Últimos sete anos foram os mais quentes de que há registo

Erdem Sahin / EPA

Os últimos sete anos foram os sete mais quentes de que há registo para o planeta, à medida que a temperatura da Terra continua a subir devido às emissões de combustíveis fósseis, mostram novos dados.

Uma nova análise do Serviço de Alterações Climáticas de Copérnico da União Europeia, que rastreia a temperatura global e outros indicadores climáticos, descobriu que 2021 foi o quinto ano mais quente de que há registo.

Embora a tendência a longo prazo seja ascendente, esperam-se flutuações anuais na temperatura global, principalmente devido aos padrões climáticos e oceânicos em grande escala como El Niño e La Niña — o último dos quais aconteceu em 2021 e tende a conduzir a uma temperatura global mais fria, escreve a CNN.

“O que realmente importa é não ficar focado no ranking de um determinado ano, mas sim ver o panorama geral das temperaturas sempre a subir, e isso não significa que cada ano seja mais quente do que o seguinte”, disse Freja Vamborg, cientista sénior da Copernicus.

“Mas foi isso que vimos até agora com cada década mais quente que a seguinte — e é bastante provável que isto continue”, avisou.

Neste momento, a temperatura média da Terra é de cerca de 1,1 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais médios, relata a pesquisa. Isto corresponde a 73% do percurso para os 1,5 graus, que, segundo os cientistas, representam o limiar que a Terra não pode ultrapassar para evitar os piores impactos.

Kim Cobb, diretor do Programa de Mudança Global do Instituto de Tecnologia da Geórgia, disse que um aquecimento de 1,1 graus Celsius é uma estimativa “conservadora”.

“É muito justo dizer que 1,1 graus Celsius é conservador, porque a última metade da última década foi mais quente que a primeira metade”, disse Cobb, em declarações à CNN.

O ano passado já deixou bem claro que mundo está a sentir efeitos sem precedentes da crise climática para a qual muitos não estão preparados, incluindo eventos de fusão significativos no Ártico, inundações mortais, ondas de calor sem precedentes e secas históricas.

Além disso, o estudo de Copérnico relata que as concentrações globais de gases com efeito de estufa — a principal causa da crise climática — continuam a aumentar.

Em 2015, os líderes mundiais concordaram em endereçar os avisos dos cientistas e limitar o rápido aumento da temperatura da Terra a menos de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, com um objetivo preferido de 1,5 graus.

Cobb disse que para cada incremento do aquecimento futuro, a última investigação climática esboça consequências em cascata que ameaçariam todos os aspetos e necessidades da Terra, incluindo a biodiversidade, a água doce e o abastecimento alimentar.

“Mal ultrapassámos o limiar de 1 grau para o aquecimento e, no entanto, estamos a recuperar de uma série quase constante de extremos climáticos e meteorológicos”, disse Cobb.

“Com raras exceções, estes extremos podem agora estar definitivamente ligados ao aquecimento causado pelo homem. No futuro, devemos esperar que a frequência e severidade de tais extremos aumente, exigindo um enorme tributo às sociedades de todo o mundo”, continuou.

Os investigadores apontaram, no artigo, várias regiões que registaram as temperaturas mais acima da média em 2021: a região ocidental dos Estados Unidos, do Canadá até à Gronelândia, bem como grandes extensões da África e do Médio Oriente.

O Verão na Europa no ano passado foi o mais quente de que há registo, informou a agência, com vários eventos climáticos extremos a causar estragos em todo o continente, incluindo inundações mortais na Alemanha, Bélgica e Holanda, bem como os intensos incêndios florestais no Mediterrâneo oriental e central.

À medida que os sintomas de um planeta febril se agravam, o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas da ONU concluiu em agosto que a única forma de travar a alarmante tendência é fazer cortes profundos nas emissões de gases com efeito de estufa, ao mesmo tempo que se eliminam os gases com efeito de estufa que os seres humanos já colocaram na atmosfera.

Mas, apesar das novas e atualizadas promessas climáticas — incluindo as feitas na conferência da ONU sobre o clima em — o mundo está no bom caminho para os 2,4 graus de aquecimento, se não mais.

Especialistas alertam que as emissões globais de gases com efeito de estufa em 2030 ainda serão aproximadamente o dobro do necessário para limitar o aquecimento a 1,5 graus.

E pior ainda: sob as atuais políticas, as projeções de temperaturas globais apontam para um escalar catastrófico até aos 2,7 graus Celsius.

Vamborg salientou que o relatório serve para lembrar que o aumento das emissões de gases com efeito de estufa é o que alimenta o rápido aquecimento do planeta, acrescentando que “a curva da temperatura global continuará a subir à medida que continuarmos a emitir gases com efeito de estufa”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.