Há um robô que consegue construir quase tudo – até clones de si próprio

MIT News

Investigadores norte-americanos estão a desenvolver um novo tipo de robôs totalmente autónomos, capazes de trabalhar em conjunto para montar qualquer estrutura ou produto, incluindo clones de si próprios.

As descobertas, recentemente publicadas na Nature Communications Engineering, sintetizam anos de investigação sobre um novo sistema em que tanto os robôs como os projetos que lhes são atribuídos são compostos por materiais designados por voxels, os equivalentes volumétricos de um pixel bidimensional.

“Enquanto anteriormente os voxels eram peças estruturais puramente mecânicas, a equipa desenvolveu agora voxels complexos, que podem transportar energia e dados de uma unidade para a outra”, pode ler-se no editorial do MIT News. A investigação foi desenvolvida pelo Center for Bits and Atoms (CBA), do MIT.

Esta evolução “pode permitir a construção de estruturas que não só suportam cargas, mas também realizam trabalhos como elevação, movimentação e manipulação de materiais – incluindo de voxels”, lê-se no documento, citado pelo Popular Science.

A certa altura, as distâncias que estas pequenas máquinas têm de percorrer tornam-nas ineficientes. Ao treiná-las para reconhecer quando isto acontece, e quando devem construir iterações necessárias e maiores, todo o sistema pode escalar indefinidamente, referiu o artigo.

O resultado final é uma criação da estrutura pretendida, construída pelo robô.

“Os próprios robôs são constituídos por uma cadeia de vários voxels”, explicou o MIT. “Estes podem agarrar outro voxel, usando pontos de fixação numa extremidade, depois mover-se em forma de minhoca até à posição desejada, onde o voxel pode ser fixado à estrutura em crescimento e ali libertado”, continuou.

Embora os investigadores considerem que um sistema totalmente autónomo de voxel-bots ainda esteja “a anos de distância”, passos recentes mostram o potencial da robótica iterativa e as suas potenciais ramificações dentro das indústrias.

Outras utilizações potenciais incluem estruturas de construção para ajudar na proteção contra a subida do nível do mar e a erosão costeira, bem como casas impressas em 3D e a construção de habitat espacial.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.