/

Síria pode ter o memorial de guerra mais antigo do mundo

(dr) University of Toronto

O Monumento Branco em Tal Banat, na Síria

O Monumento Branco, na cidade de Tal Banat, na Síria, era considerado uma antiga vala comum de combatentes inimigos. No entanto, um novo relatório sugere agora que pode ser, afinal, o memorial de guerra mais antigo do mundo.

O Monumento Branco, na cidade síria de Tal Banat, era considerado uma antiga vala comum, onde eram depositados os corpos de combatentes inimigos. Mas um novo relatório, publicado na Antiquity na passada sexta-feira, sugere que foi, afinal, um memorial para os mortos durante as batalhas, em 3000 a.C.

A localização sistemática dos cadáveres sugere que o Monumento Branco era, provavelmente, um memorial a um exército estadual, embora haja também a possibilidade de inimigos mortos terem sido enterrados no mesmo local.

Há vários lugares semelhantes espalhados pelo norte da Síria e alguns são considerados monumentos de conquistas em batalha, com exércitos derrotados enterrados aleatoriamente em valas comuns. Segundo o The Guardian, muitos têm inscrições da Mesopotâmia como tributo à vitória.

O local de Tal Banat difere tanto na organização dos corpos, quanto na composição do próprio monte: a cuidadosa organização sugere que o Monumento Branco foi compilado como um tributo aos mortos na guerra.

Anne Porter, investigadora da Universidade de Toronto, no Canadá, explicou ao diário britânico que não se sabe “se foram os vencedores ou os derrotados na batalha” a serem enterrados na vala.

“Sabemos que levaram os corpos dos mortos de um outro lugar, talvez muito depois do evento, e que os enterraram num monte enorme visível a quilómetros de distância”, disse.

Esta descoberta pode ser o primeiro memorial organizado de guerra do mundo. A teoria de Porter sugere que a construção deste memorial poderia ter como objetivo enviar uma mensagem clara a outras comunidades próximas.

Além disso, levanta a possibilidade de ainda ser desconhecido o significado de outras estruturas semelhantes na região e no centro da Síria.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.