Vacinas contra a covid-19 podem revelar-se ineficazes dentro de um ano

Carlos Ramirez / EPA

Dentro de menos de um ano, as vacinas contra a covid-19 que estão agora a ser administradas pelo mundo fora poderão já não ser eficazes, por isso é urgente que se desenvolvam novos imunizantes para combater outras variantes do novo coronavírus que vão aparecendo.

Esta é a previsão de um terço dos 77 cientistas entrevistados pela People’s Vaccine Alliance, segundo o The Guardian.

A People’s Vaccine Alliance é uma coligação de várias organizações internacionais que fez uma pesquisa com 77 epidemiologistas, virologistas e infeciologistas de 28 países.

Na pesquisa, dois terços destes especialistas concluíram que, para enfrentar a ameaça da covid-19 e as suas variações, terão que ser criadas novas fórmulas para as vacinas porque as que foram agora criadas poderão ser ineficazes dentro de cerca de um ano.

Por outro lado, perto de um terço dos inquiridos, considera que será em menos tempo: num espaço inferior a nove meses.

De acordo com o jornal britânico, 88% dos inquiridos considerou que o facto de haver muitos países onde as taxas de vacinação são ainda baixas faz com que apareçam mutações do vírus mais resistentes às vacinas que agora estão a ser administradas.

“A menos que vacinemos o mundo, deixamos o campo aberto para mais mutações, que podem produzir variantes que podem escapar das nossas vacinas atuais e exigir doses de reforço para lidar com elas”, constatou Gregg Gonsalves, professor de epidemiologia na Universidade de Yale.

Uma pessoa vacinada baixa risco de agregado familiar ficar infetado

Um estudo divulgado na segunda-feira pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) revela que uma vacina contra a covid-19 num determinado agregado familiar pode reduzir em pelo menos 30% o risco de infeção nos restantes membros.

A informação consta de um relatório sobre o risco de transmissão da SARS-CoV-2 por recuperados ou vacinados contra a doença, no qual o ECDC dá conta de um estudo que indica que “a vacinação de um membro do agregado familiar reduz o risco de infeção em membros suscetíveis do agregado familiar em pelo menos 30%”.

Esse estudo destacado pela agência europeia, realizado na Escócia, teve em conta profissionais de saúde e revela também que, como os membros dos agregados familiares destes trabalhadores “poderiam também ter sido infetados por outras vias, a redução do risco de infeção em 30% é provavelmente uma estimativa por baixo e poderia na realidade atingir os 60%”.

“Estas conclusões são consistentes com uma redução substancial do risco de transmissão de indivíduos totalmente vacinados para contactos suscetíveis”, acrescenta o ECDC no relatório.

E numa altura em que a campanha de vacinação na União Europeia (UE) decorre mais lentamente do que o desejado, o centro europeu observa também que “há provas de que a vacinação reduz significativamente a infeção sintomática ou assintomática em indivíduos vacinados, embora a eficácia da vacina varie em função do produto vacinal e do grupo-alvo”.

Além disso, “há também algumas provas de menor carga viral e menor duração da disseminação em indivíduos vacinados, em comparação com indivíduos não vacinados, o que se poderia traduzir numa transmissão reduzida”, acrescenta.

Ainda assim, o ECDC alerta que “muitos dos estudos sobre a eficácia da vacina foram realizados antes do aparecimento das variantes preocupantes” da SARS-CoV-2, nomeadamente a britânica (já dominante nalguns países da UE), da África do Sul e do Brasil, admitindo serem necessárias mais análises.

No que toca à campanha de vacinação europeia, 18,2 milhões adultos dos perto de 400 milhões de cidadãos da UE receberam já a segunda dose da vacina contra a covid-19, levando a que só 4,1% da população europeia esteja completamente imunizada, segundo a informação divulgada pela Comissão Europeia na passada quinta-feira.

Bruxelas atribuiu estes níveis baixos de inoculações aos problemas de entrega das vacinas da AstraZeneca para a UE, exigindo o executivo comunitário que a farmacêutica recupere os atrasos na distribuição e honre o contratualizado.

A meta de Bruxelas é que, até aofinal do verão, 70% da população adulta esteja vacinada.

Os dados divulgados pela instituição na passada quinta-feira revelaram também que foram já administradas 62 milhões de doses de vacinas em relação às 88 milhões distribuídas.

Atualmente, estão aprovadas quatro vacinas na UE: Pfizer/BioNTech, Moderna, AstraZeneca e Janssen (grupo Johnson & Johnson).

