/

Roubado canhão do reinado de D. João V da Fortaleza de Valença

5

Mais Norte / Facebook

Canhão da Fortaleza de Valência

Canhão da Fortaleza de Valença em foto tirada em 2019.

Um canhão do século XVIII foi roubado, na última madrugada, da Fortaleza de Valença. Pertencente ao Arsenal Real do Exército, o canhão data do reinado de D. João V e tem um “incalculável valor histórico e patrimonial”.

“Trata-se de um magnífico exemplar de armamento bélico, que estava exposto no Baluarte do Socorro, no interior” da Fortaleza, revela a Câmara de Valença em comunicado citado pela agência Lusa.

“Ao que tudo indica, o canhão foi arremessado muralha abaixo, para um patamar intermédio, e novamente atirado para o fosso da Fortaleza, onde terá sido recolhido e transportado”, indica a autarquia.

O presidente da Câmara de Valença, José Manuel Carpinteira, mostra-se “profundamente revoltado e indignado com mais uma situação de roubo/vandalismo na cidade”, desta vez a um “elemento de incalculável valor histórico e patrimonial“, como aponta o comunicado da autarquia.

A Polícia Judiciária já esteve no local a recolher provas.

Entretanto, os restantes canhões existentes na Fortaleza foram retirados e guardados para prevenir eventuais novas tentativas de furto.

A Fortaleza é o principal ex-líbris de Valença, sendo anualmente visitada por mais de dois milhões de pessoas. Trata-se de um monumento nacional, candidata a Património da Humanidade, que assume particular importância pela dimensão, com uma extensão de muralha de 5,5 quilómetros, e pela História, tendo sido, ao longo dos seus cerca de 700 anos, a terceira mais importante de Portugal.

A infraestrutura desempenhou um papel preponderante na defesa dos ataques de Espanha e chegou a receber cerca de 3.500 homens, em dois regimentos do Exército. A presença militar só terminou em 1927, com a saída do último batalhão do Exército.

Em Dezembro de 2019, a Câmara de Valença, juntamente com os municípios de Almeida, Elvas e Marvão, formalizaram, junto da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), a candidatura conjunta das Fortalezas Abaluartadas da Raia a Património Mundial da Humanidade.

  ZAP // Lusa

5 Comments

  1. Será que as tropas russas já estão em Valença? Eles é que têm por sistema roubar tudo o que podem e um canhão sempre fazia jeito!…

  2. “Nuestros hermanos” uma M…!!! Meus irmãos não são!!!… Os irmãos não roubam, não invadem, nem tentam riscar do mapa o país dos outros!!!
    Roubaram-nos Ceuta, Melilha, Olivença, etc, e mais recentemente quiseram roubar-nos as ilhas Selvagens no arquipélago da Madeira!!! Esse canhão deve estar em Espanha…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.