Filipe Pinhal: Sócrates terá influenciado Berardo a comprar ações do BCP

Tiago Petinga / Lusa

O ex-administrador do BCP, Filipe Pinhal

O ex-administrador do BCP Filipe Pinhal sugeriu esta terça-feira que o antigo primeiro-ministro José Sócrates terá influenciado o empresário José Berardo para reforçar a sua posição no banco, com recurso a financiamento da CGD.

Durante a sua audição na segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão do banco público, Filipe Pinhal contou que, numa conversa que teve com Joe Berardo, lhe perguntou porque é que se já tinha “3,88%, uma posição qualificada, queria subir para 7%”, e por que motivo iria “investir 400 milhões de euros”.

“Eu ainda estou para saber como é que aquele homem me enfeitiçou, como é que aquele homem me deu a volta, como é que eu me meti nesta de ir comprar financiado desta maneira”, terá respondido José Berardo, de acordo com Filipe Pinhal.

Para o ex-administrador do BCP a pessoa mencionada por Berardo “só podia ser ou Paulo Teixeira Pinto [ex-presidente do BCP], ou o senhor José Sócrates”, sendo que para Filipe Pinhal “a palavra de Paulo Teixeira Pinto teria pouco peso” para José Berardo, ao passo que “a palavra do senhor primeiro-ministro valeria mais”.

José Berardo referia-se à concessão de crédito da CGD às sociedades ligadas a si para adquirir ações no BCP, cuja garantia eram as próprias ações, que depois desvalorizaram e geraram grandes perdas para o banco público.

De acordo com a interpretação de Filipe Pinhal, a alegada influência de José Sócrates sobre Berardo estaria relacionada com a “guarda da coleção [de arte, no Centro Cultural de Belém] com despesas pagas pelo Estado”.

Mais tarde, Filipe Pinhal disse também que era “indesmentível que o Governo […] tinha uma grande influência quer na CGD quer no Banco Espírito Santo“, não se referindo exclusivamente a José Sócrates, e relembrou que “se o Governo tivesse possibilidade de exercer influência no BCP controlava à volta de 60% do mercado de crédito”.

O ex-administrador do BCP referiu ainda “o namoro que o engenheiro José Sócrates fazia nesse momento a Angola”, relacionando-o com um aumento de capital da Sonangol.

“No dia 1 de junho de 2007 a Sonangol anunciou a tomada de posição de 2% no capital do BCP e anunciou a sua intenção de fazer subir essa posição, como veio a acontecer”, lembrou Filipe Pinhal, acrescentando que a petrolífera angolana “fez isso depois de se aconselhar com o senhor José Sócrates”.

Não se deve pensar que a “Sonangol vinha desencadear uma tempestade em Portugal sem autorização do primeiro-ministro”

“Palavras do senhor Manuel Vicente e Carlos Silva na minha presença e de outras pessoas”, garantiu Filipe Pinhal, que revelou que os responsáveis angolanos “tiveram uma entrevista com Vítor Constâncio” para abordar a operação. Mais tarde, o ex-administrador do BCP disse ainda que não se deveria pensar que “a Sonangol vinha desencadear uma tempestade em Portugal sem autorização do primeiro-ministro“.

Filipe Pinhal disse ainda que na qualidade de administrador do BCP não se “sentava com quem desenhava a estratégia”, que estaria “a ser desenhada noutro lado”.

O ex-administrador do BCP sublinhou ainda que numa reunião de 21 de dezembro de 2007, “o senhor Vítor Constâncio convoca Carlos Santos Ferreira [então presidente da CGD] e Fernando Ulrich [então presidente do BPI]” para “decidir um assunto sobre um concorrente”, nomeadamente a composição da administração.

Filipe Pinhal referiu que a marcação para dia 21 de dezembro, antes das férias de Natal, não foi feita “por acaso”, e que ficou surpreendido por Santos Ferreira e Ulrich “não se sentirem inibidos” em participar na reunião.

O ex-administrador do BCP classificou ainda Vítor Constâncio, Fernando Teixeira dos Santos [então ministro das Finanças] e José Sócrates de “triunvirato que deitou a bênção” sobre as operações que envolveram o BCP.

“Houve uma teia urdida em vários pontos, que teve um diretório claro constituído por José Sócrates, Teixeira dos Santos e Vítor Constâncio, e depois vários operacionais, cada um a fazer o seu papel”, acusou, referindo-se falava à guerra de poder que houve no BCP em 2007, que acabou no ano seguinte com a entrada de Carlos Santos Ferreira, vindo da CGD, para a presidência, e com a Sonangol a assumir o lugar de principal acionista.

“Poder de fogo extraordinário” de Berardo

Na mesma audição, Filipe Pinhal disse que “de 2008 a 2012 o presidente do BCP” foi o empresário José Berardo, que tinha “poder de fogo extraordinário” no seio do banco. “De 2008 a 2012 o presidente do BCP foi o senhor Berardo“, disse Filipe Pinhal, uma afirmação que segundo o próprio iria “surpreender” os deputados.