Até ao final deste primeiro trimestre, de acordo com Bruxelas, chegarão à UE quase 100 milhões de doses de vacinas, a grande parte da Pfizer/BioNTech (66 milhões, mais do que os 65 milhões inicialmente acordadas), da AstraZeneca (30 milhões de um total de 120 milhões inicialmente acordadas) e da Moderna (10 milhões).

Para o segundo trimestre, a expectativa do executivo comunitário é que cheguem 360 milhões de doses à UE, principalmente da Pfizer/BioNTech (200 milhões), da AstraZeneca (70 milhões de um total de 180 milhões inicialmente acordadas), da Janssen (55 milhões) e da Moderna (35 milhões).

Reinfeções são raras

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) disse ainda que as reinfeções por SARS-CoV-2 são “bastante raras”, dado o nível “muito elevado” de proteção até sete meses após a infeção, mas pediu estudos devido às novas variantes.

A agência europeia precisa que “estudos que acompanharam pessoas durante cinco a sete meses após a recuperação de uma infeção pelo SARS-CoV-2 estimaram que o efeito protetor da infeção anterior é muito elevado durante esse período, entre 81% a 100%”.

Ainda assim, “a proteção contra a reinfeção é menor em indivíduos com 65 anos ou mais”, acrescenta.

O ECDC alerta, porém, que “muitos destes estudos foram realizados antes do aparecimento das variantes preocupantes do SARS-CoV-2”, nomeadamente as que tiveram origem no Reino Unido, no Brasil e na África do Sul.

“À medida que o número de indivíduos que adquirem imunidade natural aumenta, espera-se que o número total de infeções diminua significativamente, levando a uma diminuição geral da transmissão, a menos que as alterações genéticas nas variantes circulantes induzam a uma fuga imunitária significativa”, assinala.

A diretora do ECDC, Andrea Ammon, diz ser “muito encorajador ver que as reinfecções do SARS-CoV-2 são bastante raras”.

“Embora o efeito das novas variantes nos padrões de transmissão deva ser acompanhado de perto, ainda esperamos que o número total de infeções diminua significativamente à medida que a cobertura vacinal aumenta”, adiantou.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. E agora? No começo do 2022 começa outra vez a vacinação nos lares e médicos outra vez. O resto da população que volte para o fim da fila outra vez.

  2. Se for a AstraZeneca, de certeza que continua a fazer efeito, de certeza que causa embolias.
    Acham que a indústria farmacêutica, mesmo que conseguisse, ia fazer vacinas que funcionassem bem?
    O povo ainda não aceitou a realidade, o virús veio para ficar, a limpeza vai continuar e quando chegar a minha vez, chegou!
    Calha a todos, ou alguém pensa que vai viver para sempre?

      • A posição dele parece bem clara, o virus, tal como outros ao longo da historia, vai seguir o seu curso natural, eliminar os mais frágeis na sociedade e aos poucos desaparecer. Na realidade á a natureza a criar o equilíbrio de forma a gerir os recursos, algo que os cientistas tanto se tem queixado que a sociedade não faz.
        Neste momento temos quase 3% menos de população e com a natalidade mais baixa das ultimas décadas e bastante inferior á mortalidade vamos reduzir em 3 anos bastante mais.

        Fica também claro, que ele acha que as farmacêuticas se aproveitaram do momento para criar mais riqueza e dependência, o COVID vai ser a nova vacina da gripe, todos os anos vais ter uma nova que faz exactamente o mesmo efeito que a anterior, mas custa mais caro …

        Já viste bem o descaramento do Ze !!! Atrever-se a pensar pela sua cabeça, ter a audácia de ter uma opinião e para mais o desprezo de apontar o obviou!!!

        Pessoalmente o que acho curioso não é a opinião de alguns cientistas mas sim fazer este alarido todo porque 1/3 dos cientistas acha isto ou aquilo, quando aparentemente 2/3 acha o contrario.
        Mas quando é referente ao uso de mascara, ja se dá ouvidos á maioria e não se aceita opiniões contrarias.
        A opinião pública esta a ser gerida no sentido de criar e manter o pânico ou descobrimos todos agora que idosos são mais suscetíveis de morrer com um virus, antes quando morriam por gripe ou pneumonia, era o PDI e não se dava mais atenção, agora é o COV e retiram-se as liberdades.
        Como a vacina estava a acalmar a situação, a imprensa já dá atenção ás minorias e tenta aumentar o pânico.

