Sistema que evitava acidentes foi rejeitado por ser caro, diz engenheiro da Boeing

Um engenheiro da Boeing apresentou queixa contra a própria empresa, acusando-a de ter evitado a aplicação de um sistema de segurança por ser caro.

Um engenheiro da Boeing apresentou queixa contra a própria empresa, acusando-a de ter evitado a aplicação de um sistema de segurança no 737 Max, destinado a corrigir as falhas que se presumem estar na causa dos acidentes da Etiópia e da Indonésia. Segundo a queixa, a direção da Boeing estava “mais preocupada com os custos e com os prazos do que com segurança e qualidade”.

Segundo o Observador, o engenheiro refere na queixa que chegou a ser desenvolvido um sistema de cálculo da “velocidade sintética”, que permitiria alertar os pilotos para quando o “ângulo de ataque” (a posição do avião em pleno ar) fosse desaconselhada ou perigosa.

Ainda assim, aponta que a empresa evitou aplicar esse sistema de segurança ao Boeing 737 Max, porque isso obrigaria a novos e dispendiosos testes a serem feitos por pilotos em simuladores de voo. O sistema acabou por ser aplicado mais tarde noutro modelo da Boeing, o 787 Dreamliner.

A queixa foi apresentada ao Departamento de Justiça e analisada pelo norte-americano The New York Times, que identifica o engenheiro como Curtis Ewbank. De acordo com o profissional – que trabalhou para a Boeing entre 2010 e 2015, tenho regressado à empresa no ano passado -, a sua saída em 2015 deveu-se em parte às suas preocupações sobre a alegada falta de prioridade dada à segurança na construção dos aviões.

Ainda que não seja “possível dizer com toda a certeza que qualquer aplicação do sistema de velocidade sintética no 737 Max teria prevenido os acidentes” da Indonésia e da Eitópia, é claro para o engenheiro que a empresa deveria ter outras prioridades, ao invés de evitar custos em detrimento da segurança.

Ao The News York Times, um ex-funcionário da Boeing confirmou a acusação de Curtis Ewbank. Contudo, acrescentou que a queixa do engenheiro era exagerada quanto à possibilidade de o sistema de “velocidade sintética” corrigir as situações que levaram aos acidentes de outubro de 2018 e março de 2019.

A Boeing também reagiu a estas declarações, rejeitando em comunicado enviado ao jornal as acusações de Curtis Ewbank, dizendo que “a segurança, a qualidade e a integridade estão no centro dos valores da Boeing”.

“A Boeing oferece aos seus empregados vários canais para expor as suas preocupações e queixas e tem processos rigorosos a decorrer, tanto para assegurar que estas queixas são devidamente consideradas como para proteger a confidencialidade dos empregos que as fazem”, completou o porta-voz da Boeing Gordon Johndroe.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …

França confirma 3 casos de coronavírus chinês. Já chegou à Austrália e Malásia

Depois de França ter confirmado três pessoas infetadas com o novo coronavírus oriundo da China, também a Austrália e Malásia reportaram casos. As autoridades da Malásia anunciaram este sábado terem registado os primeiros três casos de …

Amadora. Agredido motorista de autocarro que denunciou Cláudia Simões

Foi agredido o motorista de autocarro que chamou a PSP para denunciar a passageira Cláudia Simões, que alegou posteriormente ter sido agredida pelos agentes da polícia. As agressões tiveram lugar na noite desta sexta-feira, em …

"Dos 4 mil euros que ganho, 3 mil vão para os frades". O padre Vítor Melícias recusa que Tomás Correia ainda controle o Montepio

O padre Vítor Melícias, presidente da Assembleia Geral do Montepio, diz que Tomás Correia "faz falta, mas fez muito bem" em abandonar a liderança da mutualista Montepio. "Dizer que Tomás Correia continua a controlar através …

Amesterdão prepara-se para comprar dívidas dos seus jovens

A partir de fevereiro, a capital dos Países Baixos vai comprar dívidas dos seus jovens para ajudá-los a recomeçar e a construir um futuro. Numa nota publicada esta semana na página oficial do Governo local …

PJ acredita que Rui Pinto é o denunciante dos Luanda Leaks

A Polícia Judiciária acredita que o hacker português Rui Pinto é o denunciante dos Luanda Leaks, que revelou mais 715 mil ficheiros sobre alegados esquemas fraudulentos que envolvem a empresária angolana Isabel dos Santos. A …

Descobertos na Sibéria vestígios de um mítico povo que "vivia debaixo da terra"

Uma equipa de arqueólogos russos encontrou na península de Taimyr, na Sibéria, vestígios do mítico povo Sikhirtia, avança a Russia Today. Os investigadores encontraram na pequena baía de Makárov uma caverna reforçada com uma estrutura de …

Greenpeace na lista de grupos extremistas da polícia britânica

As organizações ambientalistas Greenpeace e Extinction Rebellion foram incluídas num documento da polícia britânica contraterrorismo que elenca grupos extremistas e potencialmente perigosos, escreve o jornal The Guardian. De acordo com o diário britânico, que avança a …