Texto recentemente traduzido revela segredos sobre “poderes sobrenaturais” dos samurais

Um texto samurai recentemente traduzido – designado “Doze Regras da Espada” – revela os segredos de uma escola onde ensinavam a combater espadas, que desenvolveu e dominou determinada técnica que parecia fornecer aos seus praticantes poderes sobrenaturais.

Datado do século 17, o texto contém conhecimentos transmitidos por um samurai chamado Itō Ittsai (nascido por volta de 1560), que lutou e venceu 33 duelos no Japão. Os pesquisadores não sabem ao certo quando este morreu, mas ros egistos históricos sugerem que possa ter vivido mais de 90 anos, noticiou o Live Science na quarta-feira.

Itō Ittsai não escreveu o texto, tendo, ao invés disso, passado oralmente as informações aos seus alunos na escola de combate One Cut. Foram os descendentes desses alunos que depois registaram por escrito esses ensinamentos.

O texto descreve as regras para vencer um oponente, englobando ainda duas orações mágicas para melhorar o espírito e a mente de um samurai, de acordo com o Eric Shahan, que traduziu recentemente o texto. Especializado em textos japoneses de artes marciais, possui um San Dan (faixa preta de terceiro grau) na arte marcial japonesa Kobudō.

As preces são vagas e difíceis de entender. Uma indica que um samurai deve desenhar vários caracteres sânscritos nas palmas das mãos, incluindo um personagem que representa Oni, um tipo de demónio. Depois juntar as palmas, dizer a oração, e girar as mãos uma vez, enquanto faz um som alto. De seguida, bater palmas uma vez, esfregando após isso as mãos.

Observar com o espírito

Uma das regras do texto chama-se “olhos do coração”. Na tradução de Eric Shahan, a mesma significa que “não se deve olhar para o oponente com os olhos, mas sim vê-los com o espírito. Caso se olhe com os olhos, há possibilidade de distração, mas caso se olhe com a mente, a concentração mantém-se”.

De acordo com o artigo do Live Science, estas duas orações, que podem ter ajudado os samurais da escola One Cut a ver oponentes com o “espírito” e a “mente”, foram também traduzidas para inglês no texto.

As pessoas que viviam no Japão no século 17 e viram um samurai que dominava a regra dos “olhos do coração”, poderiam ficar chocadas. “Na época, parecia aos observadores que alguém que dominasse essa técnica tinha poderes sobrenaturais”, disse Eric Shahan.

No entanto, há uma explicação científica para como os samurais usavam a “mente” e o “espírito”, ao invés dos olhos, para ver o oponente.

“A explicação é que reagimos mais rápido às coisas que se movem na nossa visão periférica, em oposição ao centro do foco. Olhar diretamente para a espada de um oponente, registando conscientemente um movimento e tentando responder, não funciona muito bem num duelo de espadas”, explicou o tradutor japonês.

Eric Shahan acrescentou: “Por outro lado, permitir que o oponente esteja no campo de visão, sem se concentrar em parte alguma, possibilita que a visão periférica reaja a qualquer movimento ou ataque”, tonando a reação mais rápida do que se se estiver “a olhar diretamente para o inimigo”.

As orações presentes no texto eram, provavelmente, algum tipo de auto-hipnose ou ritual de meditação. “Se a mente estava uma confusão antes da batalha, a derrota seria certa. Certamente haveria uma conexão com os olhos do coração, no sentido de que é preciso permitir que o corpo reaja livre e inconscientemente ao ataque do oponente”, esclareceu.

Coração da raposa

Outra regra, denominada “coração da raposa”, advertia os samurais sobre o facto de serem excessivamente cautelosos. A regra indica que a raposa é cautelosa e desconfiada por natureza, algo que pode matá-la. “Ao invés de fugir numa direção, ela vai parando e verificando o que está para trás. Durante um desses atrasos, o caçador circula e mata-a. A lição aqui é que um excesso de cautela leva à queda da raposa”.

