Sindicato de Todos os Professores marca greve para primeira semana de dezembro

Paulo Novais / Lusa

O Sindicato de Todos os Professores convocou uma greve de docentes e não docentes, dos setores público e privado, para a primeira semana de dezembro.

O Sindicato de Todos os Professores (S.T.O.P.) convocou uma greve para a primeira semana de dezembro de docentes e não docentes, para exigir mais trabalhadores nas escolas e condições de trabalho e segurança durante a pandemia.

A greve, que começa a 30 de novembro e termina a 4 de dezembro, dirige-se a todos os trabalhadores das escolas, da investigação científica e cultural e da formação profissional, quer trabalhem em estabelecimentos públicos ou privados. A única exceção à greve será o serviço associado a exames, explica o STOP em comunicado.

As razões da greve prendem-se com as condições de trabalho mas também com a forma como está a ser tratada a pandemia de covid-19 nos estabelecimentos de ensino.

O sindicato exige que seja desenhado um protocolo igual em todo o país que “torne uniformes as medidas a adotar perante infeções da covid-19 nas escolas”, com testes para todos os contactos próximos, incluindo os da escola.

Também os procedimentos de prevenção da covid-19 devem ser uniformizados em todas as escolas, nomeadamente a medição da temperatura corporal a toda a comunidade educativa à entrada dos estabelecimentos de ensino. O STOP defende ainda que sejam colocados separadores acrílicos entre alunos e alunos/professores dentro das salas de aula.

Por outro lado, o sindicato queixa-se da falta de transparência na informação e pede que sejam conhecidos “os reais números de casos Covid-19” em ambiente escolar: “A sociedade tem direito a saber o que realmente se passa nas nossas escolas e não é com ‘secretismos’ que as escolas ganham confiança das comunidades educativas”.

Outra das exigências é a contratação de todo o pessoal docente e não docente que é necessário para acompanhar devidamente os alunos. “Também é fundamental a valorização destes profissionais da educação (em particular do pessoal não docente) cada vez mais essenciais para a segurança e bem-estar dos nossos alunos e de todas as comunidades educativas”, acrescenta o STOP.

Para os sindicalistas é ainda necessário um regime de proteção dirigido aos profissionais de educação que fazem parte dos grupos de risco no contexto da pandemia, que estão definidos pela Direção-Geral da Saúde.

O STOP volta a exigir que se reduza o número de alunos por turma, lembrando que tal medida traz vantagens no contexto atual da pandemia, mas permite também uma melhor qualidade de ensino.

“Apesar da narrativa do governo, em muitas escolas não estão garantidas condições de segurança e de qualidade de ensino para os alunos, profissionais de educação e respetivas famílias”, acusa o sindicato.

O STOP lembra que ainda existem “milhares de alunos sem professores de várias disciplinas” assim como “faltam milhares de assistentes operacionais nas escolas, estes que são particularmente essenciais para garantir a higiene e segurança neste contexto de pandemia”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal tem o segundo melhor ataque do Euro. E a terceira pior defesa

Fechada a segunda jornada da fase de Grupos do Euro 2020, a seleção nacional tem o segundo melhor ataque da prova, com 5 golos marcados, atrás apenas da Itália. Mas tem também a terceira pior …

Espanha 1-1 Itália | Hino ao desperdício trama La Roja

A Polónia, comandada pelo treinador português Paulo Sousa, empatou hoje a um golo com a Espanha, em Sevilha, em encontro da segunda jornada do Grupo E do Euro2020, mantendo-se ambas sem vitórias. A formação espanhola, que …

Já pode ajudar a NASA a batizar o manequim que vai até à Lua

A agência espacial norte-americana está a pedir ajuda para batizar o "Moonikin", o manequim que vai a bordo da nave Orion, durante a missão lunar Artemis I, ainda este ano. Quando a nave espacial Orion, da …

Portugal em Europeus: as últimas três derrotas foram (todas) contra a Alemanha

Em 90 minutos, Portugal não era derrotado numa fase final de um Europeu desde a estreia no Europeu 2012. Recorde as seleções que bateram Portugal, até agora. "Já não posso ver os franceses à frente". Esta …

Spotify lança Greenroom (e abre concorrência ao Clubhouse)

O Spotify lançou na quarta-feira, dia 16 de junho, uma app de conversas por áudio em direto chamada Greenroom, uma resposta do gigante sueco de streaming de música à popular plataforma Clubhouse. O Greenroom permite que …

"Médicos de árvores" em Singapura ajudam a preservar os seus pacientes gigantes

Arboristas como Eric Ong são responsáveis pelo bem-estar das milhares de árvores em Singapura. O seu trabalho é essencial para a preservação da natureza. A Singapura é uma cidade-estado insular situada ao sul da Malásia, com …

Novo primeiro-ministro de Israel dá 14 dias a Netanyahu para deixar residência oficial

O novo primeiro-ministro de Israel, Naftali Benet, deu duas semanas ao antecessor Benjamin Netanyahu para abandonar a residência oficial do chefe de Governo, em Jerusalém, segundo adianta hoje a imprensa local. Benet terá enviado na sexta-feira …

Ponte inca com mais de 500 anos é reconstruída após cair durante a pandemia

Peruanos da comunidade Huinchiri, localizada na região de Cusco, estão a reconstruir uma ponte inca com 500 anos. Esta foi feita a partir de técnicas tradicionais de tecelagem para criar uma passagem sob o Rio …

Portugal 2-4 Alemanha | Reality check ao plano do engenheiro

A seleção portuguesa de futebol, campeã em título, caiu hoje para o terceiro lugar do Grupo F do Euro2020, ao perder por 4-2 com a Alemanha, em encontro da segunda jornada, disputado no Allianz Arena, …

Pandemia mostrou “falta de proteção das mulheres”

A pandemia de covid-19 mostrou “a vulnerabilidade e a falta de proteção das mulheres e quão pouco as sociedades se preocupam realmente em proteger elementos-chave em matéria de segurança”, considera Edit Schlaffer, diretora-executiva da Women …