Subida do mar força habitantes do famoso atol de Bikini a pedir refúgio nos EUA

USDoD / Wikimedia

A onda de choque das explosões atómicas no atol de Bikini inspiraram em 1946 o engenheiro francês Louis Réard a chamar bikini à sua invenção, o fato de banho feminino de duas peças que chocou o mundo.

A onda de choque das explosões atómicas no atol de Bikini inspiraram em 1946 o engenheiro francês Louis Réard a chamar bikini à sua invenção, o fato de banho feminino de duas peças que chocou o mundo.

Cerca de mil habitantes do conhecido atol de Bikini, na Oceania, pediram asilo aos Estados Unidos devido ao aumento no nível dos mares, que ameaça as suas habitações na ilha onde vivem.

Os habitantes do atol de Bikini, no arquipélago das Marshall, já tinham sido evacuados pelos EUA nos anos 1940, para a realização dos testes do programa de bombas atómicas americanas no local.

Na altura inédita, a “onda de choque” provocada pelas explosões atómicas no atol foi a razão pela qual o engenheiro francês Louis Réard chamou bikini à sua invenção, o fato de banho feminino de duas peças que em 1946 chocou o mundo.

Na década de 40, os habitantes foram levados para Kili, outra ilha do arquipélago das Marshall, ao abrigo de um acordo com os Estados Unidos, que estabelecia um fundo para ajudar os moradores do atol instalarem-se nas suas novas casas.

Agora, porém, os habitantes do atol pretendem que o governo americano altere as regras do fundo, e que possam usá-lo para se instalar nos Estados Unidos.

Os moradores afirmam que as marés, as mais altas já registadas no local, estão a invadir as suas casas estão a ser invadidas pelas águas.

Conhecidas como king tides, as marés ameaçam também a agricultura local e o abastecimento de água potável.

No início do ano, a pista do aeroporto local foi totalmente inundada, deixando a ilha isolada.

“Os habitantes de Bikini vieram até nós e pediram-nos para levar esta proposta aos Estados Unidos”, diz Tony de Brum, ministro dos Negócios Estrangeiros das Ilhas Marshall.

“Pedem que o fundo de realojamento seja usado para enviar as pessoas para os Estados Unidos e não apenas para outros locais das Ilhas Marshall”, adianta o governante local, citado pela BBC.

“O pedido que chegou foi feito com base no facto de que a ilha Kili está também inabitável devido às mudanças climáticas”, acrescentou.

Um acordo entre as Ilhas Marshall e os Estados Unidos prevê que os antigos moradores do atol de Bikini tenham direito a viver, trabalhar e estudar nos Estados Unidos, sem restrições quanto à duração de sua estadia.

O Departamento do Interior norte-americano tem apoiado as pretensões dos bikinianos, e apresentou ao Congresso americano uma proposta de lei para alterar os termos do fundo de realojamento.

O governo das Ilhas Marshall diz que a experiência dos habitantes de Bikini mostra a necessidade de um acordo global contra as mudanças climáticas – antes que o atol tenha o destino vaticinado para Kiribati, uma nação que vai ser engolida pelo Pacífico.

A expectativa recai sobre a conferência internacional COP 21, que tem lugar no final de novembro, em Paris, com o objetivo de que se alcance o maior acordo climático do mundo, em substituição do Protocolo de Kyoto.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Diário de oficial nazi revela localização de tesouro escondido na Polónia durante a 2.ª Guerra Mundial

Um diário que esteve na posse de uma sociedade secreta durante décadas contém um mapa que descreve a localização de mais de 30 toneladas de ouro escondidas pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito há …

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …