Talvez os neandertais não fossem tão brutos como se pensava

Apesar de vários esqueletos de neandertais terem sido encontrados com ferimentos graves na cabeça e no pescoço, um novo estudo sugerem que não fossem tão violentos como se pensava.

Na verdade, os níveis de lesões cranianas dos neandertais são muito semelhantes aos dos primeiros humanos modernos, de acordo com o estudo publicado a 14 de novembro na revista Nature.

“Não há diferença estatística entre os dois, o que significa que não podem ser diferenciados”, disse a co-autora do estudo, Katerina Harvati, paleoantropóloga da Universidade de Tübingen, na Alemanha.

“Acho que é uma evidência que eles não andavam a bater uns nos outros“, pelo menos não mais do que os humanos modernos, referiu Fred Smith, professor da Universidade do Estado de Illinois, especializado em Neandertais, que não estava envolvido na investigação.

Smith não ficou surpreendido com os resultados, e que, por muitos anos, “houve muito foco em enfatizar as diferenças entre os neandertais e nós”. Isso mudou em 2010, quando os cientistas descobriram que os neandertais contribuíam com material genético para os humanos modernos, tornando-os um parente precoce.

Desde então, uma enxurrada de estudos desafiou a imagem dos neandertais como selvagens. Investigadores sugeriram que podem ter feito arte, tiveram longas infâncias, por vezes comiam dietas vegetarianas e até usavam joias e maquilhagem.

Os investigadores reuniram um banco de dados de artigos publicados que descreviam os ossos de 204 indivíduos neandertais e do homem moderno do Paleolítico Superior, incluindo lesões cranianas. Os espécimes vieram do que hoje é a Europa e a Ásia e datam de aproximadamente 20 a 80 mil anos atrás.

Em ambos os grupos, os homens eram mais propensos a sofrer lesões cranianas do que as mulheres – o que, de acordo com a Universidade de Tübingen, é “explicado pela divisão do trabalho entre homens e mulheres ou por comportamentos e atividades específicos do sexo determinados culturalmente”.

Embora o nível de traumatismo craniano entre os neandertais e os primeiros humanos modernos fosse estatisticamente o mesmo, os neandertais que sofreram traumatismo craniano antes dos 30 anos tinham maior probabilidade de morrerem mais jovens.

“Essa descoberta poderia indicar que os neandertais tinham um risco maior de mortalidade após sobreviverem a lesões cranianas em comparação com os humanos modernos do Paleolítico Superior”, de acordo com os investigadores. Isso também poderia significar que os primeiros humanos modernos eram melhores em cuidar dos feridos.

Harvati disse que, provavelmente, houve muitas causas para esses ferimentos na cabeça. Além da caça e da violência interpessoal, lesões cranianas em ambos os grupos foram provavelmente causadas por “acidentes de um estilo de vida altamente móvel de caçadores-coletores em ambientes glaciais, bem como ataques de carnívoros”.

ZAP // NPR

PARTILHAR

RESPONDER

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …