Para Ronaldo, Ralf Rangnick não é o início nem o fim dos problemas do United — que precisa de uma nova “mentalidade”

Peter Powell / EPA

O internacional português Cristiano Ronaldo a festejar um golo.

Internacional português admite que os últimos meses — desde que regressou a Manchester — não têm sido fáceis, mas não atira a toalha ao chão relativamente ao que resta da temporada.

Numa altura em que muitos apontam a porta de saída de Old Trafford a Cristiano Ronaldo — com os rivais da cidade até a festejarem o facto de a sua contratação não ser concretizada —, o internacional português continua a ser um farol de experiência e estabilidade no balneário, não hesitando em ilibar o recém contratado Ralf Rangnick de culpas no que respeita às pobres exibições da equipa. Pelo contrário, o jogador coloca o foco nos colegas de equipa e nas suas abordagens aos jogos.

“Tudo tem com a mentalidade. Quando estamos com dificuldades num jogo temos de conseguir reagir, dar a volta. O clube chama-se Manchester United, por isso temos de estar unidos. As táticas e sistemas só funcionam se tivermos a mentalidade certa e o treinador precisa de tempo — mas é importante olharmos para nós e ver o que podemos fazer melhor“, tratou de esclarecer em entrevista à Sky Sports.

Contratado como treinador interino até ao final da época Ralf Rangnick tem um registo que seria aceitável para qualquer treinador em qualquer outro clube sem os níveis de exigência do Manchester United: quatro vitórias em sete jogos, com apenas três golos sofridos. Mesmo assim, os adeptos não estão satisfeitos. Para eles, Ronaldo tem uma mensagem.

“Sei que vai ser preciso tempo, não se muda mentalidades, sistemas, de um momento para o outro. Acredito que o treinado está a fazer um bom trabalho e ainda somos capazes de fazer uma boa época“, antecipou, relembrando também o curto mas bem sucedido percurso do treinador. “Chegou há cinco semanas e já mudou muitas coisas, mas precisa de tempo para passar as ideias aos jogadores. Sei que não estamos a jogar o melhor futebol, mas temos muitos jogos pela frente para melhorar”, explicou.

Recordando os meses desde o seu muito aclamado regresso a um clube onde já foi feliz, o português reconheceu que este período “não foi fácil“. “Saiu o Ole, depois o Crrick e agora temos um novo treinador. É difícil passar por tantas mudanças. E um pouco triste. Joguei com o Ole, quando cheguei era o treinador, uma pessoa fantástica. Quando ele foi embora todos ficaram tristes” admitiu.

Algo que também pode não estar a ajudar, na visão de Cristiano Ronaldo é o facto de Ralf Rangnick estar a prazo, algo que considera que pesa no nível de empenho e esforço que os jogadores apresentam em cada jogo.

“Ter um treinador interino afeta alguns jogadores, as suas atitudes e desempenhos, porque sabem que estão a receber indicações de alguém que vai embora no final da época. Ele até pode sair-se bem e dar a volta a isto, mas penso que tem um efeito psicológico em alguns jogadores. Não é a situação ideal quando se sabe que ele está a prazo, porque o treinador tem de se sentir seguro da sua posição para comandar com autoridade e respeito. Rangnick ficar por apenas quatro meses não é bom“, refletiu.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.