Suíça quer limitar entrada de europeus

mooncross / Flickr

-

Os suíços votam hoje num referendo nacional que propõe a introdução de quotas de imigração para cidadãos de países europeus.

A polémica votação “contra a imigração em massa” foi proposta pelo Partido Popular Suíço, de direita, e está a ser acompanhada de perto por toda a Europa.

O partido defende que a Suíça deve abandonar o acordo de livre circulação de pessoas assinado em 1999 com a União Europeia, que permite acesso livre de cidadãos do bloco ao país, indica a BBC.

Apesar de não ser membro da UE, a Suíça é signatária de vários tratados do bloco e, em troca, ganha livre acesso ao mercado único europeu.

Actualmente, cidadãos de outros países europeus podem viver de três a seis meses na Suíça sem visto e, se tiverem um emprego, têm direito à residência no país sem restrições. Para cidadãos de outras nações já existem quotas de imigração em vigor.

A expansão da economia suíça, baixa taxa de desemprego (3%, contra 11% na UE em 2012), altos salários e generosos benefícios estatais são os grandes atractivos para os imigrantes das nações vizinhas.

Cerca de 1,87 milhão de pessoas ou 23% da população total da Suíça hoje é composta por imigrantes, segundo dados oficiais do governo. Trata-se da maior percentagem entre os países da Europa e corresponde à entrada de aproximadamente 63 mil estrangeiros em território suíço por ano. Italianos, alemães e portugueses são os maiores grupos.

Muitos defensores da introdução às quotas argumentam que a imigração crescente está a ter impacto no número de moradias disponíveis e na superlotação das redes de saúde e transporte públicos.

“Há demasiada gente”, diz o latifundiário Martin Haab à BBC News. “Nas estradas, nos comboios, e principalmente nas cidades.”

A sua quinta, nos arredores de Zurique, encontra-se entre uma via férrea e uma estrada movimentada.

“Fico preocupado com meu filho e com os meus netos. Se 80 mil continuarem a entrar todos os anos, em quatro décadas teremos 13 milhões de pessoas a morar cá. Isso ignifica que o noroeste da Suíça irá tornar-se numa grande cidade”, diz Martin Haab, que também é um político local pelo Partido Popular Suíço.

Tensão

A tendência crescente de “portas fechadas” à imigração é vista com preocupação por especialistas e suíços ouvidos pela BBC Brasil.

Para o professor de políticas migratórias da Universidade de Neuchâtel, Etienne Piguet, o debate sobre imigração reflecte o crescente mal-estar nacional sobre o assunto e a tensão com a UE.

Segundo ele, nos últimos 40 anos, estes referendos têm acontecido a cada cinco ou dez anos e estão relacionados com o sistema de democracia direta e ao facto de a Suíça ser um país que acolhe muitos imigrantes.

“Mas o mal-estar da população suíça em relação à imigração está a aumentar. A situação há cinco anos era mais aberta”, afirmou Piguet.

Para o especialista, se a iniciativa for aprovada, as consequências seriam grandes para a Suíça.

“O fim da imigração livre com a Europa significa provavelmente o fim de muitos outros acordos com a União Europeia, como parcerias científicas comerciais, académicas. E isso é extremamente delicado”, disse.

Crise e expansão

A crise económica no bloco e a expansão da União Europeia (Roménia e a Bulgária tiveram livre acesso ao mercado de trabalho de vários países da EU no início do ano) são vistas como ameaças.

“Os suíços têm medo de que, se a situação piorar noutros países da Europa, mais pessoas venham para cá à procura de emprego. Ninguém quer perder o alto padrão de vida daqui”, disse a brasileira-suíça Maria da Graça Almeida Costa, que mora em Genebra há 16 anos.

Uma pesquisa publicada em 29 de janeiro pela consultoria gfs.bern indicava que 50% dos eleitores votariam “não” às quotas e 43% “sim” – um aumento, porém, frente aos 37% de uma sondagem anterior divulgada em 10 de janeiro.

