as espécies mais fortes, mas as que se adaptam melhor.

E as que tiverem uma ajudinha do Homem, para variar.

AJB, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Nem senhoras, nem senhores. Japan Airlines vai abolir expressões de género

A habitual saudação "senhoras e senhores" da companhia aérea japonesa vai ser substituída por saudações neutras relativamente ao género como, por exemplo, "bom dia" e "boa noite". Segundo o jornal The Telegraph, a Japan Airlines vai …

Centeno pediu e Marcelo recebeu o governador do Banco de Portugal

Marcelo Rebelo de Sousa recebeu o governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno, esta segunda-feira à tarde, a pedido deste. O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu esta segunda-feira à tarde, no Palácio …

Vila romena reelege autarca que morreu de covid-19 dez dias antes

Os moradores de Deveselu, na Roménia, decidiram prestar uma última homenagem ao presidente da Câmara, nas eleições locais deste domingo, que morreu devido a complicações provocadas pela covid-19 dez dias antes. De acordo com a agência …

Jogador do Rio Ave recusou jogar

Matheus Reis não quis defrontar o Vitória de Guimarães porque quer sair rapidamente de Vila do Conde. Presidente anunciou suspensão do atleta. O Rio Ave apareceu no duelo com o Vitória de Guimarães (0-0) sem Matheus …

António Joaquim entrega recurso no Supremo no caso do homicídio do triatleta

O advogado de António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, entregou, esta segunda-feira, no Supremo Tribunal de Justiça um recurso sobre essa decisão, defendendo a sua revogação e a …

57% dos portugueses diz que a pandemia dificultou acesso à saúde (e mais de 600 mil perderem consultas)

Mais de metade dos portugueses (cerca de 57%) considera que a pandemia dificultou o seu acesso aos cuidados de saúde, sendo a população mais idosa (69%) e os doentes crónicos (70%) quem mais manifesta esta …

“Negacionista e bem raivosa”. Livro de ex-ministro da Saúde revela reação de Bolsonaro à pandemia

O primeiro ministro da Saúde do mandato de Jair Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, publicou um livro sobre o combate à pandemia no Brasil e revelou que o Presidente teve uma reação “negacionista” e “raivosa”. De acordo …

"É um génio". Futre acredita que João Félix lutará pela Bola de Ouro dentro de pouco tempo

O antigo internacional português e antigo jogador do Atlético de Madrid Paulo Futre acredita que João Felix lutará pela Bola de Ouro dentro de pouco tempo. "É um génio. Cada vez que a bola passa pelos …

Seis novos sauditas indiciados na Turquia pela morte de Khashoggi

Os seis sauditas, indiciados a alguns dias do segundo aniversário do homicídio, não se encontram na Turquia e devem ser julgados à revelia. O procurador de Istambul indiciou, esta segunda-feira, seis novos sauditas suspeitos de …

Expressões neutras e imagens de homens e mulheres. Governo quer militares a usar linguagem inclusiva

O Ministério da Defesa quer que os militares comecem a usar uma linguagem mais inclusiva e menos discriminatória nos documentos e comunicações oficiais, de acordo com uma diretiva enviada Estado-Maior-General das Forças Armadas e aos …