        • Mais um que acha que se deve “entregar a alma a Deus” e evitar a ciência porque é a fonte de todo o mal. Entretanto quando chegar à tua vez de ser vacinado vais a correr como uma criança que viu um chupa-chupa.
          Se não fores a tempo… assim que te vires no hospital a morrer vais chorar como uma menininha… nesse dia vais-te lembrar dos disparates que disseste aqui.

          • Não disse que não se deve confiar na ciência, tem la calma.
            Agora confiar cegamente em Farmacêuticas ou governos, … ou em qualquer pessoa ou grupo, isso é outra história.

            Quanto ao vírus, já o apanhei em Abril do ano passado em Barcelona, eu e toda a família e quanto à vacina, tive a possibilidade de receber a primeira dose à 3 semanas na Turquia, não fui porque “literalmente” tinha coisas mais importantes para fazer, não me recuso a tomar-la mas também não vou mudar a minha vida para ir a correr levar a vacina.

            Não pense que toda a gente é medrosa como você, pessoalmente, durante toda esta pandemia continuei a trabalhar e fui sempre onde era preciso, seja nos Estados Unidos, Espanha, México, Turquia e em duas semanas vou para Budapest.

            Um bem haja e desfrute do lay off a 100%, eu prefiro o salário a 100%.

            • Interessante como deturpas o que os outros dizem.
              Tiveste sorte com o vírus… e como eu afirmei foste a correr (a outro país) tomar a vacina… o resto são detalhes que não me interessam.
              Onde raios eu disse que estou em casa sentado?!!!!
              Não me conheces para me chamares medroso, não conheces a minha vida nem o que faço. Por acaso estou na linha de frente e exijo respeito.
              Não é porque te armas em playboy e andas a viajar que és o máximo, pelo contrário… faz de ti portador e espalhador de vírus.

RESPONDER

Evergrande escapa por um triz ao default e garante o pagamento de juros de 71.7 milhões de euros

A gigante imobiliária chinesa conseguiu cumprir com o pagamento dos juros no limiar do fim da extensão do prazo. No entanto, persistem os receios sobre a possibilidade da crise na China contagiar a economia mundial. A …

Pessoas a andar na rua em Viena, Áustria

Em caso de apagão geral, Áustria é o primeiro país europeu a ter um Plano B(lackout)

E se houvesse um apagão que afetasse todo o continente europeu? O cenário é o argumento que o Ministério da Defesa austríaco tem usado para enviar um aviso à população desde o início deste mês. A …

Só um terço das empresas em Portugal têm gestores com um curso superior

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos refere que este valor é negativo para o país já que a formação superior dos gestores está associada à produtividade e há maior probabilidade da empresa começar …

Governo avança com desconto de 10 cêntimos por litro nos combustíveis para as famílias

O Governo vai criar um desconto de dez cêntimos por litro nos combustíveis para todas as famílias, até 50 litros por mês. Uma medida que estará em vigor entre novembro deste ano e março do …

Inês Sousa Real, porta-voz do PAN

PAN já enviou memorando de entendimento ao Governo

O partido Pessoas–Animais–Natureza enviou ao Governo, esta sexta-feira, o memorando de entendimento com cerca de 60 propostas, no âmbito do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). "O PAN fez chegar ao Governo um memorando do qual …

Alterações ao Orçamento de 2021 custaram, afinal, muito mais do que o estimado pelo Governo

Apenas duas das 291 medidas adicionadas representaram um impacto anual de 88 milhões de euros, com o Governo a calcular, durante a especialidade, que a totalidade custaria 3,2 milhões de euros. As alterações feitas ao Orçamento …

Entre a pandemia e os preços da energia, Marcelo alerta que chumbo do OE criaria "mais um problema"

O Presidente da República reiterou, esta sexta-feira, que deseja evitar uma crise política criada por um eventual chumbo do Orçamento de Estado, porque "só juntaria um problema" à pandemia e à subida dos preços dos …

França dá a partir de dezembro "cheque-combustível" de 100 euros

França vai dar a partir de dezembro um “cheque-combustível” único de 100 euros a cerca de 36 milhões de condutores que ganham menos de 2.000 euros por mês devido à escalada dos preços do gasóleo …

Parlamento aprova extinção do SEF

A extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foi aprovada na Assembleia da República, esta sexta-feira, com os votos a favor do PS, BE e da deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira. O texto final apresentado …

Mais oito mortes e 930 novos casos de covid-19. Incidência sobe

Portugal registou, esta sexta-feira, mais oito mortes e 930 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 930 novos …