/

Sondas da missão a Mercúrio vão passar pela Terra (e vão ser visíveis a olho nu)

A missão conjunta europeia e japonesa BepiColombo está a caminho de Mercúrio. Porém, para chegar lá, terá de passar novamente pela Terra.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Este evento acontecerá em 10 de abril e as pessoas nas latitudes do sul poderão vislumbrar a missão ao passar por cima de si, a 12.700 quilómetros do solo.

A missão foi lançada no final de 2018 e chegará ao planeta mais interno do Sistema Solar em 2025. É composta por dois satélites que estudarão o campo magnético de Mercúrio, bem como a sua estrutura e superfície interior. A missão voará pela Terra às 4h25 da manhã do dia 10 de abril.

“Esta é a última vez que veremos o BepiColombo da Terra”, disse Joe Zender, cientista adjunto de projetos do BepiColombo da Agência Espacial Europeia (ESA), em comunicado. “Depois disso, aprofundar-se-á no sistema solar interno”.

De acordo com o IFLScience, este sobrevoo é parte integrante da missão. Ir em direção ao centro do Sistema Solar não é uma tarefa fácil. O nosso planeta está a mover-se muito rapidamente em torno do Sol para que não caia. Tudo o que é lançado da Terra tem de lidar com essa velocidade. É necessária uma grande quantidade de energia para que o BepiColombo entre numa órbita estável.

Assim, a missão vai usar a Terra como um travão celestial. À medida que se aproxima, usará a força gravitacional do nosso planeta para desacelerar e dobrar a sua trajetória em direção às porções internas do Sistema Solar. A manobra foi planeada pela primeira vez pelo matemático e engenheiro italiano Giuseppe “Bepi” Colombo e empregada pela NASA pela primeira vez para enviar a sonda Mariner 10 para Mercúrio na década de 1970.

O sobrevoo deverá ocorrer sem problemas, mas há uma tensão devido às precauções adotadas pela ESA para proteger os trabalhadores do novo coronavírus, a covid-19. A equipa ainda está a trabalhar, mas com interação pessoal mínima.

“O balanço da Terra é uma fase em que precisamos de contacto diário com a nave espacial”, disse Elsa Montagnon, gerente de operações da BepiColombo da ESA. “Isto é algo que não podemos adiar. A sonda irá girar pela Terra independentemente, em qualquer caso”.

O próximo sobrevoo é a primeira das nove manobras de assistência à gravidade necessárias para que o BepiColombo alcance Mercúrio. Em 15 de outubro, realizará o primeiro de dois sobrevoos em Vénus, sendo o segundo em agosto de 2021. Os seis últimos serão manobras de aperto de órbita e acontecerão em Mercúrio a partir de 1 de outubro de 2021.

O BepiColombo deverá ser visível de leste a oeste na manhã de 10 de abril. Porém, a Lua estará particularmente brilhante, saindo da Super Lua mais brilhante de 2020 em 7 de abril, o que pode impedir as vistas da Terra. Por outro lado, Júpiter, Saturno e Marte estarão todos alinhados em 10 de abril e visíveis a olho nu.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.