Ursos polares famintos estão a comer baleias (e isso ajuda-os a sobreviver ao aquecimento)

Victor Nikiforov / WWF Rússia

Há mais de um ano, ursos polares reuniram-se num ilha ao largo da costa norte da Sibéria para devorar uma baleia morta. Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter sobrevivido ao aumento das temperaturas como caçadores de baleias.

Há mais de um ano, mais de 150 ursos polares reuniram-se num ilha remota, ao largo da costa norte da Sibéria, para devorar uma baleia morta. Aquele ajuntamento foi um verdadeiro enxame de ursos polares que se divertiam a comer uma baleia – um evento que pode tornar-se muito comum com o aumento das temperaturas.

Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter sobrevivido ao aumento das temperaturas como caçadores de baleias, trocando a sua vida como caçadores de focas no gelo. O estudo defende, por sua vez, que alguns ursos polares podem novamente concretizar essa troca, já que a mudança climática provocada pelo Homem faz com que a camada de gelo do mar Ártico caia.

Segundo a Gizmodo, este decréscimo do gelo do mar traduz-se em cerca de 26 mil ursos polares espalhados pelo alto Ártico, que terão de caminhar e gastar muita mais energia para caçar focas que, atualmente, são a sua fonte principal de alimento.

No entanto, o estudo mostra que as carcaças das baleias são as “maiores parcelas de matéria orgânica no oceano”. Geralmente, as carcaças acabam no fundo do mal. Todavia, a acumulação de gases dentro da carcaça em putrefação de uma baleia morta pode levá-la para a costa.

A questão é: conseguirão as baleias mortas ser o suficiente para sustentar os ursos polares, em vez de serem apenas um almoço grátis ocasional? Em alguns lugares, sim.

O artigo científico, publicado na Ecological Society of America, no dia 9 de outubro, dá conta de que, numa população hipotética de 1.000 ursos, eram consumidas 26.400 focas, o que equivale a cerca de 20 carcaças.

Estes números contrastam favoravelmente às quase 50 carcaças de baleias grandes estimadas para serem despejadas no litoral do Alasca e do leste da Sibéria a cada verão. “Os cientistas levantam a hipótese de que a passagem para a dieta à base de baleias ajudou alguns ursos polares a atravessar príodos quentes como o Eemiano, há 130-115.000 anos, durante os quais a extensão do gelo do mar Ártico foi diminuída.

Kristin Laidre, principal autora do artigo e bióloga marinha da Universidade de Washington, alertou que o estudo analisou apenas as taxas de encalhe de baleias em algumas partes do Ártico, e que em outros habitats pode não haver um número tão grande de baleias mortas.

“A Gronelândia, que é muito montanhosa, não é um lugar onde temos muito enfraquecimento”, disse Laidre. “Há definitivamente partes do Ártico onde isso é improvável ou não ocorre.”

Além disso, mesmo que a história climática da Terra nos diga que os ursos polares sobreviveram a um ártico no passado, isso não significa necessariamente que estes animais serão capazes de se adaptar ao rápido aquecimento que está a ocorrer atualmente.

Esperemos que sim. Ainda assim, se ouvir por aí que os ursos polares estão a comer baleias, acene com a cabeça e lembre-se que a natureza está a fazer os possíveis para se adaptar à confusão que criamos no nosso planeta.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Há um enorme buraco na atmosfera de Marte (e a água está a escapar)

Uma vez a cada dois anos, um gigantesco buraco abres-e na atmosfera marciana, deixando escapar para o Espaço uma parte das escassas reservas de água do Planeta Vermelho. O estranho mecanismo meteorológico, nunca visto na Terra, …

Musk vai construir um túnel de alta velocidade em Las Vegas

A Boring Company conseguiu um contrato de 48,7 milhões de dólares para construir um sistema subterrâneo, chamado LVCC Loop, em Las Vegas. A empresa Boring Company, de Elon Musk, foi a escolhida para construir um túnel …

Cientistas podem ter descoberto a verdadeira origem da canábis

A origem da canábis é um mistério, mas a análise de pólen antigo sugere que a planta evoluiu cerca de três quilómetros acima do nível do mar no planalto tibetano. Documentos que datam da Idade Média …

Sporting vs FC Porto | Um ano depois, a Taça para os leões

O Sporting venceu o FC Porto, mais uma vez nas grandes penalidades, e arrecadou a 17ª Taça de Portugal. Num jogo muito disputado no Estádio do Jamor, que terminou empatado 1-1 no tempo regulamentar, o Porto …

Marcelo pede aos portugueses para votarem. "Ficar em casa é um erro enorme"

O Presidente da República pediu hoje aos portugueses que façam o "pequeno sacrifício" de votar nas eleições para o Parlamento Europeu e não deixem "nas mãos de 20% ou de 25% a decisão que é …

Uma cidade inteira dos EUA está refém de cibercriminosos

A cidade de Baltimore, nos Estados Unidos, está sob ataque. Mas a ameaça não vem de pessoas armadas com pistolas e bombas. Há duas semanas, cibercriminosos usaram ransomware - um tipo de software nocivo que restringe …

Abandonado em bebé no aeroporto de Gatwick, Steve encontrou a família 33 anos depois

Um bebé foi abandonado no chão de uma casa de banho do aeroporto de Gatwick a 10 de abril de 1986. Foi quando Beryl Wright encontrou o recém-nascido que começou o mistério que só se …

Monges encontram receita perdida e voltam a fabricar cerveja medieval belga após 224 anos

Os monges da abadia de Grimbergen, na província de Brabante Flamengo, na Bélgica, encontraram a receita original de uma cerveja que era produzida artesanalmente no local há 224 anos e voltarão a fabricá-la. Monges da Abadia …

Nova app permite transmitir consentimento ao par num encontro

Vem aí uma nova app para encontros que nos permite sinalizar quando é que o nosso par tem o nosso consentimento para avançar para o próximo passo. A aplicação permite também ganhar pontos conforme se …

Agências de espionagem dos EUA cedem informações a investigação sobre interferência russa

Trump ordenou às agências de espionagem norte-americanas que deem os dados que têm sobre interferência da Rússia nas presidenciais de 2016 ao Departamento da Justiça. O diretor dos serviços secretos nacionais norte-americanos, Dan Coats, afirmou este …