Uma lei de 1987 ajudou – e muito – a reduzir os efeitos das alterações climáticas

fauxto_digit / Flickr

Após décadas de degradação, a camada de ozono está a recuperar

O Protocolo de Montreal – que proibiu o uso dos químicos que estavam a destruir a camada de ozono – teve um impacto importante na redução dos efeitos das alterações climáticas e nos níveis de carbono na atmosfera.

As alterações climáticas já se estão a fazer sentir, mas uma decisão nos anos 80 pode ter impedido que os seus efeitos sejam ainda mais catastróficos – a proibição do uso dos clorofluorocarbonetos, também conhecidos como CFCs, que estavam aos poucos destruir a camada do ozono, escreve a Interesting Engineering.

Um estudo publicado na Nature concluiu que o impacto das alterações climáticas seria bastante pior do que o que está previsto actualmente e que os níveis de CO2 no século XXI seriam até 50% mais altos. Para nossa sorte, a proibição, que ficou conhecida como o Protocolo de Montreal, avançou.

A investigação usou modelos para prever como estaria o nosso planeta caso os CFCs, que eram muito usados em aerossóis e para refrigeração, continuassem a ser permitidos. Neste cenário distópico, a camada de ozono que protege a Terra entraria em colapso global já na década de 2040 e o planeta estaria exposto a mais radiação ultravioleta.

Mais de metade – 60% – da protecção da camada de ozono nos trópicos teria desaparecido até 2100, o que criaria um buraco ainda maior do que aquele que se viu na Antártida nos anos 80. Este nível de exposição à radiação causaria danos nas plantas, que deixariam de conseguir fazer a fotossíntese e não cresceriam em certas zonas do mundo.

O colapso da camada também levaria a que solos, florestas e vegetação não conseguissem absorver 580 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono, o que causaria um aumento dos níveis de CO2 atmosférico entre 40% e 50%. As temperaturas até ao final do século subiriam mais 0.8ºC do que apontam as previsões actuais.

“Estimamos que poderia haver menos 325-690 mil milhões de toneladas de carbono absorvidas pelas plantas e pelos solos até ao fim deste século (2080-2099) sem o Protocolo de Montreal (em comparação com as projecções climáticas com o controlo das substâncias que destroem o ozono)”, afirmam os investigadores.

Vários grupos e organizações de activistas estão a trabalhar para pressionar os governos a cortar na produção de combustíveis fósseis para que se possa evitar uma subida de 2ºC nas temperaturas. Se já é difícil imaginar este cenário, pelo menos agora sabemos que poderia ser bem pior sem o Protocolo de Montreal – que salvou o planeta de uma subida de temperaturas de 2.5ºC.

Paul Young, um dos autores do estudo, refere num comunicado que “o aumento da radiação UV teria atrofiado massivamente a capacidade das plantas de absorver o carbono da atmosfera”. “Um mundo onde estes químicos continuassem a destruir a camada do ozono protectora seria catastrófico para a saúde humana e para a vegetação”, afirma.

Apesar de estarmos a conseguir reduzir o buraco na camada de ozono, é importante lembrar que os cortes nas emissões dos combustíveis fósseis continuam longe do suficiente para conseguirmos travar os efeitos das alterações climáticas e que o progresso conseguido até agora pode ser revertido caso a vigilância não mantenha.

  AP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Moreira com Francisco Rodrigues dos Santos e Carlos Moedas

Rui Moreira promete manter a "identidade do Porto" e concluir os projetos que a pandemia atrasou

O presidente da Câmara Municipal do Porto tomou posse, esta quarta-feira, e comprometeu-se a "tudo fazer" para manter a identidade do Porto e a concluir os projetos que a pandemia atrasou. "Quero concluir os projetos que …

Já há um medicamento para tratar a covid-19 em casa (e vários países assinaram acordos de compra)

Países asiáticos já estão na luta pelo novo comprimido antiviral, cujo uso ainda nem sequer foi autorizado, contra a covid-19. Países da região asiática estão já a fazer encomendas da mais recente arma contra a covid-19: …

A Facebook vai implementar uma nova estratégia e o nome vai ser das primeiras coisas a mudar

As últimas semanas têm sido tumultuosas para a empresa de Mark Zuckerberg, que se viu confrontada com os testemunhos de antigos trabalhadores no Senado norte-americano. As notícias da última semana que resultaram do testemunho, no Senado …

Cadetes da Escola Naval investigados por alegados comportamentos abusivos

A Marinha está a investigar uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos entre cadetes da Escola Naval. "A Marinha informa que hoje, 19 de outubro, teve conhecimento de uma denúncia sobre alegados comportamentos abusivos praticados entre cadetes …

Índia. "Montanha de lixo" que garante sobrevivência de pobres será substituída por estação de tratamento

As "montanhas de lixo" das cidades da Índia em breve serão substituídas por estações de tratamento de detritos. A maior de todas — equivalente a um prédio de 18 andares — garante a sobrevivência de …

Candidatura de Nuno Melo acusa direção de não facultar cadernos eleitorais e de sanear senadores

A candidatura de Nuno Melo à liderança do CDS-PP acusou, esta quarta-feira, os opositores de não facultarem os cadernos eleitorais nem possibilitarem a fiscalização da eleição de delegados ao congresso, apontando também a substituição de …

Bolsonaro acusado de nove crimes pela comissão de inquérito sobre gestão da pandemia

O relatório apresentado, esta quarta-feira, na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado brasileiro pede o indiciamento do Presidente por nove crimes durante a pandemia de covid-19. No texto, com mais de 1200 páginas, pede-se que …

Duas vendedoras num mercado japonês

Da noite para o dia, Japão tornou-se uma história "covidiana" de sucesso

Em meados de agosto, o Japão atingiu o pico de 6.000 casos diários de covid-19. Quase do dia para a noite, o país asiático observou, espantosa e inesperadamente, uma queda acentuada no número de infeções. …

Marcelo promulga diploma sobre preços dos combustíveis, mas diz que é insuficiente

O Presidente da República promulgou, esta quarta-feira, o diploma que permite ao Governo limitar os preços dos combustíveis, mas aponta questões por resolver. Numa nota colocada no portal da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa …

Médica que deu alta a criança que morreu em Évora acusada de negligência

O Ministério Público (MP) acusou de homicídio por negligência uma médica do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) que, em 2019, deu alta a uma criança de 20 meses que acabou por morrer poucas …