Trump prepara o seu próprio “Brexit”: tirar os EUA do sistema mundial de Correios

Os EUA podem estar prestes a sair de um tratado misterioso que governa a entrega global de correspondências, deixando os remetentes comerciais, gerentes de correspondência militar e milhões de americanos estrangeiros preocupados.

A Casa Branca diz estar a trabalhar “dia e noite” para facilitar uma saída suave do acordo, mas o Serviço Postal dos EUA (USPS) telegrafou uma perspetiva mais cautelosa nas conversas do setor. Com poucos detalhes divulgados, os especialistas preocupam-se com a possibilidade de os EUA estarem prestes a perturbar a estabilidade do sistema de correio no mundo.

O sistema atual não é perfeito, mas ainda é uma parte impressionante da cooperação internacional. Isto acontece graças à Universal Postal Union (UPU), uma organização de 144 anos que estabelece padrões técnicos e de segurança para manter o correio internacional e pequenos pacotes em movimento pelo mundo.

Uma parte principal do acordo atraiu a ira do presidente Donald Trump: “taxas terminais”, as taxas que os 192 países membros pagam um ao outro para entregar correspondência através das fronteiras.

Como as taxas foram desenvolvidas na década de 1960 com base em fatores que incluem o desenvolvimento económico de uma nação naquele momento, países como a China, cuja economia cresceu muito, ainda pagam taxas altamente subsidiadas, enquanto os EUA pagam muito mais. Isto significa que, às vezes, pode ser mais barato enviar um pacote da China para os EUA do que para os americanos enviar pacotes entre estados.

O transporte com desconto custou aos países industrializados 2,1 mil milhões de dólares em 2014, segundo um estudo citado pelo USPS. Trump, que há muito se queixa de desequilíbrios comerciais e gastos da OTAN, chamou a essa discrepância de “discriminatória” no memorando presidencial que emitiu antes de anunciar em outubro passado que pretendia deixar a UPU.

Embora não fosse uma reclamação nova, a decisão de deixar o grupo imediatamente foi uma surpresa. O processo de retirada demora um ano e o Departamento de Estado diz que os EUA permanecerão em estado de suspensão se puderem “auto-declarar” as suas próprias taxas de encargos terminais.

A reunião da UPU de setembro é a última oportunidade de fazer um acordo. Lá, os membros considerarão várias propostas. A opção A oferece algumas alterações. A opção B permite que os países decidam taxas, até o valor cobrado pelo correio doméstico, a partir de 2020. A opção C permitiria que definissem as suas próprias tarifas, mas o teto estabelecido aumenta até 2025.

As propostas não são públicas, mas documentos aos quais a revista Time teve acesso mostram que os EUA propuseram uma emenda à opção C que permitiria autodeclarar-se em 2020, deixando outras nações numa transição mais longa.

Autoridades dos EUA dizem que outros estados membros parecem estar a ouvir, mas a sua paciência é limitada. “Estamos a fazer os possíveis para garantir que uma de duas coisas aconteça: ou obtemos uma votação que nos dá taxas imediatas de autodeclaração ou saímos”, disse Peter Navarro, consultor comercial da Casa Branca.

As pessoas do setor de correspondência não estão otimistas. “Parece que Trump está a ter o seu próprio Brexit”, disse David Jinks, chefe de pesquisa de consumidor da empresa de courier ParcelHero, sediada no Reino Unido. “Poderia ser absolutamente livre para todos, e todos os países terão de lutar contra o seu canto e definir as suas próprias taxas”.

Por enquanto, há uma discordância generalizada sobre o que acontecerá se os EUA se retirarem em 17 de outubro sem novos acordos postais bilaterais para substituir os relacionamentos que a UPU agora cobre. Até que esses acordos sejam tornados públicos, empresas e funcionários ficam presos a tentar planear contingências.

É improvável, segundo a revista, que os principais parceiros comerciais se recusem a entregar correio americano, mas um porta-voz da Comissão Europeia disse que a retirada da UPU poderia ter um “impacto significativo” nas alfândegas de tratamento do correio dos EUA com destino à União Europeia. Pode haver menos incentivo para os serviços postais estrangeiros priorizarem o correio dos EUA e a mera confusão pode deixar as cartas a definhar nas agências postais estrangeiras.

Os principais grupos empresariais, incluindo a Câmara de Comércio dos EUA, estão ansiosos pelas reformas que a administração Trump está a promover, mas muitos têm receio da revolta de se retirar totalmente do sindicato. Kate Muth, diretora executiva do International Mailers Advisory Group (IMAG), que possui membros que incluem remetentes de saída, comerciantes e consolidadores de correio em massa, observa que a interrupção ocorreria na alta estação de expedição, potencialmente deixando os exportadores dos EUA sem acesso a processos aduaneiros acelerados.

Os membros do IMAG também estão preocupados com o facto de que uma saída dos EUA possa encorajar outros países a mudar as suas taxas também, fazendo com que os custos de envio mudem imprevisivelmente.

