Cientistas transplantaram a memória de uma lesma para outra (e funcionou)

mattyfioner / Flickr

Lesma da espécie Arion fuscus

A transferência de memória já aparece, há décadas, em livros e filmes de ficção científica. Agora, parece estar mais perto de se tornar um facto científico.

Uma equipa de cientistas conseguiu, com sucesso, fazer uma espécie de “transplante de memória” – transferindo material genético conhecido como RNA de um caracol marinho para outro. Alguns dos animais envolvidos foram treinados para desenvolver uma resposta defensiva perante choques elétricos em laboratório.

Quando o RNA destes caracóis foi transferido para outros que não tinham sido treinados, estas reagiram da mesma forma dos que tinham recebido choques moderados. A pesquisa, publicada na segunda-feira na revista científica eNeuro, ajuda no conhecimento sobre as bases fisiológicas da memória.

RNA significa ácido ribonucleico. Trata-se de uma molécula ligada a funções essenciais de organismos vivos – incluindo a síntese de proteínas no corpo que definirá a expressão dos genes de uma forma mais geral, descreve a BBC.

Os cientistas administraram uma série de choques elétricos leves na cauda dos caracóis da espécie marinhos Aplysia californica.

Os animais reagem a adversidades contraindo o corpo. Com os choques, passaram a ter contrações que duravam 50 segundos – uma espécie de reação defensiva extrema.

Depois, quando tocavam levemente nos animais que receberam os choques, estes reagiam com a mesma contração de 50 segundos, enquanto caracóis que não tinham recebido choques reagiam com uma contração de apenas um segundo.

O próximo passo foi extrair RNA de células nervosas de ambos os tipos de caracóis: os condicionados e os não-condicionados. As moléculas foram depois injetadas em dois grupos de caracóis não treinados.

Os cientistas observaram, surpresos, que os caracóis que receberam o RNA de animais condicionados, quando eram tocados, reagiam com contrações de cerca de 40 segundos. Os caracóis que receberam o RNA de animais não-condicionados não demonstraram nenhuma mudança no comportamento defensivo.

Os cientistas notaram um efeito parecido em células sensoriais que estavam a ser analisadas em placas de Petri. Professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles, David Glanzman, um dos autores do estudo, afirmou que os resultados indicam algo como “uma transferência de memória”.

Glanzman destacou ainda que os caracóis usados na experiência não foram feridos.

“Estes são caracóis marinhos. Quando percebem ameaças, soltam uma tinta roxa e escondem-se dos predadores. Os caracóis usados no estudo assustaram-se e soltaram tinta, mas não foram fisicamente afetados pelos choques“, defende Glanzman.

Tradicionalmente, pensava-se que as memórias de longo prazo ficavam armazenadas nas sinapses do cérebro, as junções entre os neurónios. Cada neurónio tem milhares de sinapses. “Se as memórias ficassem nas sinapses, a nossa experiência não funcionaria de forma nenhuma”, diz o cientista.

Para Glanzman, as memórias estão alocadas nos núcleos dos neurónios. O estudo vai ao encontro de algumas hipóteses levantadas há algumas décadas, segundo as quais o RNA estaria relacionado com a memória.

De acordo com os investigadores, os processos celulares e moleculares nos caracóis são similares aos dos humanos, apesar de o sistema nervoso dos animais marinhos ter apenas 20 mil neurónios – comparados com os cerca de 100 mil milhões de neurónios que o homem tem.

Acredita-se que os resultados publicados no eNeuro podem contribuir na procura de tratamentos para atenuar efeitos de doenças como o Alzheimer e o Stress Pós-Traumático.

Perguntado se este processo poderia levar a um eventual transplante de memórias adquiridas em experiências de vida, Glanzman disse não ter a certeza, mas expressou otimismo de que uma maior compreensão sobre o mecanismo de armazenamento da memória pode levar a mais oportunidades para explorar diferentes aspetos da memória.

PARTILHAR

RESPONDER

EUA e China acordam em não começar guerra comercial

O vice-primeiro ministro do Conselho de Estado da China, Liu He, anunciou este domingo em conferência de imprensa que as autoridades dos EUA e da China acordaram em não iniciar uma guerra comercial para favorecer …

Presidente da República considera "plausível" aprovação do próximo OE

Numa conferência sobre os desafios de Portugal para a próxima década, em Cascais, organizada pelo movimento cívico Portugal XXI, Marcelo Rebelo de Sousa apontou a estabilidade e a durabilidade da atual solução de Governo - …

China desloca bombardeiros para ilhas disputadas

O jornal estatal China Daily informou na noite de sexta-feira que vários bombardeiros realizaram exercícios de descolagem e aterragem num aeródromo construído nas Ilhas Paracel, no Mar da China Meridional, que são alvo de disputa …

Acabaram as teorias: franceses revelam como Hitler morreu em 1945

O ditador nazi Adolf Hitler definitivamente morreu em 1945, em Berlim, ao tomar cianeto e ser atingido por uma bala, de acordo com investigadores franceses que tiveram acesso a fragmentos dos dentes do ditador em …

Cientistas alertam para epidemia incurável que pode alastrar na Terra em breve

Um fungo resistente aos medicamentos pode em breve vir a provocar uma epidemia devastadora para os humanos, animais e plantas. A informação é de um estudo realizado pelos cientistas do Imperial College London e da Universidade …

Objeto descoberto no sistema solar indica existência do Planeta Nove

Os astrónomos especulam há alguns anos que um nono planeta pode orbitar o nosso astro-rei a uma grande distância, na fronteira do sistema solar. Embora não tenhamos encontrado evidências diretas desse planeta ainda, mais uma …

Cão-robô que inspirou episódio de Black Mirror chega ao mercado em 2019

Algumas das tecnologias que acompanhamos na série Black Mirror podem estar muito perto de se tornar realidade. É o exemplo do cão-robô, que chega ao mercado já no próximo ano. De todas as tecnologias que surgem …

Onde está o centro do universo?

Se olharmos para o céu noturno, vemos estrelas em todas as direções. Parece que somos o centro do cosmos, mas será que somos mesmo? E se não formos, onde é o centro universo? Na realidade, o …

Sobrevivente de Holocausto regressou ao campo de concentração de onde foi libertada

Pouco depois da libertação do campo de concentração de Bergen-Belsen, em abril de 1945, Hetty Verolme, de 15 anos, deu uma entrevista à BBC. 70 anos depois voltou a fazê-lo. Hoje, 70 anos depois, Hetty voltou …

Provável causa de ovário policístico finalmente é descoberta e a cura está a caminho

A causa mais comum da infertilidade feminina é a síndrome do ovário policístico, que pode ser causada por um desequilíbrio hormonal que acontece enquanto os fetos femininos se desenvolvem na barriga das mães, mas a …