Temperatura da Terra pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista Fátima Abrantes.

“Será o menos mal”, acrescentou a investigadora, especialista em oceanografia geológica e paleoceanografia, autora de artigos científicos e uma das profissionais do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Fátima Abrantes falava à Lusa no âmbito de um seminário que o IPMA organizou hoje em Lisboa sobre “Alterações Climáticas e recursos marinhos: passado, presente e futuro”.

Falando sobre “fenómenos extremos no passado”, Fátima Abrantes socorreu-se durante a intervenção no seminário de dados científicos para explicar que alterações climáticas já aconteceram no passado e que os oceanos sofreram grandes transformações, com zonas de muito peixe a ficarem despovoadas e vice-versa.

Mas a especialista explicou que não estava a negar ou desvalorizar o atual processo de alterações climáticas, que, disse, está a acontecer de forma mais intensa e mais rápida do que noutros momentos, devido à ação do Homem sobre o planeta.

“O que está estável há 15 milhões de anos na Antártida e há 2,6 milhões no Ártico está a tornar-se instável de uma maneira muito rápida. A questão não é que nunca aconteceu, já aconteceu, a questão é que a quantidade e rapidez com que está a aumentar é muito superior”, exemplificou à Lusa.

Otimista em relação ao planeta, Fátima Abrantes já o é menos quanto aos seres humanos. Diz que as alterações de clima que existem desde o inicio da vida da Terra mostram que o sistema climático se altera “mas que tudo se rearranja e que o planeta continua”, ainda que as condições possam “não ser muito favoráveis para os humanos”.

“Há alterações na biodiversidade, certamente organismos serão extintos e outros aparecerão, mas nos não sei se teremos capacidade para resistir”, avisa.

Há três a cinco milhões de anos também se registava grande quantidade de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, e há 65 milhões as concentrações ainda eram superiores, supostamente devido à libertação de grandes quantidades de metano, um processo que pode agora estar a repetir-se, disse a cientista.

Nos últimos mil anos, lembrou Fátima Abrantes, houve na Europa um aumento da temperatura no período medieval, ao que se seguiu um arrefecimento. A diferença das temperaturas foi de cerca de um grau, o suficiente para os vikings se expandirem e ocuparem a região da Europa do norte, no período medieval, e quase desaparecessem no período frio por “não conseguirem adaptar-se às novas condições”. Os inuítes (Canadá) no entanto conseguiram adaptar-se.

Fátima Abrantes citou um estudo para dizer que os vikings tinham uma sociedade mais complexa e que por isso não se adaptaram tão bem como os inuítes, e conclui: “Acredito que quanto mais complexa a organização mais difícil conseguir que a população, como um todo, aceite a possibilidade de ter que alterar a forma de vida”.

A investigadora lembra a complexidade das sociedades atuais. E também que muitos políticos influentes são hoje céticos em relação às alterações climáticas.

É verdade que as alterações climáticas sempre existiram “só que os ciclos no passado estavam associados às variações orbitais, que têm a ver com a posição da Terra em relação ao Sol”. Eram ciclos muito longos e o aumento de CO2 era mínimo em relação que acontece hoje, na alteração provocada pela Homem, disse.

“O problema não é o efeito de estufa, é o seu aumento descontrolado”, acrescentou Silvia Antunes, técnica superior do IPMA, que citou estatísticas para dizer que os meses de novembro e de março têm sido aqueles em que têm sido sentidas as diferenças de temperatura mais significativas.

Pela rapidez das alterações, no seminário falou-se também da necessidade de minimizar impactos, como fez a especialista Susana Costas, a propósito da proteção da orla costeira algarvia face à subida do nível da água do mar.

O seminário termina na tarde de hoje, com a discussão dos impactos económicos e adaptações às alterações climáticas.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Na África do Sul, há uma associação entre violência sexual e gravidez indesejada

Na África do Sul, as meninas que sofreram violência sexual têm maior probabilidade de relatar uma gravidez indesejada em comparação com aquelas que nunca sofreram violência sexual. Na África do Sul, a taxa de gravidez na …

Hackers russos associados ao ataque em hospital alemão que resultou na morte de uma paciente

O ataque informático num hospital alemão na semana passada, que resultou na morte de uma paciente em estado crítico, pode ter sido causado por um grupo russo com ligações ao crime cibernético. A informação é …

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …