Saladas prontas a comer: um paraíso para os patógenos

O setor de saladas prontas para consumo é um excelente exemplo de inovação, mas também um grande veículo de novas doenças.

As saladas prontas a comer ganharam popularidade desde a sua introdução na Europa, no início dos anos 80, e ainda hoje são uma presença assídua nas nossas cozinhas. Aliás, segundo o EurekAlert, espera-se que a popularidade destas saladas aumente.

À medida que esta indústria cresce, aumenta também o número de novas doenças. Há muitas razões que explicam este aumento, de acordo com um novo artigo científico publicado recentemente na Plant Disease.

O primeiro fator relaciona-se com o facto de estes produtos sazonais serem cultivados sob alta densidade de culturas, em cinco ou seis ciclos por ano nas mesmas quintas especializadas, com falta de rotação adequada das culturas e carência de fungicidas.

Além disso, o comércio internacional afastou as culturas dos seus ambientes originais para solos estrangeiros, onde podem encontrar novas doenças.

Em alguns casos, níveis muito baixos de contaminação de sementes podem levar ao rápido surgimento de novas doenças em novas áreas geográficas, resultando em graves perdas, rompendo o equilíbrio biológico do ambiente e, por vezes, provocando uma epidemia devastadora.

As alterações climáticas são – e sem surpresa – um fator preocupante. As mudanças do clima interagem com a globalização e influenciam o desenvolvimento e a disseminação de patógenos vegetais.

O aumento da temperatura também reduz a resistência da planta aos patógenos. Isto significa que as estratégias de controlo de doenças devem ser reavaliadas para lidar com novas temperaturas mais quentes. Os cientistas adiantam ainda que estes novos patógenos são frequentemente caracterizados por uma preferência por altas temperaturas.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. “As alterações climáticas são – e sem surpresa – um fator preocupante. As mudanças do clima interagem com a globalização e influenciam o desenvolvimento e a disseminação de patógenos vegetais.” – lol

  2. Esperem lá um pouco.
    Admitindo que as “saladas prontas para consumo” são preparadas com cuidados de higiene e limpeza adequados ao consumo humano, que diferença há em comprar os produtos vegetais base numa superfície comercial usual e depois prepará-los em casa?
    A fonte não será a mesma -produção intensiva em zonas afastadas- para aqueles que não adquirem em mercados locais ou fazem o seu próprio cultivo?
    E o nível de lavagem/limpeza na casa de cada um não é um factor deteminante para a sobrevivência desses patogénicos?
    No caso da compra desses elelemntos já embalados o que também não é desprezável são as próprias embalagens, todas descartáveis.

RESPONDER

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …

França confirma 3 casos de coronavírus chinês. Já chegou à Austrália e Malásia

Depois de França ter confirmado três pessoas infetadas com o novo coronavírus oriundo da China, também a Austrália e Malásia reportaram casos. As autoridades da Malásia anunciaram este sábado terem registado os primeiros três casos de …

Amadora. Agredido motorista de autocarro que denunciou Cláudia Simões

Foi agredido o motorista de autocarro que chamou a PSP para denunciar a passageira Cláudia Simões, que alegou posteriormente ter sido agredida pelos agentes da polícia. As agressões tiveram lugar na noite desta sexta-feira, em …

"Dos 4 mil euros que ganho, 3 mil vão para os frades". O padre Vítor Melícias recusa que Tomás Correia ainda controle o Montepio

O padre Vítor Melícias, presidente da Assembleia Geral do Montepio, diz que Tomás Correia "faz falta, mas fez muito bem" em abandonar a liderança da mutualista Montepio. "Dizer que Tomás Correia continua a controlar através …