1056 segundos. O “Sol artificial” da China bateu mais um recorde

3

O “Sol artificial” da China estabeleceu um novo recorde na passada quinta-feira: conseguiu manter a alta temperatura do plasma durante 1056 segundos.

O Experimental Advanced Superconducting Tokamak (EAST) atingiu a temperatura plasmática de 120 milhões de graus Celsius durante 101 segundos e 160 milhões de graus Celsius durante 20 segundos em maio de 2021, estabelecendo o recorde.

Na passada quinta-feira, somou mais uma conquista: conseguiu manter a alta temperatura do plasma, de 70 milhões de graus Celsius, durante 1056 segundos (17 minutos e 36 segundos).

Estas temperaturas são superiores às encontradas na camada externa visível do Sol, que atinge 6.000°C. Já no núcleo, onde é produzida a energia solar, as temperaturas podem chegar aos 15 milhões de graus Celsius.

“A recente operação estabelece uma base científica e experimental sólida para o funcionamento de um reator de fusão nuclear”, reagiu Gong Xianzu, investigador do Instituto de Física do Plasma da Academia Chinesa de Ciências, citado pelo South China Morning Post.

Gong foi o responsável pela experiência no EAST, localizado no Instituto Hefei de Ciências Físicas da Academia, na província de Anhui.

A instalação mereceu o nome de “Sol artificial” por imitar a reação de fusão nuclear que alimenta a nossa estrela, que utiliza hidrogénio e gases de deutério como combustível.

A energia de fusão é considerada a “energia suprema” para um futuro energético neutro em carbono, uma vez que o hidrogénio e os gases de deutério são abundantes, limpos e têm o mínimo de produtos residuais.

Assim que os investigadores conseguirem dominar a tecnologia, a fusão nuclear terá o poder de fornecer energia limpa quase ilimitada e a custos notavelmente baixos.

EAST é um dos três principais tokamaks em funcionamento na China. O reator de fusão tokamak HL-2M está localizado em Chengdu, no sudoeste do país, e o terceiro na cidade de Wuhan.

  Liliana Malainho, ZAP //

3 Comments

  1. Sugestão: usar a norma da International Bureau of Weights and Measures de NÃO usar nem ponto, nem vírgula como separador de milhares, mas sim um espaçamento. (Mais, creio, aqui não estou certo, o espaço só deve aparecer para números com mais de 4 dígitos, então o título deveria ter “1056 segundos”.)

    • Assino por baixo. Só depois de ler no texto que a duração era de 17 minutos e tal é que fiquei esclarecido. Até então, tanto podia ser um segundo e picos como mil e tal segundos. Escrever números assim é muito, mas mesmo muito mau!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE