Presidente do Turquemenistão assegura que não registou casos desde início da pandemia

O Presidente do Turquemenistão assegurou esta terça-feira numa entrevista a um media internacional que aquele Estado da Ásia Central, um dos países mais fechados do mundo, não registou qualquer caso da doença Covid-19 desde o início da pandemia.

“Graças ao trabalho que fizemos”, o Turquemenistão “ainda não descobriu nenhum caso desta doença”, disse Gurbanguly Berdymukhamedov, no poder nesta antiga república soviética desde 2006, numa rara entrevista a um canal de televisão internacional.

O Turquemenistão, a par com a Coreia do Norte e com alguns arquipélagos isolados no Pacífico, é um dos poucos países e territórios no mundo que afirma não ter tido casos de pessoas infetadas com o novo coronavírus (SARS-Cov-2) desde o início da crise pandémica.



Mesmo assim, o país, que faz fronteira com o Cazaquistão, Usbequistão, Afeganistão e Irão, só começou a aliviar as medidas restritivas aplicadas no âmbito da pandemia em abril passado, com a reabertura de restaurantes e mesquitas. A circulação ferroviária também voltou a funcionar, mas as viagens aéreas continuam suspensas.

Em declarações ao canal de televisão Mir, com sede em Moscovo, Gurbanguly Berdymukhamedov indicou que o Turquemenistão dispõe de duas vacinas contra a doença Covid-19 desenvolvidas na Rússia, a Sputnik V e a EpiVacCorona.

A garantia do Presidente do Turquemenistão de que o país não registou qualquer infeção é encarada com desconfiança por parte de observadores e de media turcomenos que trabalham a partir do estrangeiro. Segundo estas fontes, um diplomata turco destacado na capital do país, Ashgabat, morreu de Covid-19 no ano passado e o embaixador do Reino Unido admitiu em dezembro, através das redes sociais, que tinha contraído o vírus no Turquemenistão.

À medida que a pandemia se alastrava pelo mundo na primavera de 2020, o Turquemenistão foi um dos últimos países a permitir a presença de público em estádios. O uso de máscaras de proteção individual para prevenir a transmissão do vírus foi desencorajado pelas autoridades durante muito tempo.

Esta posição das autoridades seria alterada após uma visita de representantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) ao país em julho de 2020. Na altura, a agência do sistema das Nações Unidas manifestou preocupação com o aumento do número de “doenças respiratórias agudas ou pneumonia” verificado no país e recomendou que as autoridades tomassem medidas “como se a doença covid-19 estivesse a circular”.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.551.488 mortos no mundo, resultantes de mais de 170,6 milhões de casos de infeção, segundo o mais recente balanço feito pela agência francesa AFP.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro

O núcleo interno da Terra está a crescer mais de um lado do que do outro. No entanto, isto não quer dizer que o nosso planeta esteja a ficar inclinado. Mais de 5.000 quilómetros abaixo de …

Incêndios devastam sul da Europa e obrigam a retirar moradores e turistas

Dezenas de aldeias e hotéis foram este domingo evacuados nas zonas turísticas do sul da Turquia devido a incêndios que começaram há cinco dias e já mataram oito pessoas no país, devastando também regiões da …

Há uma empresa a transformar as cinzas de entes queridos em diamantes

Uma empresa norte-americana transforma cinzas de entes queridos — e animais de estimação — em diamantes, que podem ser colocados em anéis ou colares. Lidar com a morte de um ente querido é sempre uma altura …

Pianista de aeroporto ganhou 60 mil dólares em gorjetas

Tonee "Valentine" Carter, que toca piano num aeroporto norte-americano, ganhou 60 mil dólares (cerca de 50.800 mil euros) depois de um estranho partilhar um vídeo seu a tocar. Tonee "Valentine" Carter, de 66 anos, não é …

Youtubers denunciam campanha de fake news contra vacina da Pfizer

De acordo com a imprensa brasileira, uma agência de marketing terá tentado que influenciadores digitais de todo o mundo partilhassem desinformação sobre as vacinas contra a covid-19. A denúncia foi feita por alguns dos influenciadores …

Na Tailândia, a legalização do aborto enfrenta "resistência espiritual"

Desde fevereiro, qualquer pessoa que procure fazer um aborto na Tailândia consegue fazê-lo legalmente, pelo menos no primeiro trimestre. Ainda assim, muitos médicos e enfermeiros recusam-se a levar a cabo o procedimento. A advogada Supecha Baotip …

Haiti. Viúva do presidente assassinado implica seguranças no crime

Martine Moise, a viúva do presidente haitiano Jovenel Moise — assassinado na sua residência por um comando armado no início de julho — descreveu abertamente o ataque e partilhou as suas suspeitas sobre o crime …

Covid-19. Portugal regista 2.306 novos casos e aumento nos internados

Portugal registou este domingo 2.306 novos casos de infeção por covid-19 e mais oito mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).  Portugal regista este domingo oito mortes atribuídas à covid-19, 2.306 novos casos …

Birmânia. Líder da junta volta a prometer eleições até 2023, seis meses depois do golpe militar

O líder da junta militar birmanesa, no poder desde o golpe de 1 de fevereiro, comprometeu-se novamente a realizar eleições "até agosto de 2023". “Estamos a trabalhar para estabelecer um sistema multipartidário democrático”, disse, este domingo, …

Tóquio2020. Patrícia Mamona conquista medalha de prata no triplo salto (e melhora recorde nacional)

Patrícia Mamona conquistou este domingo a medalha de prata no triplo salto dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao conseguir 15,01 metros, novo recorde nacional, arrebatando a segunda medalha por atletas portugueses depois do bronze do judoca …