/

Solar Orbiter prepara-se para sobrevoo festivo a Vénus

ESA/ATG medialab

A Solar Orbiter está a preparar-se para o primeiro de muitos voos de assistência gravitacional por Vénus a 27 de dezembro, para começar a aproximá-la do Sol e inclinar a sua órbita, de modo a observar a nossa estrela de diferentes perspetivas.

Assim como a maioria de nós permanecerá em segurança em casa sob várias medidas de confinamento devido à pandemia covid-19, durante o que é tradicionalmente um período de férias, o sobrevoo – um evento rotineiro no universo das naves espaciais – também será monitorizado remotamente pelos gerentes de operações da aeronave.

A aproximação mais adjacente acontecerá às 12:39 (hora portuguesa) no dia 27 de dezembro, onde a aeronave voará a cerca de 7500 km do topo das nuvens de Vénus. Os voos posteriores, a partir de 2025, incluirão encontros muito mais próximos de apenas algumas centenas de quilómetros.

Durante o próximo sobrevoo, vários instrumentos científicos in situ – MAG, RPW e alguns sensores de EPD – serão ligados para registar o ambiente magnético, de plasma e de partículas ao redor da aeronave conforme se encontra com Vénus (não é possível obter imagens de Vénus durante o sobrevoo porque a aeronave deve permanecer voltada para o Sol).

A fim de se alinharem adequadamente para o sobrevoo, os especialistas das estações terrestres da ESA e as equipas de dinâmica de voo conduziram uma campanha chamada “Delta-DOR”, usando uma técnica avançada – Delta-Differential One-Way Ranging – para determinar com precisão a posição da aeronave no espaço e a sua trajetória.

Na Delta-DOR, é usado um conjunto de estações terrestres, amplamente separadas na Terra, para receber os sinais de rádio da aeronave, dando um primeiro resultado para a sua localização. Em seguida, este resultado é comparado a localizações de fontes de rádio estelares conhecidas, previamente mapeadas por outras missões, resultando num gráfico final corrigido e ultrapreciso. A técnica Delta-DOR permite aos operadores determinar a localização de uma aeronave dentro de algumas centenas de metros, mesmo a uma distância de 100 milhões de km.

A trajetória da Solar Orbiter em torno do Sol foi escolhida para estar “em ressonância” com Vénus, o que significa que retornará à vizinhança do planeta a cada poucas órbitas e poderá usar novamente a gravidade do planeta para alterar ou inclinar a sua órbita.

O próximo encontro será em agosto de 2021, que também acontecerá alguns dias após a próxima assistência de gravidade da BepiColombo.

Inicialmente, a Solar Orbiter ficará confinada ao mesmo plano dos planetas, mas cada encontro com Vénus aumentará a sua inclinação orbital. Em 2025, fará a sua primeira passagem solar com inclinação de 17º, aumentando para 33º no final da década, trazendo ainda mais regiões polares à vista direta. Isto fará com que a aeronave seja capaz de obter as primeiras imagens das regiões polares do Sol, cruciais para entender como o Sol “funciona”, para investigar a ligação Sol-Terra e como podemos prever melhor os períodos de clima espacial tempestuoso.

  // CCVAlg

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.