O governo e as empresas fazem coro contra a iniciativa. Nesta semana, a Câmara Internacional de Comércio da Suíça divulgou um comunicado que alertava que as quotas “enviariam um sinal claro contra o livre mercado e prejudicariam as companhias suíças, que contribuem muito para a economia do país”.

Representantes de 12 sectores empresariais, incluindo tecnologia, relógios e turismo também reclamaram em nota pública sobre a possível perda de mão-de-obra qualificada.

“As consequências seriam devastadoras para nosso mercado de trabalho, que depende de especialistas”, afirmou Heinz Karrer, presidente da companhia Economiesuisse.

O ministro da Economia suíço, Johann Chneider-Ammann disse em entrevista ao jornal local Tribune de Geneve que se os suíços votarem “sim”, empregos serão perdidos.

“Os suíços devem votar com as suas cabeças, não com o seu estômago”, disse o ministro.

Até 2015, outros dois referendos sobre imigração deverão acontecer no país. O grupo verde Ecopop planeia limitar a imigração a 0,2% do crescimento populacional do país e os suíços também deverão votar pela inclusão da Croácia no acordo de livre circulação feito com a União Europeia.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Iorque alerta que só terá material médico até 5 de abril

O presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, alertou esta sexta-feira que a cidade apenas tem material médico até 5 de abril, lembrando que a 'Big Apple' é atualmente o epicentro do novo …

Cientistas determinaram como é que o cérebro controla a voz dos morcegos

Segundo um recente estudo levado a cabo por biólogos da Universidade de Frankfurt, é um circuito neuronal específico no cérebro dos morcegos que controla as suas vozes. Os morcegos são conhecidos pelo seu exímio sentido de …

Detetadas outras nove misteriosas rajadas rápidas de rádio que se repetem

Foram detetadas nove outras Rajadas Rápidas de Rádio (FRB) que se repetem entre as 700 já identificadas desde outubro de 2018 pelo projeto científico CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment), que se baseia num telescópio localizado …

"Não é completamente de loucos" pensar que há vida em Mercúrio

Há a possibilidade, ainda que pequena, de que Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, possa abrigar vida, concluiu uma nova investigação. "É possível que, enquanto houver água, as temperaturas [no planeta] sejam apropriadas para …

O porta-aviões mais avançado do mundo tem um problema inesperado nas suas casas de banho

O porta-aviões de propulsão nuclear USS Gerald R. Ford, o mais avançado da Marinha dos Estados Unidos, tem um problemas nas suas casas de banho, que precisam de ser lavadas com ácido regularmente. De acordo com …

Retirada dos ricos, colapso dos transportes e medo do contacto. As cidades no pós-pandemia

Mesmo depois de a pandemia do novo coronavírus diminuir e voltar a ser seguro estar com outras pessoas, a sociedade pode nunca mais ser a mesma. A atual pandemia de Covid-19 está a mudar rapidamente a …

"Quando a Alemanha disser que há eurobonds, os holandeses vão pastar para outras paragens"

Ana Gomes mostrou-se satisfeita com a atuação de António Costa e Marcelo Rebelo de Sousa durante esta pandemia. A ex-eurodeputada deixou ainda duras críticas aos holandeses, que diz irem pastar para outras paragens quando os …

Coreia do Norte diz não ter casos de covid-19 (mas terá pedido ajuda secretamente)

Apesar de negar ter casos de infeção por covid-19, o novo coronavírus oriundo da China, a Coreia do Norte terá discretamente solicitado ajuda a outros países no combate da doença. As autoridades do país asiático terão …

Seguranças chineses usam óculos inteligentes que detetam pessoas com febre

Os seguranças do Parque Hongyuan, em Hangzhou, na China, conseguem detetar a temperatura corporal de todos os visitantes à distância de até um metro. Como? Graças a uns óculos inteligentes. De acordo com o jornal South …

"O cisne negro de todos os cisnes negros". Vírus é global, mas Portugal e Itália serão mais prejudicados

A grande pandemia motivada pelo coronavírus vai ser económica, consideram especialistas que acreditam que no pós Covid-19, o mundo mudará de forma significativa em várias áreas. Certo é que a crise económica vai afectar os …