Filipe Pinhal explicou que “o senhor Berardo foi presidente da comissão de remunerações”, e que da mesma comissão “fazia parte, como vogal, o senhor Luís Champalimaud”.

Já Carlos Santos Ferreira, presidente do BCP no período mencionado, “tinha sido empregado de Luís Champalimaud na Mundial Confiança” e por isso “estava num plano subordinado”, disse o ex-administrador do BCP.

“Não tenho dúvidas que o senhor Berardo falava grosso a Luís Champalimaud na comissão de remunerações”, prosseguiu Filipe Pinhal, dizendo que Champalimaud “calava e dizia a Santos Ferreira” o que é que Berardo desejava.

“Qual dois é que se atrevia a enfrentar o senhor Berardo? Como é que Santos Ferreira metralhava Berardo sabendo que foi este que o pôs no BCP?”, questionou Filipe Pinhal, acrescentando que a CGD também não questionava o empresário por saber que Berardo iria aparecer na comunicação social. Para Filipe Pinhal, José Berardo “tinha um poder de fogo extraordinário, metralhava sobre quem quisesse“.

O antigo admnisrador disse que pediu a José Berardo para “deixar o BCP em paz” em 2007, desmentindo afirmações do empresário madeirense sobre o papel de Pinhal nas operações para compra de ações do banco. “Gostava de desmentir o senhor José Berardo”, disse Filipe Pinhal, acrescentando que seria “pouco provável” que “estivesse a ajudar” o empresário a alcançar mais votos para o destituir.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Começam a falar já é alguma coisa. As pessoas mesmas as lesadas têm MEDO de falar. Estamos novamente no tempo de FASCISMO que não se podia falar. Quem fala é automaticamente aniquilado, mais que não seja profissionalmente, o que se vai refletir em todos os outros pontos da vida das pessoas.

RESPONDER

Cientistas captam atmosfera de um extraordinário exoplaneta que não deveria existir

Uma equipa de cientistas da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, captou a atmosfera de um exoplaneta "que não deveria existir" ao analisar dados do telescópio TESS da agência espacial norte-americana (NASA). O planeta em causa …

Refrigerantes light causam o mesmo risco de doenças cardíacas que bebidas normais

Um novo estudo da Universidade Sorbonne, em Paris, descobriu que bebidas adoçadas artificialmente - como as light, diet e zero - podem ser tão prejudiciais para o coração quanto os refrigerantes normais. Os investigadores, que acompanharam …

“Monstro patológico”. Documento revela que Henrique VIII planeou decapitação de Ana Bolena

Uma equipa de investigadores encontrou um livro que contém instruções específicas do rei Henrique VIII que mostram que o monarca queria que a sua segunda esposa, Ana Bolena, fosse executada. Neste documento, o rei Henrique VIII …

Robô humanóide sem cabeça empilha e carrega caixas (e já está à venda)

A fabricante de robôs Agility construiu um robô humanóide bípede chamado Digit, que consegue carregar caixas e que está a ser vendido por 250 mil dólares. De acordo com o TechXplore, o robô Digit foi projetado …

Porto 2-0 Olympiacos | Chama do “dragão” trava gregos

O FC Porto venceu na noite desta terça-feira o Olympiacos por 2-0, numa partida relativa à segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões, sob o olhar dos cerca de 3750 adeptos que se …

Antigos maias construíram filtros de água sofisticados (capazes de funcionar nos dias de hoje)

De acordo com uma pesquisa da Universidade de Cincinnati (UC), os antigos maias da cidade de Tikal construíram sofisticados filtros de água através do uso de materiais naturais importados. Os investigadores da UC descobriram evidências de …

Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios)

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem.  Ao longo dos …

ONG identifica entidades norte-americanas como "cúmplices" da destruição da Amazónia

Seis instituições financeiras norte-americanas são apontadas como "cúmplices" da destruição ambiental na Amazónia brasileira, assim como da violação dos direitos das comunidades indígenas da região, segundo um relatório de organizações não-governamentais (ONG). Um estudo elaborado pela …

OE2021. Uma morte anunciada da geringonça e o temor das coligações negativas

Já há confirmação de que a proposta do Orçamento do Estado para 2021 vai ser aprovada na generalidade, esta quarta-feira. O primeiro-ministro já só pensa na discussão na especialidade, na qual se avizinham os maiores …

Mulheres foram despidas em aeroporto do Catar para ver se tinham dado à luz recentemente

Várias passageiras australianas foram submetidas a um exame ginecológico após ter sido descoberto um bebé recém-nascido abandonada na casa de banho do Aeroporto Internacional de Hamad, em Doha, no Catar. O voo da Qatar Airways deveria …