Sancto Lucio de Coumboscuro. A aldeia italiana onde não se fala italiano

3

Sancto Lucio de Coumboscuro, apelidada por muitos de a “Pequena Província” de Itália, é uma aldeia isolada e peculiar. A língua oficial é o provençal, um antigo dialeto medieval neolatino do occitano, a língua falada em toda a região occitânia de França.

Os prados montanhosos são a casa de apenas 30 pessoas, que vivem nesta pequena aldeia isolada e enfrentam dificuldades como falhas constantes de eletricidade durante o Inverno ou a fraca ligação à Internet.

Ainda assim, o sossego de Sancto Lucio de Coumboscuro faz desta província o local ideal para os turistas que procuram aproveitar as férias para descansar.

Em total harmonia com a natureza, também o estilo de vida dos habitantes é lento e simples. Enquanto muitos dos residentes mais jovens da aldeia fugiram em busca de um futuro melhor, Agnes Garrone e os seus irmãos decidiram ficar e trabalhar nas terras dos seus antepassados.

“Não temos televisão. Não se sente falta do que nunca se teve. Quando há uma falha de energia durante 15 dias seguidos, não há razão para pânico: desenterramos as velhas lâmpadas de petróleo dos nossos avós”, disse a pastora, à CNN.

“Estou habituada a acordar ao amanhecer para cuidar das ovelhas. Trabalho 365 dias por ano, sem férias. Não conheço Natal nem véspera de Ano Novo, porque mesmo durante as festividades, os meus rebanhos precisam de comer e de ser tratados. É uma vida de sacrifício, mas é tão gratificante quando se vê um cordeiro nascer”, acrescentou.

A jovem de 25 anos considera o provençal, uma mistura entre o francês e o italiano, como a sua língua materna, em detrimento do italiano. Para Agnes Garrone , fazer parte de uma comunidade sócio-cultural e linguística que remonta a séculos atrás dá-lhe um forte sentido de identidade e de pertença territorial.

A área da região do Piemonte, onde se situa a aldeia, passou entre o domínio italiano e francês várias vezes durante a sua história, o que de certa forma explica o facto de os habitantes não se sentirem nem italianos, nem franceses.

A população da aldeia diminuiu durante muitos anos, até ter passado por uma espécie de renascimento nos anos 50, quando o avô de Garrone, Sergio Arneodo, assumiu o cargo de professor da escola da aldeia.

Depois de estudar a língua local ancestral, ajudou a recuperar as raízes linguísticas e o apelo da língua provençal, proporcionando à comunidade um impulso muito necessário.

Atualmente, quer se trate de uma peça de teatro, espetáculos de arte, concertos, festivais, danças folclóricas, concursos, laboratórios de escrita ou mesmo lojas de artesanato, há muitas atividades e eventos diferentes que celebram as tradições provençais.

Ainda assim, o provençal continua a ser uma língua em perigo de extinção futura, tendo sido inscrita no Atlas das Línguas Mundiais em Perigo pela UNESCO em 2010.

  ZAP //

3 Comments

  1. Só para lembrar que em Itália, a região de Trentino no Norte do país junto à fronteira com a Áustria, é uma região germânica em que a população fala maioritariamente Alemão.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE