Stranger Things é um sucesso mundial, mas o fenómeno físico que lhe deu origem há muito que é conhecido

1

Investigadores dizem desconhecer uma forma física real de fazer a psicocinese  como é visível na série.

A nova temporada de Stranger Things parte de uma sequência de flashback, no fundo de um conhecido laboratório secreto na cidade fictícia de Hawkins, Indiana. As outrora crianças com cabeças rapadas movem objetos com a sua mente, projetam a sua consciência para lugares distantes e usam os poderes por razões sinistras. Apesar de o enredo ser rebuscado, as cenas não deixam de estar inspiradas por uma história verdadeira.

Os criadores basearam a série em programas experimentais humanos da vida real, tais como o projeto MKUltra e o projecto Star Gate. Conduzido pela CIA nos anos 50, o objetivo de MKUltra era explorar o potencial das técnicas de controlo da mente que poderiam dar à América uma vantagem na Guerra Fria. O Star Gate, em 1978, centrava-se em torno do potencial desenvolvimento de capacidades psíquicas.

Os programas envolviam a experimentação de LSD — que, no caso do MKUltra, era utilizado em cidadãos americanos sem o seu conhecimento – juntamente com a pesquisa de conceitos estranhos como telepatia, visão remota (onde alguém podia espiar outro local, usando a sua mente) e a psicocinese — o poder de movimentar as coisas através da mente.

A maior parte dos registos do Projecto MKUltra foram destruídos após o seu encerramento em 1977, ao passo que a informação desclassificada sobre o projeto Star Gate é vaga e a própria investigação considerada como tendo um valor duvidoso. O físico Patrick Johnson, professor associado da Universidade de Georgetown, duvida que qualquer dos programas tenha conseguido desenvolver uma forma de mover objetos com a sua mente.

“Não conheço nenhuma forma física real de fazer a psicocinese acontecer como vemos na série”, explica o especialista à Science Focus. “Quando movemos um objeto com as nossas mãos, a física fundamental de tudo isto é que os eletrões que rodeiam os átomos nas nossas mãos exercem uma força sobre os eletrões que rodeiam os átomos em qualquer objeto que estejamos a movimentar. A fim de mover as nossas mãos para mover o objeto, o nosso cérebro encaminha um sinal elétrico através dos músculos que lhes diz para se moverem.

Até “poderíamos incorporar um dispositivo que lê os sinais elétricos que o nosso cérebro envia à nossa mão. Esse dispositivo poderia então interpretar e aumentar o sinal para criar um campo eletromagnético direcionado, que poderia ionizar e manipular o objeto da mesma forma que os nossos cérebros direcionam as nossas mãos. No entanto, ressalva, “há muitos desafios a ultrapassar para fazer isto acontecer, além de exigir melhoramentos mecânicos”.

A ideia de os humanos desenvolverem poderes psicocinéticos — ou melhor, pessoas que afirmam ter desenvolvido ou testemunhado poderes psicocinéticos – é uma área de interesse para Richard Wiseman, professor da Universidade de Hertfordshire, que explica que os alegados poderes psicocinéticos tendem a apresentar-se sob três formas: micro, macro e biológico.

Nos “micro-fenómenos”, descreve, “tenta-se influenciar coisas como um gerador de números aleatórios num computador ou o lançamento de um dado, onde se tem de tentar lançar um número alvo. Estes tipos de estudos são enormemente problemáticos e nenhum dos seus efeitos sobreviveu ao derradeiro teste de replicação”. De facto, e tal como Wiseman explica, os estudos parapsicológicos defeituosos têm sido úteis para a psicologia convencional e outros campos da ciência.

Nas macro-situações , estamos perante “a grande coisa, que é mover mesas, dobrar colheres e assim por diante”, diz Wiseman. “E esse material está fortemente associado truques de mão”. A terceira vertente centra-se em torno da ideia de as pessoas influenciarem os sistemas biológicos e não os físicos. “É aqui que se tenta influenciar outra pessoa”, explica Wiseman. “E algumas dessas coisas são positivas, está-se a tentar fazê-las sentir melhor. E algumas delas é onde se tenta fazer-lhes coisas desagradáveis”.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.