Se um samurai pensa no que deve fazer e hesita, “o adversário escolherá aquele momento para atacar”, dita essa regra. “Portanto, é essencial que se removam todas as dúvidas da técnica. Deve-se treinar vigorosamente para que se esteja vazio”, indicou ainda o tradutor.

As outras regras incluem “pinheiro ao vento” – que ensina os samurais a não ficarem presos ao ritmo dos adversários, optando por não utilizar nenhum ritmo. Outra ainda, chamada “cortar”, envolve apenas uma fração de segundo e refere-se a “evitar pensamentos estranhos”.

Eric Shahan afirmou que os samurais que aprenderam a técnica de luta com espadas na escola One Cut “treinaram toda a vida para que a mesma ficasse enraizada nos seus corpos. Eles precisavam da fortaleza mental para permitir que os seus corpos respondessem à situação sem pensar”.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Como seria o Universo sem matéria escura? Os cientistas simularam-no (e ficaram surpreendidos)

Há quase meio século que os astrónomos estão convencidos de que a maior parte do Universo é formado por matéria escura, invisível para os nossos instrumentos e que só conseguimos detetar através da gravidade. Mas …

Estes pássaros evitam comida nojenta após terem visto vídeos no computador

Aves capturadas por uma equipa de investigadores finlandesa aprenderam a evitar certos alimentos após terem assistido a vídeos de outros pássaros a comer essas mesmas comidas e a reagir negativamente. Os cientistas capturaram 39 espécimes de …

Mitsubishi apresenta solução para escritórios stressantes: claraboias virtuais

Se depender da Mitsubishi, a cultura de trabalho do Japão vai ficar menos stressante e depressiva, graças à sua mais recente invenção. A divisão de equipamentos elétricos da gigante japonesa Mitsubishi lançou um sistema de claraboia …

FC Porto 1-0 Portimonense | Génio de Telles garante triunfo

O FC Porto sofreu bastante para vencer o Portimonense, 17º classificado da Liga NOS, por 1-0. Naturalmente dominadores e donos da iniciativa atacante desde os primeiros minutos, os “dragões” terminaram com uma superioridade estatística à prova …

Vulcões de gelo surgem nas margens de um lago gelado nos Estados Unidos

As estranhas e inusitadas formações de gelo surgem quando as temperaturas atingem valores muito baixos, e proporcionam um verdadeiro espetáculo nas margens do lago Michigan, nos Estados Unidos. No dia 16 de fevereiro, funcionários do Serviço …

Pela primeira vez, átomos são capturados de forma individual

Naquela que é uma estreia na física quântica, investigadores "mantiveram" átomos individuais no lugar e observaram interações atómicas complexas nunca antes vistas. Pela primeira vez na física quântica, investigadores conseguiram "segurar" átomos individuais num local fixo …

Sporting 2-0 Boavista | Plata fez xeque-mate às panteras

O Sporting venceu e convenceu. Os “leões” venceram neste domingo o Boavista por 2-0, num duelo relativo à 22ª jornada da Liga NOS. Numa espécie de jogo de xadrez, os comandados de Jorge Silas fizeram xeque-mate …

Exército sem candidatos suficientes para preencher 70 vagas

O Exército português abriu um concurso, em janeiro, para preencher 70 vagas para oficiais contratados. Pela primeira vez, não teve candidaturas suficientes: recebeu 145, quando devia ter recebido pelo menos 304. De acordo com o jornal …

Recuperados novos artefactos do HMS Erebus, um dos navios que se perdeu no Ártico há 170 anos

Uma equipa de investigadores continua a tentar resolver o mistério do misterioso desaparecimento da expedição de Sir John Franklin em busca da Passagem Noroeste. Agora, os arqueólogos subaquáticos revelam mais de 350 artefactos recém-recuperados do HMS …

Qual é a cor do seu nome? Esta plataforma mostra-lhe

A sinestesia é o nome que se dá à relação entre planos sensoriais diferentes - ou seja, ouvir um determinado som e pensar numa cor ou se associar números a uma cor. Uma mulher norte-americana chamada …