Para as tropas americanas que servem no exterior, o correio é tratado pela Agência de Serviços Postais Militares, portanto não deve ser afetado pelas alterações da UPU. Mesmo que o correio militar funcione bem, milhões de outros americanos vivem no exterior, incluindo civis, familiares militares e contratados militares que não têm acesso às bases. Essa população inclui cerca de três milhões de potenciais eleitores no exterior.

A lei federal garante-lhes o direito de votar à distância, mas 19 estados não permitem o envio eletrónico de cédulas. Especialistas em eleições temem que, sem acesso à União Postal Universal, os eleitores no exterior não saibam se suas cédulas regressam no prazo ou se podem pagar altos preços pelas transportadoras privadas para entregar as suas cédulas.

Apesar da confiança projetada pelo governo Trump, o Serviço Postal alertou a indústria de correspondências numa apresentação em junho em Washington que provavelmente veria alterações na sua “cobertura geográfica” se os EUA desistissem.

O USPS e o Programa Federal de Assistência à Votação disseram às autoridades eleitorais que os EUA estavam concentrados em estabelecer acordos para garantir que a entrega de correspondência continue com 17 países prioritários. Esses países devem cobrir cerca de 70% dos americanos no exterior. Isto significa que mais de um em cada quatro cidadãos dos EUA que vivem no exterior pode estar num país sem acordo que facilite o correio para os EUA.

O Departamento de Estado disse que está “pronto e ansioso para se engajar construtivamente com outros parceiros voltados para a reforma” na cimeira, mas enfatizou que os EUA atingirão o seu objetivo de definir as suas próprias taxas “independentemente do resultado” da reunião.

Os EUA não têm as mesmas relações que tinham com outros países, mas se os americanos puderem convencer a maioria dos outros países de que não querem que os EUA deixem o grupo, então, algumas dessas preocupações podem não acontecer este ano.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E quem terá razão, não será Trump? Em todo caso porque não se actualizarem novas taxas dentro do acordo existente, talvez fosse mais fácil e menos penoso.

RESPONDER

Fã descobriu morada de estrela pop nos reflexos nos olhos de uma selfie e atacou-a

A influencer japonesa Ena Matsouk que integra uma banda pop do país foi atacada sexualmente por um fã, depois de este ter descoberto onde é que morava através de uma selfie que ela publicou nas …

Comer bem melhora ativamente os sintomas de depressão

Uma nova investigação, levada a cabo por cientistas da Universidade Macquarie, na Austrália, sugere uma conexão casual entre a dieta e a depressão. Uma equipa de cientistas da Universidade Macquarie, na Austrália, realizou um estudo controlado …

Presidente da China promete esmagar o corpo e quebrar os ossos aos separatistas

O Presidente da China, Xi Jinping, afirmou que "quem tentar atividades separatistas em qualquer lugar da China acabará com o corpo esmagado e os ossos quebrados", de acordo com a edição digital desta segunda-feora do …

Ucrânia 2 vs 1 Portugal | Adeus ao primeiro em dia de CR700

O primeiro lugar do Grupo B já não foge à Ucrânia. Portugal foi a Kiev dominar e atacar muito, com 24 remates e diversas oportunidades, mas esbarrou no guarda-redes Andriy Pyatov – tal como no …

Primeira protagonista feminina de Astérix é parecida com a ativista Greta Thunberg

Como sempre, a saída de um novo álbum de Astérix, o grande herói da banda desenhada franco-belga, está rodeado de um grande segredo. Aliás, não poderia ser de outro modo pois é também um irredutível …

O Fortnite, um dos jogos mais populares do mundo, foi "engolido" por um buraco negro e desapareceu

O Fortnite, que já é considerado um dos jogos mais populares da atualidade, desapareceu durante o fim-de-semana. Agora, o que surge no ecrã dos jogadores, depois do fim da temporada X, é apenas um buraco …

Kais Saied eleito Presidente da Tunísia com 72,71% dos votos

O professor universitário Kais Saied, um estreante no mundo da política, foi eleito Presidente da Tunísia com 72,71% dos votos na segunda volta das presidenciais antecipadas de domingo, anunciou esta segunda-feira a instância eleitoral (Isie). De …

Série SpongeBob acusada de "violência", "racismo" e de perpetuar o "colonialismo"

A série infantil SpongeBob foi acusada de perpetuar o "racismo" e o "colonialismo" junto dos mais novos. A crítica é feita por uma professora da Universidade de Washington. No fundo do mar, a vida parece feliz. …

Neymar pára quatro semanas devido a lesão na coxa

O futebolista do Paris Saint-Germain Neymar (PSG) vai ficar afastado da competição nas próximas quatro semanas, após ter contraído uma lesão na coxa ao serviço da seleção brasileira, informou esta segunda-feira o clube francês no …

Vitor Baía e Villas-Boas voltam a abordar o futuro como potenciais sucessores de Pinto da Costa no FC Porto

André Villas-Boas foi entrevistado pela rádio France 3 e voltou a falar do sonho de ser presidente do FC Porto. Já Vitor Baía diz estar em paz em relação ao que poderá acontecer quando Pinto …