Ursos polares famintos estão a comer baleias (e isso ajuda-os a sobreviver ao aquecimento)

Victor Nikiforov / WWF Rússia

Há mais de um ano, ursos polares reuniram-se num ilha ao largo da costa norte da Sibéria para devorar uma baleia morta. Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter sobrevivido ao aumento das temperaturas como caçadores de baleias.

Há mais de um ano, mais de 150 ursos polares reuniram-se num ilha remota, ao largo da costa norte da Sibéria, para devorar uma baleia morta. Aquele ajuntamento foi um verdadeiro enxame de ursos polares que se divertiam a comer uma baleia – um evento que pode tornar-se muito comum com o aumento das temperaturas.

Um estudo recente defende que, no passado geológico, os ursos polares podem ter sobrevivido ao aumento das temperaturas como caçadores de baleias, trocando a sua vida como caçadores de focas no gelo. O estudo defende, por sua vez, que alguns ursos polares podem novamente concretizar essa troca, já que a mudança climática provocada pelo Homem faz com que a camada de gelo do mar Ártico caia.

Segundo a Gizmodo, este decréscimo do gelo do mar traduz-se em cerca de 26 mil ursos polares espalhados pelo alto Ártico, que terão de caminhar e gastar muita mais energia para caçar focas que, atualmente, são a sua fonte principal de alimento.

No entanto, o estudo mostra que as carcaças das baleias são as “maiores parcelas de matéria orgânica no oceano”. Geralmente, as carcaças acabam no fundo do mal. Todavia, a acumulação de gases dentro da carcaça em putrefação de uma baleia morta pode levá-la para a costa.

A questão é: conseguirão as baleias mortas ser o suficiente para sustentar os ursos polares, em vez de serem apenas um almoço grátis ocasional? Em alguns lugares, sim.

O artigo científico, publicado na Ecological Society of America, no dia 9 de outubro, dá conta de que, numa população hipotética de 1.000 ursos, eram consumidas 26.400 focas, o que equivale a cerca de 20 carcaças.

Estes números contrastam favoravelmente às quase 50 carcaças de baleias grandes estimadas para serem despejadas no litoral do Alasca e do leste da Sibéria a cada verão. “Os cientistas levantam a hipótese de que a passagem para a dieta à base de baleias ajudou alguns ursos polares a atravessar príodos quentes como o Eemiano, há 130-115.000 anos, durante os quais a extensão do gelo do mar Ártico foi diminuída.

Kristin Laidre, principal autora do artigo e bióloga marinha da Universidade de Washington, alertou que o estudo analisou apenas as taxas de encalhe de baleias em algumas partes do Ártico, e que em outros habitats pode não haver um número tão grande de baleias mortas.

“A Gronelândia, que é muito montanhosa, não é um lugar onde temos muito enfraquecimento”, disse Laidre. “Há definitivamente partes do Ártico onde isso é improvável ou não ocorre.”

Além disso, mesmo que a história climática da Terra nos diga que os ursos polares sobreviveram a um ártico no passado, isso não significa necessariamente que estes animais serão capazes de se adaptar ao rápido aquecimento que está a ocorrer atualmente.

Esperemos que sim. Ainda assim, se ouvir por aí que os ursos polares estão a comer baleias, acene com a cabeça e lembre-se que a natureza está a fazer os possíveis para se adaptar à confusão que criamos no nosso planeta.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …